22 Mai, 2018

Porto Beach Rugby: Bem-vindos à arena das areias da Invicta

Francisco IsaacJulho 6, 20179min0

Porto Beach Rugby: Bem-vindos à arena das areias da Invicta

Francisco IsaacJulho 6, 20179min0

As Series do Beach Rugby Portugal continuam após a Figueira, seguindo-se uma viagem “curta” até à Invicta, mais precisamente na praia Internacional do Porto. O Fair Play foi conhecer a sua história, participantes, condições e um dos grandes senhores do Sport Club Porto, Nuno Gramaxo

Terminou no dia 2 de Julho a etapa do Figueira Beach Rugby, com os Minots e as Dolphins a sagrarem-se campeões masculinos e femininos, respectivamente. Os clubes portugueses obtiveram belas prestações naquele que é considerado o melhor Torneio de Beach Rugby do Planeta da Oval.

Agora é a vez do Porto receber a 2ª etapa das Series. A Invicta é um local que esteve habituado a receber grandes etapas de Beach Rugby durante largos anos, tendo-se estreado nesta variante em 1993 com uma etapa internacional na praia do Homem do Leme.

Na altura foram 20 equipas a participar num evento de dois dias que “arrastou” várias pessoas para os areais e animou as hostes da Invicta. No entanto, só em 2016 é que o Porto voltou a conquistar o seu lugar como etapa do Circuito Nacional de rugby. E, fica a pergunta do leitor, como funciona estas Series ou Circuito?

Se a lógica for igual à de 2015, o suposto Circuito Nacional de Rugby de 2017 monta a sua classificação geral com as equipas que estão registas só em Portugal. Ou seja, uma equipa que tenha terminado em 6º na Figueira e conseguir conquistar vitórias no Porto ou em Santo André (a última etapa a 22 de Julho) pode perfeitamente conquistar o Circuito Nacional de Beach Rugby.

De acordo, com a tabela classificativa da Figueira as equipas portuguesas ficam alinhadas desta forma:

MASC.
1º-CDUL; 2º- Caparica Sharks; 3º- Académica; 4º- RC Coimbra; 5º- CR São Miguel; 6º – SL Benfica; 7º – AEIS Agronomia; 8º- RC Montemor; 9º- Lycaons RC; 10º- Ginásio Figueirense; 11º- Agrária; 12º- Braga Rugby; 13º- RU Aveiro; 14º- Dark Horses; 15º- RC Leiria

FEM.
1º- Sport Porto; 2º- SL Benfica; 3º- Agrária; 4º- Benfica B; 5º- SR São Miguel; 6º- CRAV

Resultados Figueira (Foto: Figueira Beach Rugby)

Para a etapa do Porto só CDUL, Sharks, Agronomia, Braga Rugby e, sem confirmação ainda, CR São Miguel provêm da 1ª etapa do Circuito, a nível da competição masculina. Dos femininos, o Sport Porto é o único que transita da Figueira, jogando pelo título contra o Tondela Rugby, CDUP e Trofa Rugby.

Com um estádio para 700 pessoas, na Praia Internacional do Porto, a organização espera “casa cheia” naquele que é um evento marcante para a cidade da Invicta.

Com um prize Money de 400€ para o 1º lugar, com mais 200€ e 100€ para o 2º e 3º lugar respectivamente para a Men’s Division. Para a divisão feminina, e devido a estarem só quatro a seis equipas perspectivadas inscritas, a organização garantiu 150€, 100€ e 50€ para cada um dos lugares do pódio.

Para um evento que terá uma dimensão “menor” em termos de números de equipa (mas com uma paixão ainda maior e mais fervorosa) ou de pessoas a circular pelos campos em comparação com a Figueira, não deixa de ser uma etapa bastante apetecível e apaixonante. O Porto Beach Rugby vai realizar-se entre os dias 8 e 9 de Julho.

O dia 8 é dedicado aos graúdos, com os jogos a terem o seu início às 12h00 (o que permite a equipas de Coimbra, Lisboa, Montemor e outros pontos do país de saírem a boas horas) prolongando-se até às 19h30 do mesmo dia, com as finais a serem jogadas por volta das 18h30.

Como “surpresa” (e com uma ideia completamente “fresca”) a meio da competição de dia 8 de Julho, vai ter lugar um jogo de sub-8 e sub-10, para depois seguir-se um jogo entre os capitães de todas as equipas que vão estar a jogar na Praia Internacional do Porto.

O grande líder, Gonçalo Foro (Foto: Luís Cabelo Fotografia)

Uma ideia inovadora que reflecte o verdadeiro espírito do rugby, criando uma mentalidade de colectivo, amizade e de partilha, com uma boa dose de animação!

Com o CDUL (uma equipa recheada de excelentes “miúdos”, liderados pelo internacional Gonçalo Foro, que bem gosta de jogar rápido e fazer “magia”) a assumir uma posição de “força”, seguindo-se dos lunáticos dos Caparica Sharks (polvilhado por vários jogadores de grande categoria dos clubes portugueses), o surpreendente São Miguel (10º lugar da geral na Figueira, com um rugby de praia muito simples, prático e animado) ou a Agronomia (apesar do 3º lugar do Ericeira Beach Rugby não contar para as contas do Circuito, não deixam de prestar jus ao espírito de “luta” e “raça”), a etapa do Porto tem tudo para correr bem.

Na divisão feminina, e não desvalorizando as restantes equipas, o Sport Club do Porto tem tudo para somar mais uma vitória e ficar completamente na frente da classificação portuguesa, longe do SL Benfica e com o título praticamente em suas mãos.

No dia 9 de Julho vão ter lugar os jogos de formação (dos 8 aos 17 anos), assim como um Masters Cup dedicado aos veteranos do rugby Nacional. Por isso, outro fim-de-semana bem “cheio” para o Rugby Nacional e que em muito deve orgulhar a sua comunidade.

O Fair Play foi “descobrir” o percursor desta ideia, na mesma lógica da Ericeira (João Silva) e Figueira (Rui Loureiro), para perceber o porquê de fazer esta forcing pelo Porto Beach Rugby. Nuno Gramaxo, um dos pais fundadores do Sport Club do Porto e um verdadeiro apaixonado pela Oval disponibilizou o seu tempo para falar com o Fair Play.

fp. Nuno Gramaxo desde já parabéns pelo facto do Porto e o Sport Club do Porto organizarem uma das etapas do Circuito Nacional de Beach Rugby. Qual foi a vossa ideia no início? E porquê fazê-lo?

A promoção do Rugby e do beach rugby em especial é um dos objetivos do Clube e da Porto Lazer, entidade que gere o desporto na Câmara Municipal do Porto. Temos o estádio aberto a todos durante a semana de 3 a 9 de Julho, tendo já recebido centenas de alunos que estão a usufruir do rugby e desta fantástica estrutura. Temos diversos campos de férias que nos está a visitar. A nível de clube e apesar de termos somente 4 anos de vida – Sport Rugb, em femininos somos tri campeões nacionais desta modalidade, ficamos em 2º lugar no europeu de clubes em 2015 e em 3º lugar em 2016. Este ano vencemos o North Sea Beach Rugby disputado na Holanda, tendo sido um dos momentos mais significativos da curta história do Sport Rugby. A continuidade da existência desta modalidade exige a sua promoção pelo que estamos com muita vontade de continuar este projeto para os próximos anos.

fp. Vamos ter um torneio mais pequeno que o da Figueira, mas mais acolhedor. Explica-nos do que se trata o Porto Beach Rugby e qual é o objectivo desta organização? É uma das formas de trazer novos interessados para a modalidade?

O Torneio da Figueira é o maior torneio de Beach Rugby do Mundo, tendo uma dinâmica incrível. Vêm clubes de muitos países e é uma verdadeira festa do Beach Rugby. O nosso torneio é bem mais pequeno, já que não suporta mais do que 14 equipas, devido ao espaço onde o mesmo se realiza. No entanto tem um envolvimento muito bonito, com o mar a 30 metros e um lindíssimo estádio com capacidade para 700 pessoas sentadas. Vamos ter as melhores equipas nacionais e uma equipa francesa.

fp. Achas que o Beach Rugby pode ser um dos porta-estandartes do Rugby Nacional? O Município apoiou esta iniciativa? E quem é para ti o favorito à conquista?

A federação e os clubes deveriam apostar fortemente nesta modalidade que está a ter uma enorme expansão em todo o mundo. Podemos através do Beach rugby chegar facilmente a jovens que nunca praticaram rugby e que, com toda a certeza se iriam apaixonar por este desporto, o que iria aumentar o número de praticantes e de clubes. A Câmara do Porto tem sido incrível no apoio a este projeto. Queríamos agradecer publicamente à Porto Lazer pelo forte apoio e incentivos para a realização do torneio.

fpQue mensagem gostavas de deixar ao público, jogadores, equipas e outros.

Venham ver o nosso torneio e participar na festa do beach rugby do Porto.

A organização confirmou a vinda de 14 equipas, sendo que na divisão masculina estarão 10/12 formações garantidas com:

– CDUL, Caparica Sharks, AEIS Agronomia, CDUP, Braga Rugby, Crespu Rugby, Club Porto Rugby, P. Porto Rugby, Prazer de Jogar e XXX;

Nos femininos:

– Sport Rugby, Trofa, CDUP e Tondela Rugby;

Mas até ao dia 7 de Julho poderão surgir outros nomes como o São Miguel, a Académica, o GRUFC, SL Benfica entre outras.

Com isto o Fair Play abre mais uma etapa do Porto onde as várias equipas irão lutar pelo título, prémios, honra, diversão, paixão e animação do Beach Rugby. Dia 8 de Julho na Praia Internacional do Porto o Circuito Nacional da variante, projectada pela Doctor Sports e com participação da Federação Portuguesa de Rugby, vai trazer rugby até a mais um “canto” do país.

Nuno Gramaxo e o Sport Club Porto (Foto: Luís Cabelo Fotografia)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter