Andebol Luso na Europa 16# SL Benfica a 60 minutos de fazer história

Bernardo GalanteAbril 28, 20223min0

Andebol Luso na Europa 16# SL Benfica a 60 minutos de fazer história

Bernardo GalanteAbril 28, 20223min0
Na EHF European League, o SL Benfica conquistou uma larga vantagem que abre a porta para as meias-finais da competição

O Sport Lisboa e Benfica, na passada terça-feira, derrotou os eslovenos do RK Gorenje Velenje por sete golos de diferença, tendo assim a corajosa missão de segurar a vantagem no encontro da 2ª mão a disputar-se na próxima terça-feira.

VANTAGEM DE SETE GOLOS ALIMENTAM BENFIQUISTAS

A turma comandada pelo técnico espanhol Chema Rodríguez, entrou algo desconcentrada na partida, faltando claramente dinâmica ofensiva e defensiva para se superiorizar a um coletivo organizado como o do RK Gorenje Velenje. Por volta dos primeiros dez minutos do encontro, o técnico da turma encarnada levava à mesa o primeiro time-out, de forma a parar o momento ofensivo do adversário e aproximar-se no marcador. O time-out teve o efeito desejado e o Benfica viraria o encontro para 11-10, após ter estado a perder por 3-7 nos instantes iniciais da partida. Lazar Kukic viria a assumir o leme ofensivo dos encarnados, sendo peça chave para Chema. Apesar desses fatores, as águias entravam para os balneários a perder por dois golos de diferença, estando o marcador eletrónico a marcar 16-18.

Na segunda parte, a mudança de atitude por parte dos atletas do SL Benfica foi fulcral e acabariam por conseguir uma vantagem muito sólida. O momento de viragem foi o 25-24, apontado por Luciano da Silva e, a partir daí, o resultado foi sendo dilatado pelos homens da casa com particular destaque para Lazar Kukic, Petar Djordjic e Sergey Hernandez.

No plano ofensivo, Kukic apontou 8 golos (8/10, 80%) e assumiu o papel de organizador do ataque posicional das águias. Petar Djordjic apontou 9 tentos em 14 remates realizados e Sergey Hernandez foi fundamental na baliza com 7 defesas em 18 remates sofridos, registando um total de 39% de eficácia entre postes.

“O resultado nunca é suficiente. Na Europa, não há resultados suficientes. Decide-se sempre na segunda partida. O Gorenje, em casa, é uma equipa fortíssima e, tendo o pavilhão cheio, é duro. Como vimos na eliminatória anterior, uma equipa tão forte como o Nimes perdeu lá por sete de diferença. Vamos sofrer, vai ser muito complicado e temos de estar muito concentrados para passar esta eliminatória”, referiu Chema Rodríguez aos canais oficiais do clube.

COMO SE ENCONTRAM AS RESTANTES PARTIDAS DOS QUARTOS DE FINAL?

Quanto às restantes partidas, resta salientar as excelentes vitórias fora de portas dos alemães do Magdeburg e dos polacos do Wisla Plock, não deixando escapar a grande vitória do Nexe da Croácia diante dos seus adeptos, frente aos dinamarqueses do GOG.

HBC Nantes (FRA) 25-28 SC Magdeburg (ALE)
Kadetten (SUI) 31-33 Wisla Plock (POL)
RK Nexe (CRO) 32-27 GOG (DIN)

PODERÁ HAVER REPETENTES DA EDIÇÃO PASSADA NA FINAL4?

A EHF European League ou Liga Europeia da EHF, veio substituir a antiga EHF Cup, portanto irá agora para a 2ª edição deste novo formato. Contudo, existe a possibilidade de haver repetentes na Final Four da competição.

O SC Magdeburg – atual campeão em título – e os polacos do Wisla Plock estão em ótimas condições de repetirem a presença nas quatro melhores equipas da competição. Os alemães, na edição passada, bateram o Wisla Plock nas meias-finais, ao passo que venceram no derradeiro encontro, o Fuchse Berlin por 28-25. O Wisla Plock após perder as meias-finais, marcou presença no encontro de atribuição do 3º e 4º lugar, do qual saiu derrotado por 27-32 frente ao Rhein Neckar-Löwen.

Os dinamarqueses do GOG foram precisamente eliminados nos quartos de final da competição pelos polacos do Wisla Plock, sendo que procuram a estreia na Final Four da competição, tal como acontece com os restantes cinco clubes em prova.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter