23 Nov, 2017

Previsões de SURF – Bruno Lampreia

Palex FerreiraOutubro 20, 201711min0

Previsões de SURF – Bruno Lampreia

Palex FerreiraOutubro 20, 201711min0
Bruno Lampreia é o nosso convidado para dar umas previsões das ondas durante os próximos tempos! Fica a conhecer a opinião do meteorologista do Surfline

Actualmente os surfistas têm novas formas de descobrir as ondulações que se aproximam, podem antever as melhores ondas, nos melhores spots (locais onde quebram as ondas) com elevada garantia de satisfação.

Antes, desta era de informação e de acesso facilitado à tecnologia, era muito difícil de compreender como o meio ambiente se comportava cada vez que estaria a vir ondulações, se eram grandes, se teriam vento, entre outros factores.

Lembro-me de me dizerem, que quando as correntes trocam e aumentam de intensidade era sinónimo de que o oceano estava a “mexer” e podia significar ondas a caminho, bem como observar o barrão da serra de Sintra, para ver que a famigerada e tradicional nortada vai aumentar durante os dias que é observada.

Também me lembro de observar o lendário Athimio de Azevedo, na Meteorologia do Telejornal, de um dos dois canais disponíveis (RTP1 e 2) e não a quantidade de canais de televisão disponibilizados, bem como de websites de surf na Internet (não existiam ainda, nem a própria Internet como a conhecemos hoje), os jornais, para se saber das horas das marés, o resto era uma incógnita, onde era necessário ir até à praia para se ver como estavam as condições.

Mapa de dados meteorológicos. Fonte: Surfline.com

Hoje devido à inovação tecnológica, ao tratamento de dados climatéricos, meteorologistas que se dedicam a previsões de ondas, entre outros profissionais, permitem aos amantes do mar sabem com antecedência o que lá virá, e como se deve analisar tais cartas. De início existia o site da marinha norte-americana que mostra a atividade nos oceanos, mas a análise podia ser enviesada se não tivesse alguém que compreendesse o que via nos dados disponibilizados.

Fomos até Bruno Lampreia que colabora com um dos sites mais conhecidos mundialmente, o surfline e semanalmente informa através das suas redes sociais as previsões para as surfadas.

fp  Quem é Bruno Lampreia? (Idade, surfista/Bodyboarder)

Cresci em Lisboa e pratico bodyboard desde bastante novo, mais tarde quando tive prancha, comecei também a fazer surf, gosto de ambas as modalidades e pratico alternadamente aquela que mais se adequa ao estado do mar e das minhas limitações.

O nome Bruno Lampreia aparece no mundo do surf português por evolução de uma brincadeira, pois assim que tirei o curso de meteorologia aeronáutica, todos os meus companheiros de ondas se viravam para mim para saber onde e quando teríamos boas ondas. Assim comecei um demoroso processo em que voltei a agarrar-me aos livros de oceanografia e viagens com o pessoal para locais onde poderíamos fazer campismo selvagem e desfrutar de umas ondas só para nós, desta forma a coisa foi evoluindo de uma forma natural.

fp Que Habilitações são necessárias para este tipo de trabalho com dados meteorológicos?

Ondas, previsões, e no local certo à hora certa. Fonte: Vert-mag

Em primeiro lugar, devo dizer que ser meteorologista dá imenso jeito, no entanto existem muitos curiosos com bastante conhecimento e a meu ver acho que devemos saber um pouco de tudo o que envolve as modalidades de que gostamos, tal e qual como um piloto de aviões tem de ter conhecimentos de meteorologia na óptica do utilizador, apesar de não ser meteorologista.

O essencial passa por saber ler cartas, saber onde ir buscar informação e entender o que estamos a visualizar. Desde o surfista de fim-de-semana ao pai do filho/a surfista que se preocupa com o estado do mar, até ao atleta profissional, seu treinador e realizador de provas onde milhares ou milhões de euros pesam sobre os seus ombros, é de extrema importância ter informação válida e entender um pouco da matéria para poderem justificar as suas decisões.

Por ultimo ser só meteorologista e teórico de secretária não chega para fazer previsões de surf, é necessário ir para o mar e aferir o resultado das diferentes ondulações, no fundo ser um ondógrafo “in sito” e descortinar a qualidade das ondas. A meu ver é necessário ser meteorologista e surfista, para aliar o conhecimento teórico ao empírico que a maior parte dos surfistas mais experientes já possuem.

fp Consideras-te um meteorologista para os surfistas?

 

As previsões atualmente, podem garantir que determinadas zonas costeiras fiquem alertas com antecedência, face a potentes tempestades. Fonte: Brett Costello/ DailyTelegraph.co.uk

Sou meteorologista aeronáutico de profissão e para o surf oficialmente a partir do momento em que fui recrutado, antes disso fazia-o de uma forma semi-amadora para amigos e a coisa foi expandido até às competições nacionais com eventos de surf e bodyboard.

No entanto o meu trabalho de previsões para o surf é um trabalho “silencioso”, isto porque 99% é feito atrás dos computadores a altas horas da madrugada e portanto ninguém vê, por outro lado tenho outra componente para além da operacional, onde consigo interagir bastante com os surfistas, que são os workshops de meteorologia e oceanografia que faço, aqui sim exponho fenómenos físicos e explico como se fazem previsões, os feedbacks têm sido muito positivos e geram-se sempre excelentes momentos de discussão. É talvez aqui que sinto o maior feedback positivo.

fp Que dados são usados para criar estas previsões de ondas?

Os dados usados a nível profissional é uma lista muito vasta, pois para cada produto (carta/gráfico) temos vários modelos de previsão a analisar, afere-se a origem da ondulação, o estado do mar até à costa, vento e muitos outros factores para definir a qualidade da ondulação e consequentemente ondas na sua transformação mecânica à chegada na costa.

Para previsões mais longínquas analisamos ainda a formação de baixas-pressões e calculamos a sua intensidade/posição para antecipar onde e quando nos vai chegar as ondas, esta é já aquela parte onde a magia acontece e requer bastantes conhecimentos, pois ao olharmos para um gráfico de ondulação para os próximos 5 a 7 dias é o mesmo que olhar pelo buraco duma fechadura, ao passo que se tivermos conhecimentos na área estamos a par de tudo o que está a acontecer, entendemos a evolução e com muita experiência compreendemos as limitações dos modelos e inclusive conseguimos corrigir alguns resultados.

Com previsões de boas ondulações, pode ser aquelas ondas de sonho. Fonte: SurfLine.com

fp  Que dicas devem os utilizadores dos principais sites de previsões ter em conta, para não falharem na sua observação?

Antes demais os surfistas deverão ser capazes de interpretar os gráficos/cartas que analisam, devem entender os conceitos básicos tal como o período das ondas e a sua importância, muito além de entender que é o “espaçamento entre ondas em segundos”, bem como outros conceitos. Outra situação é relativamente aos vários sites de previsão onde temos uma bateria de vários gráficos muito apelativos, neste caso é comum os surfistas irem a vários sites confrontar os valores e tentarem perceber como vai estar, importante é perceber qual o modelo que gera aqueles valores e muitas vezes para vários sites é o mesmo, diferindo por pouco visto que as coordenadas do ponto muitas vezes não são as mesmas.

O que recomendo mesmo é que tal como no surf um novo adepto não se mete de pé e ripa uma onda no primeiro dia, portanto recomendo um estudo na óptica do utilizador e muita experiência é nesse sentido que enquadro os workshops que faço, pois hoje em dia temos muito mais informação à disposição, o importante é saber o que estamos a ver.

fp  Antigamente os surfistas usavam muito, o Fnmoc.navy.mil, jornais para as marés e perceber de que forma o Anticiclone dos Açores se comportava, hoje que dados são tratados para as previsões?

Como referi anteriormente a informação era muito mais escassa há 10/15 anos atrás, desde então a industria do surf explodiu e virou-se também para Portugal, temos mais sites, aplicações, cams, etc.

Hoje em dia temos produtos muito bons para quem trabalha nas previsões, produtos esses que para o utilizador final não faz muito sentido, mas que contudo como ferramentas de previsão são de excelência e nesse aspecto devo referir alguns produtos que possuímos na Surfline, onde se vai para além de um “site de previsão”, na realidade a Surfline é um centro de meteorologia mundial, onde seguimos baixas-pressões e seguimos ondulações via satélite/bóias tudo em tempo real, temos várias pessoas a trabalhar 24/24h desde meteorologistas a cientistas que colocam algoritmos nos modelos para evoluírem numa aproximação à realidade.

É para mim sem duvida trabalhar nesta equipa, sendo talvez o melhor reconhecimento que já tive na área das previsões do surf, pois neste momento trabalho com pessoas com décadas de experiencia na área e melhor que tudo, todos eles surfistas!

fp Costumas receber algum tipo de feedback face às previsões que costumas difundir?

Tenho de ter feedback! Esta é uma condição do trabalho nas previsões para cada previsão é necessário aferir a margem de erro para se ir fazendo correcções, este feedback é maioritariamente feito via cams, no entanto tenho também amigos que me vão reportando as condições.

fp Quando uma previsão falha, qual poderão ser as razões para tal?

Nas previsões temos de ter muitas variáveis em consideração e o falhar uma previsão, a meu ver, não seria bem o termo, porque ao prever um fenómeno entramos no campo das probabilidades e teremos uma dada percentagem para que o fenómeno ocorra e é com isso que trabalhamos.

Assim quando falamos de uma previsão operacional que está a ser feita de uma forma continuada e a ser constantemente corrigida com a observação de condições, as probabilidades de falhar são largamente atenuadas, desta forma diria que o “falhar” é virtualmente impossível, no entanto “sair um pouco ao lado” é mais comum, mas de forma geral sem comprometer as condições esperadas e na maior parte dos casos só nós meteorologistas reparamos.

fp Última questão, dedicas-te a 100% a previsões e análise de atividades nos oceanos, como forma de vida?

Como disse de inicio sou meteorologista aeronáutico de profissão e é esta a minha actividade principal, sou também meteorologista profissional da Surfline desde à perto de 4 anos para cá, apesar de já fazer previsões para o surf há cerca de 15 anos como hobby apenas. Faço também como referi anteriormente, workshops de meteorologia e oceanografia que me dão bastante satisfação, onde se desmistificam mitos e dissecam todas as variáveis necessárias às boas ondas, se puderem apareçam!

Bruno Lampreia. Fonte: Ericeira Surf Clube

Agradeço à disponibilidade do Bruno Lampreia.

#Aloha

Portugal surf forecaster

Email: meteoceansurf@gmail.com

Facebook: https://www.facebook.com/METEOCEANSURF


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter