16 Dez, 2017

Os jovens Lobos de Portugal versus os Irrequietos Irlandeses

Francisco IsaacNovembro 4, 20168min0

Os jovens Lobos de Portugal versus os Irrequietos Irlandeses

Francisco IsaacNovembro 4, 20168min0

Rui Carvoeira e a sua equipa técnica volta a pegar numa nova “fornada” de jogadores sub-18: o novo futuro de Portugal começa a sua preparação para o Campeonato da Europa do escalão. Quem são, quais os objectivos e, mais importante de tudo, como apoiá-los? Fique a conhecer os novos jovens Lobos

O futuro do rugby português passa pelo Estádio Nacional neste sábado, dia 5 de Novembro, quando os jovens Lobos sub-18 enfrentarem a Irlanda (especificamente, as Escolas da Irlanda, que compõe os melhores jogadores a nível escolar do país do Trevo) com o início de jogo marcada para as 17:00.

Antes de irmos ao “agora”, viajemos, subtilmente, até Abril de 2016 altura em que Portugal conquistou o 3º lugar no Campeonato da Europa de Sub-18. Jogos de alto nível frente à Alemanha (vitória por números “gordos”), um jogo de alto equilíbrio frente à Geórgia (derrota injusta) e um “bronze” ante a Bélgica (jogo sufocante) permitiram que Portugal, pela primeira vez na sua História em sub-18, subisse ao pódio como uma das melhores formações europeias. Verdade que as equipas das Ilhas Britânicas não se dignaram a comparecer (motivado pela descida de divisão da Escócia, situação na qual a RFU/Federação Inglesa não aceitava), mas em nada tirou o espectacular 3º lugar.

Mas o tempo passou, a geração do Bronze subiu de escalão (a maioria integra o trabalho dos sub-20 de Luís Pissarra e João Pedro Varela) e agora é necessário algo novo para manter o trabalho de excelência dos técnicos nacionais.

Desde Maio que a equipa de Rui Carvoeira, com o apoio de Francisco Branco, tem vindo a trabalhar junto da ARS e das selecções regionais/nacionais de sub-17 para encontrar um novo grupo de trabalho, bem alargado, que fizesse jus ao passado recente da Selecção sub-18.

Master and Commander (Foto: Luís Cabelo Fotografia)
Master and Commander (Foto: Luís Cabelo Fotografia)

Passaram os meses de Maio (encontros inter-regionais), Junho (jogos frente a Academias inglesas), Julho (participação em torneios de Beach Rugby de forma a garantir um training camp diferente), Agosto (participação no Campeonato da Europa de sub-18/19) e Setembro até chegarmos a Novembro de 2016, mês que marcará o baptismo duro dos jovens Lobos.

A equipa do Fair Play disponibilizou-se para conhecer e dar a conhecer ao público estes novos atletas, percebendo de onde vêm, quais as condições de trabalho e que ideias e objectivos estabeleceram para 2016/2017.

Fomos recebidos pelo Professor Rui Carvoeira, que nos recebeu como sempre: vontade de falar, discutir ideias, passar noções dos processos e o que esperar desta nova geração de sub-18.

FairPlay: Como se apresenta esta nova “fornada” de jogadores de sub-18? Diferente da anterior?
Rui Carvoeira: Sem dúvida. São mais “físicos”, têm outro poder no choque, a nossa primeira-linha tem uma capacidade diferente, temos segundas-linhas com outra altura. Falta-lhes, talvez, um pouco mais de talento, mas é um aspecto que com os treinos e jogos de preparação será melhorado!

FP: E a preparação até aqui como foi?
RC: Começámos no Natal de 2015, onde as selecções da Associação Rugby do Sul nos proporcionaram a criação de um grupo de trabalho largo e forte. Dos 60 iniciais (que foram entrando uns e saindo outros) agora estão 30 e poucos. Fizemos vários estágios, alguns jogos, treinámos várias vezes e nos envolvemos em diversas actividades. Daqui até Abril ainda vamos treinar e nos reunir bastantes vezes… é um grupo capaz e que tem desejo de trabalhar.

Grupo capaz e com vontade de trabalhar

FP: E qual é o vosso objectivo?
RC: Em termos melhorar e consolidar princípios e processos, formas de jogo e ideias. A longo prazo é o que queremos para eles… vão ter que saber viver os 70 minutos, de lutar por eles a cada instante, nunca baixar o ritmo ou intensidade. É fundamental que eles percebam o espírito de sacrifico e quererem ir mais além.

FP: E que surpresas vai ter o grupo de trabalho? O que é preciso eles quererem mais?
RC: Num dos próximos estágios, faremos um Estágio Não-desportivo, ou seja, será mais focado para o team building, para o espírito de coesão de grupo, importante neste momento. Nós queremos manter a ideia de jogar no risco, deles quererem arriscar com a bola na mão, de sujeitarem-se à pressão da profundidade de jogo. Apesar de hoje (sexta-feira) estarmos mais focados na defesa, é a nossa vontade manter o princípio do risco e do ataque rápido.

FP: Alguma diferença entre este grupo de 2016/2017 do anterior?
RC: Bem, são mais “conservadores”, mais fechados… mas é fruto da idade. Com os jogos e estágios vão começar a falar mais, a sair mais da “casca”.

Os skills em acção (Foto: Luís Cabelo Fotografia)
Os skills em acção (Foto: Luís Cabelo Fotografia)

De seguida, fomos agraciados com dois capitães da selecção. Diogo Cabral (CF “Os Belenenses”) e Manuel Nunes (RC Montemor).

O 1º joga na posição de centro e já vai na sua 8ª época como jogador da modalidade. Manuel Nunes é campeão Nacional de sub-18 pelo RC Montemor, ocupando a posição de 3ª linha.

Manuel Nunes confidenciou que “é uma responsabilidade imensa saber que estamos a usar as camisolas de grande referências do rugby português. Temos de dar o nosso melhor.”

Diogo Cabral sustentou que “tenho um orgulho imenso fazer parte da História do rugby português. O Professor Rui Carvoeira tem vindo a passar a mensagem que temos de ser diferentes dos outros todos, que não somos iguais. Somos a referência, temos de dar o exemplo dentro e fora de campo.”

Ambos apoiaram a ideia de que esta é uma selecção “unida e que gosta de jogar junta. Apesar de estarmos em diferentes equipas, o minuto que entramos no balneário somos todos do mesmo clube. Há uma grande amizade!”.

Manuel Nunes que vai para a sua 9ª temporada como jogador do Montemor, deixou escapar que “gosto da placagem e do contacto. Sempre gostei de placar. É a minha forma de contribuir para a equipa”.

Uma equipa Unida com grande Espírito

Por outro lado, Diogo Cabral, ao bom jeito da escola do Belenenses, disse que “sou um jogador focado na linha de vantagem… gosto de explorar a velocidade, de procurar o espaço e fazer a diferença nele.”

Quando questionados sobre qual a qualidade que têm de aperfeiçoar, foram ambos explícitos “talvez a parte física… temos de ir para além daquele limite. Só assim faremos a diferença no campo.”.

Manuel Nunes gostava de “elevar o nível, melhorar o que já está feito, assumir a responsabilidade da geração anterior!”, ao qual Cabral acrescentou “somos gerações diferentes, vimos o Mundial com outra “fome”, gostamos de jogar um rugby mais veloz, com outra vontade técnica.”

Curiosamente, ambos são apaixonados pelo Super Rugby, “os offloads, a forma como atacam a linha ou como gostam de jogar.”.

D. Cabral ainda fez menção que nesse sentido, Pedro Silva, seu antigo treinador fez-lhe a diferença no processo de aprendizagem.

Em termos de apoio nas bancadas, Manuel Nunes gostava de ter apoio do público português já este sábado porque “é importante para nós… com o apoio crescemos, tornamos-nos gigantes e a confiança é outra.”, já Diogo Cabral afirma “que é sempre bom ter público, mas o nosso foco é o jogo.”.

Antes de nos despedirmos, questionámos a ambos qual seria o melhor futuro do rugby português para eles, “oportunidade de competir com as selecções mais fortes…. e quem sabe ser profissional da modalidade.”.

Após um treino de aperfeiçoamento de defesa, discussão de ideias e de objectivos, a equipa portuguesa  partiu para os balneários para um breve descanso, já que no dia há o grande jogo contra a equipa das Escolas da Irlanda.

Entre a vontade de mostrarem o seu melhor rugby, o nervosismo de saltar cá “para fora” com a camisola das Quinas e o excitamento por poder desafiar os irlandeses para um desafio de placagem, a selecção liderada por Rui Carvoeira prepara-se, concentrada e motivada, para o jogo de amanhã às 17:00 no Estádio Nacional, especificamente no CAR Jamor (campo junto à pista de atletismo com acesso por cima). Os vossos Lobos precisam do vosso apoio!

A lista de convocados de Portugal: goo.gl/rytF8I
A lista de convocados da Irlanda: goo.gl/Gdg289

A jovem alcateia (Foto: Luís Cabelo Fotografia)
A jovem alcateia (Foto: Luís Cabelo Fotografia)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter