14 Dez, 2017

#11: Billabong Pipe Masters em 11 pontos

Eduardo MenezesDezembro 11, 20164min0

#11: Billabong Pipe Masters em 11 pontos

Eduardo MenezesDezembro 11, 20164min0

Chegou a hora da etapa mais esperada do ano, o Billabong Pipe Masters. Na mítica praia de Banzai Pipeline – Havaí, local onde costuma-se separar os grandes protagonistas da multidão do surf mundial.

A prova de Pipeline não perde sua importância no cenário do surf, mesmo com o campeão da World Surf League 2016 já definido. John John Florence (HAW) sagrou-se campeão mundial na etapa Portuguesa de Peniche, fazendo o título do WCT retornar ao Havaí, após 12 anos da vitória de Andy Irons em 2004.

Pipeline tem em seus tubos, tanto para direita como para esquerda, o poder de coroar apenas os grandes surfistas. Sendo assim, conquistar uma vitória nessas ondas Havaianas significa muito mais que 10,000 pontos no ranking, mas o respeito de dominar um dos maiores, mais perfeitos e temidos tubos do mundo.

Se, por um lado a briga pelo título 2016 está terminada, a guerra por uma das 22 vagas no WCT 2017 está mais que viva. Muitos surfistas, como Keanu Asing (HAW), Nat Young (USA), Wiggolly Dantas (BRA) e Miguel Pupo (BRA), por exemplo, entrarão para sua última batalha, sendo essa de vida ou morte. Estar até a 22º colocação significa ter o privilégio de surfar as 11 etapas de 2017, enquanto, estar para além dessa posição fará cada um desses atletas disputar o QS do ano que vem e tentar sua volta à elite.

Para além da emoção e importância na corrida por uma vaga do WCT 2017, o Billabong Pipe Master é o último evento do Vans Triple Crown, a Tríplice Coroa Havaiana. Competição composta por 3 etapas disputadas no Havaí, sendo elas dois eventos QS10,000, o Hawaiian Pro e o Vans World Cup.

Essa competição, paralela ao tour mundial, determinará o rei das ondas Havaianas, sendo o Português Frederico Morais o atual líder, com a soma de 16,000, após 2 segundas colocações nas etapas do QS. Kikas é seguido de perto por Florence e Jordy Smith (ZAF), vencedores do Hawaiian Pro e do Vans World Cup, respectivamente.

Confira a classificação da Tríplice Coroa Havaiana 2016.

Tendo em conta a importância da última etapa do tour, para a cena do surf mundial, além do que está em disputa. O Fairplay separou 11 fatos a saber sobre o Billabong Pipe Masters:

1 – Adriano de Souza (BRA) é o atual campeão de Pipe Masters, além de ser o campeão mundial de 2015;

2 – Andy Irons foi o último local a vencer essa etapa, no ano de 2006;

3 – Nenhum goofy footer ganhou em Pipeline nos últimos 15 anos, última vitória foi de Rob Machado (USA);

4 – São os possíveis nomes das meias-finais e favoritos ao título do Pipe Masters 2016 : John John Florence (HAW), Kelly Slater (USA), Jordy Smith (ZAF) e Gabriel Medina (BRA);

Backdoor e Pipeline [Imagem: WSL]
5 – A onda tubular que quebra para a direita chama-se Backdoor, enquanto a que vai para a esquerda é nomeada de Pipeline;

6 – É o número de nacionalidades que venceram em Pipeline, sendo vitórias do Havaí (16), da Austrália (16), Estados Unidos (10), África do Sul (1), França (1) e Brasil (1);

7 – Kelly Slater é o maior vencedor, sendo campeão 7x nos tubos Havaianos (1992, 1994, 1995, 1996, 1999, 2008 e 2013);

8 – Frederico Morais será o representante Português na etapa de 2016 e briga pelo título da Tríplice Coroa Havaiana;

9 – É a última prova do ano e definirá os 22 surfistas que terão acesso ao WCT 2017;

10 – Apesar de mágica, é a mais temida, sendo umas das mais mortíferas do mundo, senão há mais;

11 – É a 11ª do tour e tem janela de competição entre 08/12 e 20/12, com chamadas diárias as 7:30 do horário local, 17:30 no horário de Portugal.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter