17 Ago, 2017

Frente-a-Frente: Sporting x Porto

Ruben CardosoAgosto 28, 201613min0

Frente-a-Frente: Sporting x Porto

Ruben CardosoAgosto 28, 201613min0

Em dia de clássico, o Fairplay faz um frente-a-frente entre alguns dos jogadores mais preponderantes de Sporting e Porto, e que poderão fazer a diferença hoje no Estádio de Alvalade. Se do lado dos leões, o momento é de despedidas, do lado dos dragões há uma chegada pronta a actuar.

Depois de duas vitórias no arranque do campeonato, o Sporting procura isolar-se desde já perante a concorrência, numa altura importante da época, antes da paragem para os compromissos internacionais. Os leões tiveram algumas ausências cruciais nas duas primeiras jornadas, com Slimani castigado frente ao Marítimo, e com João Mário a estar ausente frente ao Paços de Ferreira, a acertar os detalhes para a sua saída para o Inter de Milão. Mas ainda assim, os pupilos de Jorge Jesus conseguiram mostrar alguma solidez defensiva que faltou na pré-época, e uma dinâmica interessante protagonizada pela entrada de Alan Ruiz no onze inicial. Para este frente-a-frente, em dia de clássico, optámos por analisar, do lado dos leões, a importância de Rui Patrício, Adrien Silva e Islam Slimani.

O Dragão regressa a Alvalade para ir em busca de uma 3ª vitória consecutiva na Liga e manter o registo de nenhuma derrota neste mês de Agosto. Após uma visita a Vila de Conde, uma recepção ao Estoril e uma eliminatória de sonho frente à AS Roma, a equipa de Nuno Espírito Santo tem conjugado um futebol de posse e pressão alta, com alguma exposição nas costas do meio-campo defensivo. Neste frente-a-frente optámos por Iker Casillas, Hector Herrera e André Silva, três jogadores que têm marcado o início de época portista.

Confira os principais pontos prévios deste frente-a-frente entre Leões e Dragões:

Duelo entre Corona e Matheus. Foto: Sapo
Duelo entre Corona e Matheus. Foto: Sapo

O DUELO DOS GUARDIÕES

IKER CASILLAS (4 J. 2 GS)

O internacional espanhol, que poderá ter dito adeus a La Roja, entrou para 2016/2017 com o pé direito. Mais confiante, com boas exibições interessantes frente ao Estoril ou com a Roma (apesar de alguns calafrios, com defesas incompletas perigosas), o guardião tem um rácio de 18 defesas (e só 2 golos sofridos) com 5 incompletas. A presença de Felipe e a subida de forma de Marcano (resultado de uma combinação interessante mas ainda com “arestas por limar”) têm dado outro “descanso” ao guarda-redes azul-e-branco. Mas conseguirá fazer frente ao papel de Rui Patrício? Em 2 jogos contra o Sporting CP, Casillas somou duas derrotas e 5 golos sofridos, com algumas culpas no 3º tento do jogo da 2ª volta da época passada. Por vezes a falta de segurança na saída dos postes ou o ficar a meio caminho de um lance podem condenar a sua equipa a um golo, colocando-a na direcção da derrota. Em Alvalade terá que assumir um papel de gigante, garantindo um “porto seguro” para motivar a sua equipa a subir as linhas e a manter Slimani e Ruiz longe da baliza, com o avançado argelino a querer assumir o papel de “terror” para uma das maiores lendas do futebol mundial.

RUI PATRÍCIO (2J; 0GS)

Rui está, provavelmente, a atravessar a sua melhor fase na carreira. Depois de uma grande época de 2015/2016, o momento alto chegou com a conquista do campeonato da Europa, em que o guarda-redes do Sporting brilhou mais que qualquer outro na competição. A sua prestação contra a França, particularmente, foi épica, na noite da consagração dos campeões europeus. Já neste início de temporada, o guardião leonino apresenta-se a um nível altísismo, já com uma mão cheia de intervenções fantásticas, que mantêm a baliza inviolável nas duas primeiras jornadas do campeonato. O histórico recente com o Porto não é propriamente infeliz, sendo que nos últimos 2 anos o jogo menos conseguido terá sido a derrota por 3-0, em 14/15, no Dragão. Na pré-época a linha defensiva apresentou muitos problemas, o que poderia ter colocado a prestação de Patrício em xeque, mas tanto Coates como Semedo recuperaram os seus níveis de concentração, e têm estado irrepreensíveis. Travará com certeza um duelo interessante com André Silva, que agora também será seu colega na seleção nacional. Certo é, que Rui Patrício é já um bastião do Sporting, e poderá estar aqui uma das novas lendas do emblema leonino, assim se mantenha em Alvalade.

Foto: Globoesporte
Foto: Globoesporte

A GUERRA DE CAPITÃES

HECTOR HERRERA (4 J. 1 GM)

O capitão dos dragões tem estado numa forma intermitente no arranque de época: entre passes falhados e assistências para golos (o passe para Layún no segundo jogo frente à Roma), falhas de posicionamento (no jogo com o Rio Ave deu muito espaço ao meio campo vila-condense, levando alguns “sustos” à sua defesa) ou tomadas de decisão de qualidade, Herrera consegue o melhor e o pior. O grande golo frente ao Rio Ave acabou por confirmar a vitória dos Dragões, provando que pode ter um papel de destaque no plantel azul-e-branco. Mas o que acrescenta? Quando está concentrado e focado, o mexicano consegue ser uma dificuldade acrescida para qualquer adversário, com o trabalho incansável, a pressão fracturante que obriga os seus “rivais” a entregarem a bola de forma errada ou o gosto de desferir um remate potencialmente perigoso à baliza (em 81 jogos pelo FC Porto marcou 16 golos) serão pontos a favor do mexicano de 26 anos no reduto dos Leões. Mas e se os passes falhados surgirem em excesso? E se fraquejar perante a estratégia de William-Adrien em retirar o papel de destaque? Hector Herrera terá um jogo de cortar a respiração, onde a sua acção será decisiva para o resultado final.

ADRIEN SILVA (2J; 1GM)

Foi com Jorge Jesus que Adrien Silva, capitão leonino, mostrou o seu melhor futebol, depois de duas épocas a meio gás com Leonardo Jardim e Marco Silva. A sua preponderância no jogo é incrível a todos os níveis, o que também ficou claro durante o Euro 2016, a partir do momento em que Fernando Santos apostou nele. Neste início de época, está já a apresentar um nível invejável, com a intensidade que lhe é reconhecida, com a entrega ao jogo, e inclusivé já com um golo de belo efeito que deu a vitória frente ao Paços de Ferreira. A interrogação que se coloca, nesta fase, é se Adrien se irá ressentir com a saída de João Mário. É certo que ocupam posições diferentes, mas tendo em conta a capacidade que o novo jogador do Inter tinha em ocupar os espaços e manter-se sóbrio em termos posicionais, poderá dificultar o trabalho defensivo do capitão do Sporting. Sendo que a opção de Jesus parece recair em Gelson – um jogador mais vertical, mais anárquico, e sem grande sentido defensivo -, veremos como a equipa se irá adaptar a esta nova realidade. Mas ao nível que se tem apresentado, Adrien com certeza não terá dificuldades em conseguir ser o pêndulo que a equipa precisa. O duelo do meio-campo no clássico será um de proporções titânicas, com a dupla William-Adrien a ter que suster a capacidade que homens como Herrera (naquele que será o verdadeiro frente-a-frente do jogo desta noite), Otávio e Corona têm em aproveitar os espaços interiores.

Duelo entre Adrien e Herrera. Foto: Jornal de Notícias
Duelo entre Adrien e Herrera. Foto: Jornal de Notícias

A PROMESSA CONTRA A CERTEZA

ANDRÉ SILVA (4 J. 3 GM)

A nova coqueluche do FC Porto está com o pé quente na nova temporada! Um goleador português como há muito não se via no Dragão! Conseguirá André Silva fugir a Rúben Semedo e Sebástian Coates? A forte estrutura física (1,85m) completada com uma noção de espaço e velocidade de execução são algumas das qualidades do jovem dragão. Porém, há algo que não pode acontecer em Alvalade: fraquejar perante o guarda-redes adversário,(algo que já sucedeu nesta temporada). Em 14 remates em 4 jogos, André Silva conseguiu 3 golos, sendo que 1 deles foi através de penalty e outro numa recarga a um pontapé de penalidade falhado. Com o Estoril apareceu na Hora H, mas podia ter decidido a partida muito antes. Já frente à AS Roma, no Dragão, dispôs de duas oportunidades decisivas que acabou por atirar ao lado e à figura de Szczesny. Não vai ser nada fácil encontrar espaço no frente-a-frente com Semedo e Coates, tendo que fazer uso da sua inteligência e sentido de oportunidade para criar situações de perigo à baliza de Rui Patrício, outro obstáculo quase inultrapassável se André Silva não desferir um remate à goleador. Tem tudo para ser uma figura decisiva no Clássico, mas também pode, facilmente, ser engolido se não conseguir perceber como pode “romper” com a harmonia dos centrais leoninos.

ISLAM SLIMANI (2J; 0G)

Será, ao que tudo indica, o último jogo de Slimani com a camisola do Sporting. A sua saída para Inglaterra parece inevitável, sendo que inclusivé Bas Dost já se encontra em Lisboa, para ultimar os detalhes da sua transferência para Alvalade. Mas o argelino com certeza não quererá abandonar o campeonato português sem deixar a sua marca. Depois de uma época formidável a todos os níveis, com uma evolução tremenda no seu jogo, conseguiu um registo de golos apenas ao nível de Jonas e Jackson, nos últimos anos do futebol português. E tem no Porto um dos seus alvos prediletos: são 5 golos em 7 jogos frente aos dragões. O instinto felino é algo que poderá vir a faltar ao Sporting nesta época, mas o negócio que se veicula pela comunicação social é racionalmente irrecusável: um jogador que valorizou, em 3 anos, de 300 mil euros para 30 milhões, está no expoente máximo das suas capacidades futebolísticas, estará quase 2 meses ausente, para participar na CAN, e tem já 28 anos. Como é costume dizer-se, é um daqueles comboios que só passa uma vez, e ao que tudo indica, o ponta-de-lança argelino sairá após o jogo frente ao Porto. A esperança dos adeptos leoninos é que, antes de ir, faça aquilo que sabe fazer melhor: marcar golos.

Foto: Jornal de Notícias
Foto: Jornal de Notícias

PORMENOR DOS DRAGÕES:

Colocar ou Não Colocar Óliver – eis a questão!

O fantasista espanhol chegou quarta-feira ao Dragão e já treinou afincadamente neste seu regresso ao FC Porto. Todo o requinte que possui pode fazer a diferença dentro das quatro linhas, com um toque de bola intratável, para lá de conseguir criar dificuldades no jogo curto aos seus adversários. Mas quem tirar? Hector Herrera o capitão, que oferece algum músculo, velocidade e capacidade de remate? André André, uma autêntica formiga que trabalha em prol da equipa, com boas recuperações de bola e uma presença territorial de destaque? Ou Otávio, outra das novidades desta temporada e que muito tem encantado o público do Dragão? André André deverá ser a escolha óbvia como “sacrifício” de Nuno Espírito do Santo para entrar o mágico contratado ao Atlético de Madrid. Num jogo que será o início da era sem João Mário(o fantasista dos Leões foi transferido para o Inter de Milão), poderá ser Óliver a espalhar perfume e magia em Alvalade.

PORMENOR DOS LEÕES

Arrivederci João Mário

Foi confirmada ontem à noite a transferência de João Mário para o Inter de Milão, a troco de 40 milhões de euros + 5 milhões em objectivos. Independentemente de chegarem ou não reforços para a sua posição, a saída do #17 leonino deixa um vazio gigantesco e quase insubstituível, tanto no Sporting, como no futebol português. Um jogador onde prima a classe, a elegância, o perfume futebolístico, sendo provavelmente, a par de Gaitán, um dos nomes mais consensuais para o comum adepto do campeonato português, seja qual for a sua filiação clubística. Sem ele, residem algumas interrogações acerca de quem será capaz de assumir a sua posição. Pela amostra dos últimos jogos, e nomeadamente a partida frente ao Paços de Ferreira, em que a aposta recaiu sobre Gelson Martins. Mas a previsão é que, com o tempo, possa vir a ser Joel Campbell a assumir as despesas do flanco direito. O jogador do Arsenal, apesar de estar mais habituado a jogar em zonas mais adiantadas, partilha da capacidade de Bryan Ruiz em aproveitar o espaço interior, e entregar o flanco ao lateral daquele lado. Será interessante ver a abordagem de Jesus a esta situação, sendo que ainda restam jogadores como Alan Ruíz, Iuri Medeiros, ou até Marcelo Meli, que pode ser adaptado pelo técnico leonino.

O adeus a um dos grandes do futebol português. Foto: Sapo
O adeus a um dos grandes do futebol português. Foto: Sapo


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter