24 Ago, 2017

7 jogadores a seguir no futebol asiático

Ricardo LestreJunho 19, 201712min0

7 jogadores a seguir no futebol asiático

Ricardo LestreJunho 19, 201712min0

Num continente onde persiste o reinado de Omar Abdulrahman, surgem outros jogadores que, temporada após temporada, continuam a demonstrar rendimentos excepcionais. O Fair Play dá-te a conhecer alguns dos nomes mais interessantes em todo o futebol asiático.

Kosuke Nakamura | Guarda-redes

Nacionalidade: Japonesa

Idade: 22 anos

Clube: Kashiwa Reysol

Internacionalizações AA: 0 (2 pela Selecção Olímpica 2016)

Valor de mercado: 800.000€*

Por detrás da excelente e surpreendente temporada do Kashiwa Reysol até ao momento, está Nakamura, guarda-redes japonês de 22 anos. Formado na academia dos Sun Kings, Nakamura estreou-se como sénior ao serviço do Avispa Fukuoka – equipa que disputara a J-League 2 e para o qual seguiu a título de empréstimo em 2015 – e o seu rendimento surpreendeu totalmente os responsáveis do Kashiwa: em 23 jogos somou cerca de 15 (!) clean sheets. Assim, em 2016, Nakamura foi a aposta número 1 do clube para a baliza e os resultados voltaram a confirmar todo o seu potencial. Em 32 encontros divididos pelas diferentes competições, o jovem keeper manteve as redes intactas por 13 ocasiões. Na actual temporada, com um total de 15 disputados, Kosu não sofreu qualquer golo em 7. Algo simplesmente fantástico.

O Outside of the Boot destacou, no mês de Janeiro, alguns dos nomes mais interessantes da J-League 2016 pelo que Kosuke Nakamura foi um dos visados. Ágil, dono de óptimos reflexos, boa elasticidade e de uma grande voz de comando de área. Por outro lado, revela algumas deficiências a nível do jogo de pés assim como de posicionamento, algo típico de um jogador tão jovem. A qualidade não engana. O sucessor de Eiji Kawashima já tem o seu destino traçado.

Abdelkarim Hassan | Defesa

Nacionalidade: Qatarí

Idade: 23 anos

Clube: Al-Sadd

Internacionalizações AA: 54/8 golos

Valor de mercado: 650.000€*

Produto da famosa Aspire Academy, Abdelkarim Hassan é hoje um dos grandes valores qatarís da actualidade e do futuro. Desenvolveu um percurso interessante pelas selecções jovens do país (sub-20 e sub-23) até figurar na convocatória do escalão sénior para a Asian Cup 2011, com somente 17 anos. Antes disso, assumiu um papel de destaque e destacou-se como o jogador mais jovem, inclusive, da Liga dos Campeões Asiáticos 2011, a única vencida até ao momento pelo Al-Sadd. Hoje, é um dos pilares da selecção nacional e de um dos maiores clubes do Qatar, treinado por Jesualdo Ferreira.

Hassan é um lateral esquerdo possante, de grande envergadura física (1,86 m, semelhante a Benjamin Mendy) que se sobressai imenso pela passada larga e pelo forte remate. É extremamente difícil de travar nas transições ofensivas e de ultrapassar nas transições defensivas. Disputa lances nos diferentes momentos da partida com uma intensidade brutal, o que muitas vezes prejudica as suas acções individuais e, consequentemente, as colectivas. Tem vantagem clara no jogo aéreo tal como nos duelos físicos e abarca uma capacidade técnica razoável para a sua posição. No entanto, a sua acentuada propensão ofensiva faz com que seja um pouco permeável a nível defensivo provocando, de forma algo frequente, situações de perigo aos restantes companheiros. Posto isto, caso se projecte uma selecção qatarí de qualidade para os próximos anos, Abdelkarim Hassan terá, certamente, um lugar reservado como um dos maiores esteios do plantel.

Nam Taehee | Médio

Nacionalidade: Sul-coreana

Idade: 25 anos

Clube: Lekhwiya SC

Internacionalizações AA: 30/3 golos

Valor de mercado: 4.000.000€*

Num continente onde subsiste o reinado de Omar Abdulrahman, já previamente analisado no Fair Play, surge um outro jogador de tremenda classe e cujas habilidades se destacam perante os demais. Nam Taehee, playmaker de elevado calibre e figura de proa do histórico Lekhwiya, é um dos jogadores sul-coreanos mais jovens de sempre a estrear-se nos maiores palcos europeus, aquando da sua passagem pouco proveitosa, diga-se, pelo Valenciennes FC em 2009/2010. Na verdade, Taehee desde muito novo que interagiu com o futebol europeu. Abandonou a formação do Ulsan Hyundai em 2007 para se juntar à academia do Reading FC onde se manteve por uma temporada e meia. O clube inglês reconheceu, de facto, as suas qualidades mas decidiu não avançar para um contrato profissional, o que levou o Valenciennes aproveitar-se da situação. Embora tenha alcançado uma proeza interessante, o tempo de jogo registado em França foi bastante escasso. Eis que, na época 2011/2012, o Lekhwiya SC, clube de topo da Qatar Stars League, assegurou a sua contratação. Nam Taehee viu, finalmente, todo o seu talento ser potenciado.

Nam Taehee é um médio-ofensivo de raiz que pode desempenhar a função de extremo. Contudo, as suas caraterísticas físicas/tácticas fazem com que a posição 10 seja a mais adequada. Drible curto, técnica e inteligência acima da média. Delicado na forma como trata o esférico. Capacidade de criação/decisão fenomenal. Remate certeiro. Qualidade de passe soberba. Excelente na execução de bolas paradas. Em suma, tem um talento gigante.

Completada a 5ª temporada com a camisola dos actuais campeões, o somatório total não engana: 169 jogos, nas várias competições, 66 golos e 55 assistências. Mesmo com a recente revelação da fusão entre o Lekhwiya e o El Jaish para a próxima temporada desportiva, sob o nome de Al Duhail SC, o sul-coreano continuará a ser o homem de destaque da equipa. Resta saber, portanto, se num eventual regresso à Europa, este tem condições para se impor definitivamente.

Wu Lei | Extremo

Nacionalidade: Chinesa

Idade: 25 anos

Clube: Shanghai SIPG

Internacionalizações AA: 43/7 golos

Valor de mercado: 1.500.000€*

No mercado onde abundam as transferências milionárias, o investimento e o desenvolvimento nas academias de futebol também tem sido em largas proporções. Wu Lei é, a par de Zhang Linpeng, a maior conquista do futebol chinês. Produto da academia de Xu Genbao, afiliada ao Shanghai SIPG, seu mentor, realizou um percurso notável pelos escalões jovens e chegou ao topo da sua carreira ainda muito jovem.

Wu Lei destaca-se pela capacidade atlética. É extremamente leve, rápido, forte nas transições e em situações de 1×1, muito ágil e astuto nas movimentações interiores/exteriores e, por fim, eficaz no momento da finalização. Ainda que a sua posição natural seja a de extremo direito/esquerdo, já cimentou uma posição privilegiada no topo da lista dos melhores marcadores da Super Liga e é dos jogadores chineses que mais contribuem para esse capítulo. No entanto, conta com uma certa dose exagerada de individualismo e com algumas deficiências na definição dos lances.

O ‘Maradona chinês’, alcunha que lhe fora atribuída por Genbao, representa o presente e o futuro. É um dos símbolos do Shanghai SIPG, clube liderado por André Villas-Boas que ambiciona afirmar-se em pleno no contingente asiático, e da própria selecção. Sobra a esperança de, num futuro próspero, surgirem mais Golden Boys como Wu Lei provenientes das escolas de formação do país.

Ali Mabkhout | Avançado

Nacionalidade: Emiradense

Idade: 26 anos

Clube: Al-Jazira SC

Internacionalizações AA: 17/12 golos

Valor de mercado: 800.000€*

Os Emirados Árabes Unidos têm em Omar Abdulrahman o seu maior símbolo, juntamente com Ahmad Khalil, portentoso avançado que desde muito cedo ganhou reconhecimento um pouco por todo o mundo. Ali Mabkhout saiu das escolas do Al-Jazira e conseguiu a sua debut na equipa principal aos 18 anos de idade.

Desde muito cedo que Mabkhout demonstrou aptidões para um ponta-de-lança. Forte fisicamente, rápido, solta-se muito bem da marcação e, claro, possui uma grande veia goleadora. Para uma pequena noção, desde a sua estreia disputou 104 jogos e marcou cerca de 76 golos e contribuiu com 16 assistências. É uma das pedras fundamentais dos actuais campeões da AG League e, na presente temporada, em 29 jogos balançou as redes por 32 ocasiões.

No contexto internacional, tem vindo a cimentar a sua posição como uma das maiores referências. Completa um trio fenomenal com Omar e Ahmad na frente de ataque, e tem vindo a apontar golos de belo efeito e, ao mesmo tempo, cruciais para os Leões de Zayed em diversas competições. Muito móvel, bom tecnicamente e na procura da profundidade – articula muito bem as suas movimentações com o limite do fora-de-jogo. Ao invés, revela algumas dificuldades no jogo aéreo e está longe da potência do seu compatriota Ahmad Khalil.

Omar Al-Somah | Avançado

Nacionalidade: Síria

Idade: 28 anos

Clube: Al-Ahli Jeddah

Internacionalizações AA: 2

Valor de mercado: 4.500.000€*

Um pouco mais experiente que os restantes, surge Omar Al-Somah, ponta-de-lança sírio, conhecido sobretudo no futebol asiático como The Arabic Zlatan Ibrahimovic. E a comparação é bastante pertinente. Iniciou o seu percurso futebolístico no Al-Futawa da Síria, deu nas vistas no Qadsia SC do Kuwait – um pouco tarde, diga-se- até que o Al Ahli Jeddah, uma das melhores equipas do futebol saudita, assegurou, na temporada de 2014, a sua aquisição por 2 milhões de euros. Al-Somah viria, então, a tornar-se a melhor contratação da história do clube. E é fácil explicar o porquê.

As similitudes com o astro sueco são evidentes. É um avançado alto (1,92 m), forte, excelente no cabeceamento, muito forte a proteger o esférico de costas para a baliza, e, acima de tudo, é uma autêntica máquina goleadora. Por muito que as suas características físicas apontem para tal, os seus golos não são de dificuldade reduzida. Bem longe disso. Al-Somah remata muito bem com os dois pés – daí que seja um óptimo executante de bolas paradas -, tem uma técnica bem apurada e é capaz de finalizar de várias formas e feitios. Basta olharmos para as suas estatísticas globais com a camisola do Al Ahli: 102 jogos, 105 golos e 11 assistências. Quebrou vários recordes de golos na Saudi Premier League, onde constam distinções como o Melhor Marcador Estrangeiro da história e/ou o jogador estrangeiro que mais hat-tricks regista até hoje.

Relativamente ao seu desempenho internacional, as divergências políticas com Bashar Al-Assad levaram a que se afastasse em definitivo da selecção, mesmo tendo cumprido poucos jogos. É livre, assim, de representar outro país da esfera ocidental desde que lhe seja garantida a cidadania – a Arábia Saudita continua à espreita. Esteve perto, no passado, de rumar ao Nottingham Forest, mas não conseguiu obter um visto de trabalho. Não fosse este o eterno dilema dos jogadores do médio oriente e Al-Somah tinha todas as condições para brilhar em qualquer uma das ligas europeias de topo.

Omar Kharbin | Extremo

Nacionalidade: Síria

Idade: 23 anos

Clube: Al-Hilal

Internacionalizações AA: 32/13 golos

Valor de mercado: 850.000€*

Omar Kharbin, aos 23 anos, tem vindo a despertar muita atenção na Saudi Premier League e, ao mesmo tempo, ao serviço da selecção síria de futebol, onde se assumiu como um dos – ou, talvez, o mais – jogadores bem cotados do plantel. Iniciou o trajecto no Al Wahda, do seu país natal, e, após consequentes empréstimos, avançou para o Al-Dhafra dos Emirados Árabes Unidos, cujo desafio lhe garantiu maior visibilidade. Criou impacto imediato ao apontar 17 golos e 5 assistências em 26 jogos, e o Al-Hilal não hesitou em garantir o seu empréstimo.

Kharbin tanto pode actuar a extremo como a segundo-avançado dentro de campo. Tem uma envergadura física de respeito (1,84 m), mas, por outro lado, é um jogador extremamente móvel. Movimenta-se muito bem no interior das áreas adversárias e aparece com frequência em zonas de finalização. Combina muito bem com os seus colegas e foge à marcação com facilidade, para além trabalhar imenso em prol da equipa. Na presente época, leva 15 golos em 20 jogos pelo clube saudita que parece decidido a apostar na sua aquisição definitiva.

*Valores segundo o site Transfermarkt.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter