16 Dez, 2017

Momentos decisivos em ondas Francesas

Eduardo MenezesOutubro 4, 20165min0

Momentos decisivos em ondas Francesas

Eduardo MenezesOutubro 4, 20165min0

A WSL desembarca em Hossegor, França, para a disputa do CT #9 do ano. Local que poderá sagrar a nova campeã mundial do circuito feminino e acirrar ainda mais a disputa no masculino. Uma etapa decisiva e que reserva altas emoções para o mundo do surf.

Roxy Pro France

Após o Women’s Cascais Pro, em Portugal, vencido por Courtney Conlogue (USA), a corrida pela coroa de melhor surfista do ano continua em aberto e mais disputada do que nunca. A final da etapa Portuguesa colocou frente-a-frente as duas melhores surfistas do ano, numa bateria bem disputada e emocionante a Americana, 2º colocada, venceu Tyler Wright (AUS), líder, por 13,00 a 12,26. E se aproximou ainda mais da aussie na corrida pela liderança.

A briga pelo titulo [Imagem: WSL]
A briga pelo titulo [Imagem: WSL]
 

Com a briga pelo título do tour 2016 restrita a Tyler Wright e Courtney Conlogue. A penúltima etapa do ano pode já definir uma nova campeã mundial, caso a líder do ranking, Tyler Wright, vença o Roxy Pro France. Lembrando que a surfista detentora da t-shirt amarela, vai a França para defender seu título conquistado em 2015.

Já a Americana precisa de um ótimo resultado, para se manter viva na disputa do título mundial, ou  uma combinação de resultados, caso não seja bem sucedida na etapa européia, para deixar a decisão em as águas Hawaianas, na última do tour de 2016.

Confira a classificação do WCT feminino.

Quiksilver Pro France

Quiksilver Pro France 2016 [Imagem: WSL]
Quiksilver Pro France 2016 [Imagem: WSL]
 

No masculino as atenções retornam a elite do surf mundial, depois da etapa do Qualifying Series 10,000 de Portugal, que teve o brasileiro Jesse Mendes como campeão. O Quiksilver Pro France inicia mais um capítulo do acirrado ranking de 2016, no qual ainda restam 5 competidores na briga para ser coroado como o melhor surfista do ano.

Apesar da eliminação precoce na Califórnia, no round 3, John John Florence (HAW), se manteve como atual líder do tour (41,650). Em Hassegor terá que apresentar o melhor de seu surf para manter a t-shirt amarela e chegar a meia-final, no mínimo, para garantir a manutenção do topo, independente do resultados dos seus principais adversários. Um novo vacilo poderá custar o posto de número 1 e deixar  o título do mundial de surf  com riscos de voltar a sua terra natal.

Gabriel Medina, 37,450 pontos, defende seu título em águas francesas. O vice-líder do ranking da WSL pode assumir a primeira posição caso seja bi-campeão e seu oponente Havaiano caia até os quartos-de-final.  Medina chega a França para mostrar que é um dos principais concorrentes ao título do tour 2016 e apagar a imagem contrariada da etapa Americana, onde foi eliminado no Round 3 e contestou fortemente a decisão dos juízes e as notas dadas em sua bateria contra Tanner Gudauskas (USA).

Outro atleta que também contestou as decisões dos juízes em Trestles, o Australiano Matt Wilkinson, agora o 3º colocado (36,500), tentará apagar as últimas más prestações, caiu no round 3 nas etapas de J-Bay e Teahupo’o e no round 2 em Trestles, para seguir como candidato a coroa de 2016. Com uma combinação de resultados, o aussie pode voltar a ostentar a t-shirt amarela, caso chegue no mínimo a meia-final, Florence caia ainda no round 2 e Gabriel não chegue a meia-final.

O Sul-africano Jordy Smith, vencedor da etapa em Trestles, galgou 1 posição no ranking e se consolidou como 4º (35,200) e na disputa pelo título do tour. Podendo conquistar a t-shirt amarela já neste evento, Smith precisa vencer em Hassegor e torcer para que Florence não passe do round 3 e Medina não chegue a final. Mais que assumir a liderança, é imprescindível ter um bom resultado nesta etapa e se afirmar como um concorrente a disputa do tour 2016.

Depois de ressurgir, vencendo a etapa de Fiji, Kelly Slater, 5º colocado (29,650) ainda se mantém vivo na briga por mais um título mundial daWSL e pode assumir a vice-liderança do campeonato, caso vença a etapa Francesa e Gabriel Medina não passe do round 3. Uma ótima combinação de resultados o colocará na briga direta e assim faltarão apenas duas etapas para o fim do campeonato, sendo uma delas Pipeline, onde o Americano é o rei dos tubos. Nunca é bom duvidar do 11x campeão mundial.

Confira a classificação do Men’s Championship Tour Jeep Leaderborder.

A etapa Francesa também é decisiva para quem ainda não se garantiu no WCT de 2017, apenas os 22 primeiros colocados de 2016 estarão presentes no tour do ano seguinte – 10 vindos do QS e 2 wildcards completam a elite da WSL.

Velhos conhecidos das etapas do WCT, como o aussie Kai Otton e o atleta local Jeremy Flores, correm grandes perigos de não se classificarem pelo WCT e precisam ir muito bem em Hossegor, somando importantíssimos pontos na classificação geral. Para que continuem vivos na disputa nos dois últimos eventos do ano, Peniche – Portugal e Pipeline – Hawai, e assim se mantenham na elite do surf mundial.

Confira toda a emoção do Roxy Pro France e do Quiksilver Pro France. As chamadas ocorrem as 7:30 do horário local e a janela de competições será de 04/10 a 15/10, com transmissão em direto pelo site da WSL.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter