25 Set, 2017

O Rugby Youth Festival 2017 – o maior encontro de Rugby juvenil em Portugal?

Francisco IsaacAbril 5, 20177min0

O Rugby Youth Festival 2017 – o maior encontro de Rugby juvenil em Portugal?

Francisco IsaacAbril 5, 20177min0

O Rugby Youth Festival está de volta! Em 2017, o maior evento juvenil marca presença no Estádio Universitário de Lisboa com a participação de mais de 2000 atletas nacionais e internacionais. Fica a conhecer algumas das equipas que vão participar, como aceder ao evento e o que esperar do Rugby Youth Festival

A Bulldog Rugby Cup e o Torneio Internacional Direito já foram e deixaram saudades… o planeamento, a organização e a animação que ambos trouxeram à comunidade de rugby lisboeta, aguçaram a vontade de ainda termos mais rugby a “circular” na capital.

Todavia, não desesperem porque o maior evento de rugby juvenil português (e da Península Ibérica) está de regresso já neste fim-de-semana de 8 e 9 de Abril: o Rugby Youth Festival.

Organizado pela Move Sports (que já “prestou contas” ao organizar Campeonato do Mundo de Rugby “B” em Portugal ou outros eventos similares), o evento vai contar com a presença de mais de 2000 atletas (1200 nacionais + 800 internacionais) nos escalões de sub-13/15/17 e 19.

Um torneio que decorrerá entre 8 e 9 de Abril, abrindo toda a Cidade Universitária de Lisboa aos milhares de participantes, que irão “desgastar” os vários caminhos e campos do Estádio Universitário de Lisboa.

Os jogos vão decorrer em mais de oito campos, ocupando por inteiro toda actividade física e desportiva do EUL, colocando o rugby como o desporto nº1 de Lisboa por 48 horas! Serão 300 jogos em dois dias, com as finais a realizarem-se no Domingo.

Por falar em finais, será que os campeões de 2016 podem revalidar os títulos em 2017? CF “Os Belenenses” (sub-13), Bristol Rugby (sub-15), CDUL (sub-17) e Crawshays subiram ao pódio no ano passado com os grandes campeões do RYF e todos eles, excepto o Crawshays (não visitará Lisboa em 2017), voltarão a tentar meter as “mãos” nos troféus.

Rugby será a palavra mais falada naqueles dias, o ponto de todas as discussões e a forma de criarem-se laços entre os vários jovens, técnicos, pais e amigos neste fim-de-semana que se aproxima… o EUL será uma autêntica cidade do rugby.

Bristol voltará a conquistar o Rugby Youth Festival? (Foto: Move Sports)

Bem e que podemos dizer dos participantes? Teremos equipas nacionais de vários pontos do país, desde o CDUP (que costuma ser um clube com gerações impressionantes de jovens com qualidade), o RC Santarém (em grande crescimento nos últimos dois anos), CR Évora (o clube que potenciou José Lima, jogador profissional do Oyonnax da PROD2 francesa), aos habituais de Lisboa como a Agronomia, o GDS Cascais, CF “Os Belenenses”, CDUL, GD Direito entre outros.

Os clubes nacionais sejam da Divisão de Honra, Primeira ou Segunda vão surgir em Lisboa em força para sonhar com os títulos, mostrar os seus melhores jogadores de formação e tentarem sair para o fim de época em grande nível.

Jogadores da selecção Nacional de sub-18 ou 20 já passaram pelo Rugby Youth Festival, o que prova que foi um patamar no seu processo de desenvolvimento como jogadores. O RYF é um momento em que o espírito competitivo atinge uma boa intensidade (positiva) e “força” os jogadores a terem contacto com realidades internacionais, um pormenor que beneficia, em muito o desenvolvimento mental de cada jogador.

Para “provarmos” a nossa teoria conversámos (muito brevemente) com Vasco Ribeiro, da selecção Nacional senior e sub-20 sobre o RYF e as suas vantagens.

Achas o Rugby Youth Festival importante no que toca a teres contacto com equipas fora de Portugal?

VR. Sim claro! É uma boa oportunidade de jogar contra grandes equipas de fora, evoluir e divertir-se no grande ambiente que é o youth rugby festival!

Tu sentes que no teu processo de crescimento como jogador o RYF foi importante ou não teve qualquer impacto?

VR. Foi importante pois desde muito novo me permitiu jogar com equipas internacionais e me mostrou o espírito do rugby!

O que dirias aos teus colegas de clube que vão participar nos vários níveis do RYF? Que conselho ou palavras de incentivo poderias dar?

VR. Aproveitem o torneio, tragam a taça para a Tapada e acima de tudo divirtam-se!

Imaginem o que será para um jogador da Académica (escalão sub-15) saber que vai jogar contra um jogador do Bristol rugby? Na prática não será muito diferente do que seria jogar contra um colega do CDUP, Cascais ou Santarém, já que o difere nestas equipas “estrangeiras” é boa organização que as equipas apresentam, nos processos de jogo e nas tarefas.

1, 2 e 3, set and go! (Foto: Move Sports)

Contudo, o rugby português não está assim tão longe, como alguns podem pensar, das equipas inglesas, francesas ou espanholas… até já há casos que estão em igualdade de circunstâncias (e os bons resultados das selecções nacionais de formação servem de prova para essa discussão) e têm capacidade de superar as suas congéneres.

A grande questão tem a ver com o salto entre patamares, onde a diferença do profissionalismo, a estrutura dos clubes e o apoio à vida dos atletas é bem superior ao que se passa em Portugal. Há vantagens, desvantagens e vicissitudes associadas ao amadorismo quando chegamos ao escalão sénior.

Mas, o que nos interessa são os “miúdos”, as forças que movem o rugby português ano após ano com a sua entrega, felicidade e divertimento, para além da “ferocidade” que vão a cada jogador que tem a bola nas mãos.

Em relação à participação estrangeira vamos ter o Bristol Rugby (Inglaterra), o Bromsgrove (Inglaterra, na zona de Birmingham), Ivybridge Academy (junto de Plymouth), Old Crescent RFC (Irlanda), VRAC (Espanha), Myerscough (Inglaterra), entre outras tantas que vão participar com vários jogadores na competição.

Estas formações (ao todo vinte equipas – alguns clubes participam em dois ou três escalões diferentes – nos vários escalões) vão encher 9 unidades hoteleiras e vão causar um “alvoroço” em Lisboa, já que 2550 dormidas em três dias!

Foto: Move Sports

É uma forma de promover não só Lisboa, mas como o rugby em si… isto é tornar a modalidade um produto com “sumo” e interesse, que capta a atenção de muitas pessoas durante dois dias.

Até vem uma equipa da Austrália, os Melbourne Kangaroos, provando o impacto que o Rugby Youth Festival já tem e, no futuro, poderá vir a ter ainda mais.

É este o espírito do rugby e já o tínhamos mencionado em outros artigos em relação ao rugby de desenvolvimento e o RYF só transporta essa forma de estar para outro nível superior.

As temperaturas estarão espectaculares para Abril, o sol fará se sentir (ao contrário do que foi em 2016), o que ajuda a promover o evento.

Façam parte deste movimento, entrem por dentro do Estádio Universitário de Lisboa, vão até cada um dos campos, escolham os jogos que queiram acompanhar e deliciem-se em mais um fim-de-semana carregado de rugby…isto tudo ao vosso alcance.

Acordem cedo, calcem uns bons sapatos e ponham-se confortáveis para participar na festa do Rugby Youth Festival… com início às 09:30 até ao final do dia!

O movimento do RYF (Foto: Move Sports)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter