20 Ago, 2017

Tarantini. “Só quem conhece o Rio Ave por dentro percebe o que foi feito”

Filipe CoelhoNovembro 3, 201610min0

Tarantini. “Só quem conhece o Rio Ave por dentro percebe o que foi feito”

Filipe CoelhoNovembro 3, 201610min0

Aos 33 anos, é um dos jogadores mais emblemáticos da Liga NOS. Construiu uma carreira a pulso até se tornar líder em campo de uma das equipas que mais cresceu no contexto português nos últimos anos. O seu exemplo vale, porém, por outros aspetos. Acaba de concluir o Mestrado em Ciências do Desporto e tem-se dedicado àquela que define como a sua causa: a da gestão das carreiras desportivas. Eis Ricardo Monteiro – ou melhor, Tarantini.

fpComo é que o Ricardo José Vaz Alves Monteiro se transformou em ‘Tarantini’?

T. O culpado foi o futebol. É uma alcunha do tempo em que jogava no Sporting da Covilhã, dada por Virgílio Martins (adjunto de João Cavaleiro). Hoje, com exceção de pais e irmãs, toda a gente me chama e conhece-me por Tarantini.

fp. Passou pelo Sporting da Covilhã e pelo Gondomar antes de atingir a divisão maior. O que lhe ficou desses tempos? O que oferecem os escalões inferiores do futebol nacional a um jovem futebolista sénior?

T. Além desses também o Portimonense. O tempo no Sporting da Covilhã foi diferente, pois além de ter tido uma carreira profissional conciliei uma carreira académica. Naquela altura, o Sporting da Covilhã estava a tentar relançar-se outra vez nos campeonatos profissionais e foi uma luta a todos os níveis. Senti as dificuldades que são pertencer a um clube que quer voltar a crescer, sair dos problemas financeiros e ainda por cima num clube que vive no interior.
A ida para o Gondomar e Portimonense foram passos importantes, para um jogador que tinha como objetivo chegar ao escalão principal. Os escalões inferiores devem ser olhados como mais uma etapa e oportunidade de quem pretende chegar mais acima. Os escalões inferiores dotam os jogadores de comportamentos que jamais serão conhecidos por outros. O futebol é como uma pirâmide, em que só chegam, permanecem e continuam os mais fortes. A 1ª Liga é apenas metade do caminho.

fp. Chegou ao Rio Ave em 2008/09, época que marcou o regresso do clube ao principal escalão do futebol português. Que avaliação faz relativamente à evolução do emblema vila-condense desde esse momento?

T. Uma evolução brutal. Só quem conhece o Rio Ave por dentro percebe o que foi feito e o que está a ser para tornar este clube um dos melhores de Portugal. Sé é o melhor, não é; se há coisas por fazer, certamente que sim; mas as poucas pessoas que cá trabalham têm isso em mente, tornar o Rio Ave mais competitivo. As recentes campanhas da equipa ajudaram a dar força na mudança. Para o Rio Ave continuar a crescer falta o aumento da massa associativa, falta mais gente nos estádios, faltam mais rioavistas. Acredito que há uma nova geração a aparecer, aquela que viu o Rio Ave a ganhar mais vezes.

fp. Alguma vez sentiu que a mentalidade de um treinador poderia prejudicar a equipa? Ou seja, alguma vez percepcionou que a forma como o treinador queria que a equipa jogasse ficava aquém do potencial da mesma e não permitia a evolução dos jogadores?

T. Obviamente que todos os jogadores sabem quando tiveram ou estão a ter um melhor rendimento, e aí sim é quando o treinador e a equipa estão a tirar o melhor desse jogador. Mas são inúmeros os fatores que condicionam isso.  Não existe uma só forma de ganhar. Enquanto jogador tenho de ter a capacidade de perceber e conseguir adaptar-me às ideias do treinador. Depois posso conseguir ou não. Caso não consiga estou mais perto de não jogar ou até de ter uma performance mais fraca. Podemos é sentir (no jogo) que as ideias são boas ou más, mas aí cabe ao treinador conseguir compreender o que é melhor para a equipa e para cada jogador. Porque no final só pode haver uma voz de comando e o comandante é sempre o treinador.

fp. O que diria ou como avaliaria o seu trajecto enquanto futebolista se ele terminasse hoje?

T. Eu fui sempre um homem de objetivos. E ao analisar pelos objetivos intermédios posso dizer que apenas ainda não consegui jogar na seleção nacional. Pois quando era miúdo queria ser profissional, quando me tornei profissional queria jogar na 1ª Liga. E quando aqui cheguei pensei em permanecer e depois chegar à seleção nacional. Se calhar foi aqui o meu erro, deveria ter percebido mais cedo que podia chegar ainda mais acima. Depois vieram os timings do futebol: nas minhas melhores épocas tinha contrato ainda com o Rio Ave e aí não tive o que outrora tive, alguém que acreditasse que podia jogar a outro nível. Não fico a lamentar, fico a pensar que não sou suficientemente bom para lá chegar, pois se pensasse o contrário estava a pensar como muitos outros, a lamentar.

img_6562

fp. O regresso à Universidade foi como que um regresso ao passado – à Covilhã e à Universidade da Beira Interior – ou uma projecção do futuro?

T. Sem dúvida uma visão para o futuro. Capacitar-me para o que ai vem, e acredito que serão coisas boas, ainda melhores.

fp. Qual o maior desafio e/ou dificuldade que teve de enfrentar na conciliação entre o estatuto de estudante e atleta?

T. Não tenho nada que possa dizer que foi impossível. Foi fácil? Não foi. Mas prescindindo de muitas coisas e tendo um compromisso forte com aquilo que pretendemos, é sem dúvida o primeiro passo para se conseguir. Temos de estar completamente focados com os nossos objetivos – eu quis e fui atrás.

fp. Considerando a sua experiência, julga que deveria haver outra atenção para com os atletas que pretendem não abdicar de uma carreira escolar/académica? Caberá aos clubes, nas suas academias, facilitar e fomentar essa formação?

T. Pela minha experiência, é preciso primeiro que os desportistas queiram mesmo uma carreira escolar/académica. O problema de hoje em dia é o facilitismo. Todos querem alcançar o que quer que seja o mais facilmente possível. É preciso ir atrás, pois se não fosse difícil toda a gente conseguia. Se não fosse difícil jogar ao lado de Cristiano Ronaldo, toda a gente jogava.
E depois sim, vêm as condições e a mentalidade de quem tem o poder de decisão, que têm de estar alinhadas com essa vontade.

fp. No seu site pessoal aborda uma causa que o move. Que causa é esta e de onde é originária? E como julga que pode intervir a este nível?

T. É uma causa, uma atitude que sempre esteve presente em toda a minha vida. Sempre tive uma preocupação com o que iria fazer na vida. Quando me tornei profissional comecei a perceber que o problema era e continua a ser mesmo real.

Neste momento tenho três objetivos com este projeto:
– dar continuidade, com mais qualidade e informação a palestras educativas em clubes, universidades e instituições interessadas na temática;
– conseguir quantificar o problema em Portugal, através da realização de diversos estudos;
– e encontrar parceiros que possibilitem a criação e divulgação de testemunhos inspiradores nas diferentes modalidades.

Acredito que se as instituições não pegarem nisto a sério, esta ideia vai morrer. Vou intervir dentro das minhas possibilidades, dos meus recursos, até quando achar que sou útil para esta causa.

fp. Sente que há sensibilidade por parte dos seus colegas de profissão relativamente a estas questões?

T. Uma coisa é achar que eles são sensíveis à questão, outra coisa é se eles fazem algo para mudar. De um modo geral, se a resposta à primeira é sim, à segunda é não.

dsc_0710-640x435

fp. A dado momento, na sua tese de mestrado, refere que “um dos grandes objetivos deste trabalho foi fornecer ao treinador dados quantificáveis e aplicáveis, identificando e caraterizando quais as relações mais estáveis que caraterizam o sucesso defensivo em situações de ‘passe entre linhas’ no futebol”. O Mestrado foi o primeiro passo no seu futuro pós-futebol? Equaciona a possibilidade de vir a ser treinador?

T. Sim, o mestrado foi o primeiro passo a pensar no futuro, outros já dei e continuo a dar. Ser treinador é uma grande possibilidade, no entanto não sei se algum dia vai acontecer ou quando. Tal como os jogadores, também os treinadores têm uma profissão em que são avaliados semanalmente. É uma carreira muito difícil, está sempre a ser posta à prova. Para quem tem essa vontade têm de se preparar o melhor possível, para quando a oportunidade aparecer.

fp. Que sonho ainda lhe falta cumprir, pessoal e futebolisticamente falando?

T. Tirando a seleção nacional, ganhar um título por um clube dito mais pequeno, como por exemplo o Rio Ave.

img_6714

O Fair Play agradece a pronta disponibilidade do Tarantini para a realização da entrevista, desejando-lhe as maiores felicidades a nível profissional e pessoal.

(Todas as fotos inseridas no corpo do texto foram gentilmente disponibilizadas pelo Tarantini)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter