17 Ago, 2017

O “mágico” Murphy encantou no rochedo

Xavier OliveiraMarço 6, 20175min0

O “mágico” Murphy encantou no rochedo

Xavier OliveiraMarço 6, 20175min0

Sem o campeão em título, Marco Fu, a defender o título em Gibraltar, acabaram por ser dois ingleses a marcar presença na final. Shaun Murphy regressou finalmente às boas exibições, e mais do que isso, ao tão desejado título. Venceu na final o compatriota Judd Trump, quebrando o jejum de vitórias que vinha desde a época passada.

O Victoria Stadium recebeu entre os dias 1 e 5 de Março, a segunda edição do Gibraltar Open. Ao contrário do habitual, alguns nomes decidiram não marcar presença no torneio, como por exemplo Stuart Bingham e Ronnie O’Sullivan.

Destaque também para a ausência do campeão em título deste Gibraltar Open, que também fez questão de não marcar presença no torneio. No entanto havia inúmeros outros jogadores com estatuto de estrela e super favoritos a aterrar em Gibraltar, naquele que foi um dos últimos torneios antes do campeonato do mundo.

Até aos quartos-de-final, houveram encontros dignos de destaque aconteceram logo nas rondas iniciais, com especial destaque para o encontro entre Mark Allen e John Higgins, com o primeiro a vencer o Higgins por uns esclarecedores 4-1.

Mas as surpresas também aconteceram até esta fase do torneio, com destaque para a queda de Ding Junhui frente ao inglês David Gilbert, onde perdeu na “negra” por 4-3. Outra surpresas ficou a cargo de Daniel Wells que bateu o jogador do top-16 Kyren Wilson por 4-3. A maior de todas as surpresas chegou na 4ª ronda com queda prematura do nº 1 do ranking mundial, Mark Selby, perante um velho conhecido do circuito mas que está longe dos seus melhores resultados, Ricky Walden, numa partida onde saiu derrotado por 4-3.

Porém, as surpresas não se ficaram por aqui, já que Ricky Walden e Mark Allen ficaram pelo caminho na ronda prévia aos quartos-de-final, tendo perdido com Alfie Burden e Jack Lisowski respectivamente.

Uma enorme nota de destaque para um dos jogadores que fala português no circuito profissional, o brasileiro Igor Figueiredo chegou até aos oitavos de final onde só aí caiu perante o veterano Nigel Bond.

A chegada dos quartos-de-final teve o seguinte alinhamento: Shaun Murphy vs Mark Williams; Alfie Burden vs Nigel Bond; Judd Trump vs Jack Lisowski e Ryan Day vs Neil Robertson.

Deste alinhamento destacava-se o encontro ente Shaun Murphy e Mark Williams. Encontro esse que só ficou decidido na negra, com o inglês a sair vitorioso e a colocar Williams numa situação difícil, já que este se encontra fora do top-16 e está em risco de ter de jogar as qualificações para o mundial. Nigel Bond aproveitou toda sua veterania e experiência para levar de vencida Burden na negra por 4-3.

Trump não deu hipóteses a Jack Lisowski e despachou este por 4-1. Ryan Day conseguiu uma vitória excelente frente a Neil Robertson por 4-2, tendo uma vez mais o australiano se encontra numa das suas épocas mais fracas como profissional.

Encontro entre Walden e Wenbo no torneio (Foto: Facebook World Snooker)

Os encontros das meias-finais acabaram por não ter grande história, já que os favoritos acabaram por vencer os seus respetivos encontros. Murphy cilindrou Nigel Bond por 4-0 e Trump deixou o galês Ryan Day pelo caminho com uma vitória por 4-2.

A final entre Murphy e Trump, que até aqui se tinham defrontado em 25 ocasiões, com o ‘score’ até então a sair favorável a Trump que contava com 18 vitórias contra apenas 7 de Muprhy. O encontro decisivo começou com a divisão dos quatro primeiros frames, registando-se assim o empate a dois frames.

A partir daí, Shaun Muprhy acabou por mostrar maior solidez no pano verde e venceu os dois frames seguintes, fixando o resultado final em 4-2. O último torneio que Muprhy tinha vencido datava de 2016, aquando da vitória do World Grand Prix.

Entretanto, e durante o passado mês de Fevereiro e no início do corrente mês de março, jogou-se o Snooker Shoot-Out e o grupo final da Championship League.

O primeiro, que até esta época era um torneio não pontuável para o ranking, e que possui caraterísticas muito próprias, já que nos encontros são disputados apenas à melhor de um frame e com duração de 10 minutos.

Nos primeiros 5 minutos, os jogadores têm 15 segundos para tacar a bola e nos últimos 5, tem apenas 10 segundos. Foi um escocês que foi mostrando mais à vontade durante o torneio e que depois de ter vencido o Indian Open já no início desta época acabou por vencer o seu segundo major da carreira. Falo pois do “cenourinha” Anthony McGill, que neste torneio deixou uma vez mais Shaun Murphy pelo caminho na meia-final para se sagrar campeão ao bater na final o chinês Xiao Guodong.

Já relativamente à Championship League, torneio este que está dividido em sete grupos ao longo da época e em que o vencedor de cada grupo se apura para o grupo final, teve como vencedor desse mesmo grupo final, o também escocês John Higgins. Pena para o veterano que este torneio não seja pontuável para o ranking, ele que já esta época venceu dois torneios, o Champion of Champions e o China Championship, mas ambos também não contam para o ranking.

McGill após venceu Shoot-Out (Foto: osnooker.net)

CALENDÁRIO DOS PRÓXIMOS TORNEIOS:

06/03 – 12/03: Players Championship (PR*)

27/03 – 02/04: China Open (PR*)

15/04 – 01/05: Campeonato do Mundo (PR*)

*PR – Prova pontuável para o ranking

RANKING

Ranking após Snooker Shoot-Out (Foto: World Snooker)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter