21 Ago, 2017

40 anos de Crucible — Um novo herói ou alguém do passado?

Xavier OliveiraAbril 13, 20179min0

40 anos de Crucible — Um novo herói ou alguém do passado?

Xavier OliveiraAbril 13, 20179min0

O snooker é considerado um dos desportos mais importantes no mundo para o desenvolvimento intelectual de qualquer pessoa, pelo esforço mental a que sujeita os seus praticantes. O fair play, o cavalheirismo e o desportivismo presentes nos panos verdes são atributos que dificilmente se encontram tão bem representados noutra modalidade quanto aqui.

Se nunca viu snooker, ou raramente costuma acompanhar, saiba que o ponto mais alto da época começa já no próximo dia 15 de abril. Esse referido ponto alto é o mundial, que se joga em Sheffield, em Inglaterra. Facilmente pode perceber abaixo o porquê de este ser um ano memorável e de ser, simultaneamente, uma excelente oportunidade para começar a acompanhar mais de perto este desporto.

Esta edição do mundial tem um simbolismo especial em Sheffield – celebram-se os 40 anos da realização desta prova no Crucible Theatre. É praticamente impossível apontar um único favorito à vitória este ano, sendo que há vários jogadores a perfilarem-se como candidatos ao título. De todos os 16 jogadores já apurados para o quadro final, fizemos uma análise sobre aqueles que são provavelmente os oito maiores candidatos a sagrar-se campeões do mundo, com base no que fizeram esta época e no seu historial. Deste lote, há vários que nunca provaram o sabor da vitória, com outros repetentes também à mistura.

Mark “The Shark” Selby

Apontado pela maioria dos especialistas como o grande favorito à vitória do mundial deste ano, após mais uma época a grande nível. Será o nº 1 do ranking mundial capaz de renovar o título de campeão do mundo e destronar a concorrência com o seu estilo de jogo particularmente defensivo? Ou terão os adversários os seus tacos bem preparados para abater a muralha defensiva natural de Leicester? Para que se perceba um pouco melhor a qualidade deste jogador, segue um pequeno resumo da sua carreira e da sua época.

Nacionalidade: Inglaterra (Leicester)

Idade: 33 anos

Profissional desde 1999

Ranking Atual: 1º lugar

Finais 2016/2017: 5 (Paul Hunter Classic, Shanghai Masters, International Championship, UK Championship e China Open)

Títulos 2016/2017: 4 (Paul Hunter Classic, International Championship, UK Championship e China Open)

Títulos de Campeão do Mundo: 2014 e 2016

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 466

Tacadas máximas (147 pontos): 2

Prémios monetários amealhados: 4.081.766 Libras

Foto: Mark Selby no mundial de 2016 (Fonte: Snookerclub)

Judd “The Ace in the Pack” Trump

Desde que apareceu a jogar como profissional no ano de 2005, nunca mais ninguém perdeu de vista este jovem prodígio. Tornou-se profissional aos 16 anos e desde então tem vindo sempre a crescer como jogador. Ano após ano é apontado como um dos grandes favoritos à vitória mas tem falhado sempre até agora. No entanto esta época esteve particularmente bem, tal como comprovam os números.

Nacionalidade: Inglaterra (Bristol)

Idade: 27 anos

Profissional desde 2005

Ranking Atual: 2º lugar

Finais 2016/2017: 5 (European Masters, English Open, Welsh Open, Gibraltar Open e Players Championship)

Títulos 2016/2017: 2 (European Masters e Players Championship)

Títulos de Campeão do Mundo: Nada a assinalar

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 459

Tacadas máximas (147 pontos): 3

Prémios monetários amealhados: 2.356.314 Libras

Judd Trump a celebrar vitória no Players Championship (Fonte: Getty Images)

Stuart “Ball-run” Bingham

Era o “patinho feio” da modalidade até 2015, altura em que deixou o mundo do snooker boquiaberto ao sagrar-se campeão do mundo. Mas desde então tem passado muito ao lado dos bons resultados. Desde essa altura só atingiu duas finais de torneios pontuáveis para o ranking, tendo vencido apenas uma delas. Será que a vitória do Welsh Open este ano dará o “boost” necessário para Bingham erguer o troféu de campeão do mundo? A jogar com menos pressão do que ano passado, tudo é possível para este inglês.

Nacionalidade: Inglaterra (Essex)

Idade: 40 anos

Profissional desde 1995

Ranking Atual: 3º lugar

Finais 2016/2017: 2 (China Championship e Welsh Open)

Títulos 2016/2017: 1 (Welsh Open)

Títulos de Campeão do Mundo: 2015

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 328

Tacadas máximas (147 pontos): 3

Prémios monetários amealhados: 2.199.581 Libras

Ding “Star of the East” Junhui

É o único chinês a perfilar no top-16 atualmente. É sem dúvida um dos grandes favoritos a erguer o título de campeão do mundo em Sheffield, depois de em 2016 ter mostrado ser capaz de ombrear com os melhores, ao ter alcançado a final onde perdeu para Selby. Uma coisa é certa, se Ding estiver mentalmente bem, será extremamente difícil alguém parar o “dragão da China”.

Nacionalidade: China (Jiangsu)

Idade: 30 anos

Profissional desde 2003

Ranking Atual: 4º lugar

Finais 2016/2017: 2 (International Championship e Shanghai Masters)

Títulos 2016/2017: 1 (Shanghai Masters)

Títulos de Campeão do Mundo: Nada a assinalar

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 440

Tacadas máximas (147 pontos): 6

Prémios monetários amealhados: 2.837.750 Libras

Ding Junhui no Shanghai Masters 2016 (Fonte: China Daily)

Ronnie “The Rocket” O’Sullivan

Dispensa qualquer tipo de apresentações, pois estamos a falar daquele que é considerado por muitos um dos melhores jogadores de todos os tempos. Dotado de um talento natural para a modalidade, O’Sullivan tem no Crucible o seu teatro dos sonhos, mas também dos pesadelos, já que por várias vezes lá protagonizou episódios no mínimo caricatos. De qualquer forma veremos se será este ano que o britânico alcança Sir Steve Davis em número de títulos de campeão do mundo.

Nacionalidade: Inglaterra (West Midlands)

Idade: 41 anos

Profissional desde 1992

Ranking Atual: 12º lugar

Finais 2016/2017: 4 (European Masters, UK Championship, Champion of Champions e Masters)

Títulos 2016/2017: 1 (Masters)

Títulos de Campeão do Mundo: 2001, 2004. 2008, 2012 e 2013

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 868

Tacadas máximas (147 pontos): 13

Prémios monetários amealhados: 8.892.134 Libras

Foto: Ronnie O’Sullivan no Masters 2017 (Fonte: BBC)

John “The Wizard of Wishaw” Higgins

Estamos perante um dos nomes mais sagrados do snooker mundial. Sir John Higgins é invariavelmente um candidato crónico a campeão do mundo, algo que já não acontece desde 2011. Terá a idade um peso grande nas horas de maior pressão? Ou será que Higgins está como o “vinho do Porto, quanto mais velho melhor”? Certo é que esta temporada venceu apenas dois títulos e nenhum deles pontuável para o ranking, o que diz muito da época do escocês.

Nacionalidade: Escócia (Wishaw)

Idade: 41 anos

Profissional desde 1992

Ranking Atual: 6º lugar

Finais 2016/2017: 3 (Scottish Open, China Championship e Champions of Champions)

Títulos 2016/2017: 2 (China Championship e Champions of Champions)

Títulos de Campeão do Mundo: 1998, 2007, 2009 e 2011

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 664

Tacadas máximas (147 pontos): 8

Prémios monetários amealhados: 6.911.769 Libras

John Higgins a celebrar mais um título com a família (Fonte: World Snooker)

Marco “Hong Kong Fuey” Fu

É o segundo asiático mais bem classificado no ranking mundial, apenas com Ding à sua frente. Marco Fu é sempre uma grande incógnita e esta época é prova disso mesmo, tendo tido uma temporada de altos e baixos. Chegou à final do Players Championship e venceu o Scottish Open, onde venceu John Higgins na final deste último. Resta saber em que forma chegará Fu a Sheffield, sendo certo que este é sempre um nome a ter em conta.

Nacionalidade: Hong Kong

Idade: 39 anos

Profissional desde 1998

Ranking Atual: 8º lugar

Finais 2016/2017: 2 (Scottish Open e Players Championship)

Títulos 2016/2017: 1 (Scottish Open)

Títulos de Campeão do Mundo: Nada a assinalar

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 448

Tacadas máximas (147 pontos): 4

Prémios monetários amealhados: 2.362.339 Libras

Foto: Marco Fu no Scottish Open 2016 (Fonte: Eurosport)

Barry “The Hawk” Hawkins

A “Águia” do circuito voou alto esta época, tendo vencido um major, atingido a final de outro e a fixar-se como o quarto jogador que amealhou mais pontos para o ranking esta época. Já atingiu uma final do mundial em 2013 onde perdeu para O’Sullivan. É sempre difícil saber o que esperar de Hawkins, mas “por entre os pingos da chuva” este inglês pode fazer estragos este mundial.

Nacionalidade: Inglaterra (Kent)

Idade: 37 anos

Profissional desde 1996

Ranking Atual: 7º lugar

Finais 2016/2017: 2 (Northern Ireland Open e World Grand Prix)

Títulos 2016/2017: 1 (World Grand Prix)

Títulos de Campeão do Mundo: Nada a assinalar

Tacadas centenárias (Acima 100 Pontos): 232

Tacadas máximas (147 pontos): 2

Prémios monetários amealhados: 1.798.592 Libras

Barry Hawkins no World Grand Prix 2017 (Fonte: Ronnieo.com)

O presente artigo foi realizado no âmbito da parceria que o Fair Play estabeleceu com o Sapo24, e a sua publicação original pode ser consultada aqui.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter