18 Fev, 2018

Salvador Couto – a promessa do surf que chega do Norte

Palex FerreiraJaneiro 2, 20184min0

Salvador Couto – a promessa do surf que chega do Norte

Palex FerreiraJaneiro 2, 20184min0
O Fair Play ficou a conhecer Salvador Couto, um talento do Surf do norte do país. Uma entrevista em exclusivo com o antigo Campeão Nacional sub-16

Salvador Couto, é um jovem surfista de Leça da Palmeira, que vamos tentar saber mais um pouco sobre este surfista. que tenta conquistar a curto prazo presença nos WQS (World Qualifying Series) e sonha com a vida de surfista profissional dentro do circuito WSL. Presença assídua nos campeonatos nacionais do seu escalão (junior) e tem vindo a mostrar um surf bonito e de elevada performance.

Salvador esconde-se à sombra nas Maldivas Foto: Rui Jorge Oliveira

Idade e tempo de surf?

Tenho 17 anos e comecei a surfar com 9 anos.

Local de surf?

Leça da Palmeira, a minha terra.

Patrocínios?

Deeply, Polen surfboards, Picaba, Seventyonepercent, Jam, Futures (quilhas).

Tipo de onda preferido?

Tubolar.

Melhores resultados até hoje alcançados?

Campeão nacional sub 16 e campeão europeu por seleção, em Marrocos.

Bottom Turn Maldivas 2017 Foto: Rui Jorge Oliveira

Como vês os eventos que portugal recebe anualmente, desde os regionais aos WQS da WSL, para a evolução de atletas?

Portugal tem-se destacado no mapa do surf. Há cada vez mais praticantes e o nível e a exigência está cada vez mais difícil, o que me obriga a treinar ainda mais e dá-me vontade de evoluir.

Surfista preferido e porquê?

Julian Wilson, admiro muito o estilo.

2017 marcou-te por causa de uma lesão, como aconteceu e como foi a recuperação?

Foi um ano difícil pois faltei aos dois campeonatos mais importantes da minha carreira. Foram três meses difíceis, com tratamentos e sem conseguir fazer aquilo que mais gosto, mas consegui ultrapassar e aprendi que tenho muita sorte em poder viajar e ter um estilo de vida muito diferente dos meus colegas.

Quais as medidas da tua prancha mágica?

5,10, 18 1/16, 25L, 2.06

Agressividade nas ondas Foto: Tomané

Tens treinador? Quem é? E qual o Plano para 2018, em termos de objectivos?

Atualmente, tenho dois treinadores: o David Raimundo, selecionador nacional de surf, e Marcelo Martins. Para o próximo ano vou fazer algumas etapas do WQS para adquirir pontos. Vou voltar a viajar para ganhar ritmo e estar à altura dos meus adversários. Canárias e Austrália são as minhas primeiras grandes viagens de inicio da época.

Qual a importância dos pais na vida de um surfista?

Os pais são uma fonte de inspiração e uma base muito importante na vida de um atleta. São eles que me levam para apanhar as melhores ondas e foram eles que me incentivaram a fazer a minha primeira aula de surf.

Quais as viagens de sonho, e qual a onda mundial que gostavas de ir brevemente?

Sem dúvida, Pipeline, no Hawai.

Se fosses presidente por um ano da FPS o que farias?

Colocava os campeonatos juniores com prize money.

Competição ou freesurf?

Competição, nada se compara aquela adrenalina de uma prova.

Speed Foto: Tomané

Como é o teu dia-a- dia normal?

Treino muito durante o dia. Depois de acordar vou surfar para Leça e, de seguida, vou para as aulas. No final do dia, vou novamente surfar e faço depois um treino complementar ao surf.

Antes das competições como te preparas psicologicamente?

Ouço música e foco-me em mim e na minha estratégia para a prova

Curiosidade, antes das competições e de saberes com quem vais, consultas as redes sociais dos adversários, para te focares em eliminar eles?

Sinceramente, isso é a pior coisa que se pode fazer pois só me mete mais nervoso. Normalmente só quero saber o número do meu heat pois, para mim, os adversários são todos iguais e tenho que os bater

Conta um episódio que te tenha acontecido dentro de água, caricato e outro não tanto caricato.

Uma vez, na Madeira levei com um set e fiquei imenso tempo de baixo água, achava que ia ficar la !!!

O Maior susto até hoje?

Foi este que descrevi acima na Madeira

Se tivesse hipóteses de surfar num evento no Hawaii qual preferias? Sunset, Haleiwa ou Pipeline e porquê?

Pipeline sem dúvida! É o maior evento de surf e é muito prestigiado para toda a comunidade de surf. Era um sonho!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter