23 Ago, 2017

O Diário do Atleta – Maria Heitor Episódio I

Francisco IsaacSetembro 19, 20166min0

O Diário do Atleta – Maria Heitor Episódio I

Francisco IsaacSetembro 19, 20166min0

O Diário do Atleta do Fair Play com Maria Heitor, atleta de rugby do Lille, falará da sua experiência em França todos os meses, com uma rubrica dedicada ao seu quotidiano. Os jogos do TOP8, a vida em França e os desafios diários.

Entre a chegada a Lille, o recomeço dos treinos, a entrada para o Campeonato francês, Maria Heitor volta assim a “embarcar” na vida de emigrante. Com mais condições, com outra experiência e com uma vontade redobrada, a atleta da Selecção Nacional revela alguns traços e ideias do seu dia-a-dia em Lille ao Fair Play. Este foi o mês de Agosto-Setembro de Maria Heitor:

Sexta-feira à tarde, a equipa vai chegando a pingos à estação de comboio. Antes da hora marcada, a comitiva está completa e pronta a embarcar. Depois de uma longa semana de trabalho e treinos ainda temos pela nossa frente um comboio até Paris, duas trocas de metro num final de semana, no caótico centro da capital e um comboio que nos levará até Clermont. Um azar a meio ficamos retidos 1h30 por um acidente numa das linhas de comboio. Saímos para alongar um bocado… ao fim de oito horas de viagem, já não temos maneira de estar.

Ao fim de oito horas de viagem, já não temos maneira de estar.

Chegamos a Clermont e um autocarro espera por nós para nos levar até ao hotel. Finalmente! O merecido descanso do guerreiro! Duas a duas, instalamo-nos nos quartos. Já é tarde (1h00 da manhã) não há tempo para conversas, dormir é a palavra de ordem. Amanhã temos um grande jogo!

De manhã encontramo-nos no pequeno-almoço, a parte onde todas nos regalamos cuidadosamente porque sabemos a importância que esta refeição terá no nosso desempenho.

O preparador físico e o fisioterapeuta esperam por nós para alguns retoques finais… entre tratamentos de última hora, ligaduras, foam roller, alongamentos, etc.

Saímos do hotel para um pequeno réveil musculaire. Andamos uns minutos, paramos num parque e fazemos alguns exercícios de mobilização artiular. Os ¾ para um lado e os avançados para o outro. Num ambiente muito tranquilo mas totalmente focado na grande tarefa do dia revemos as intermináveis jogadas de cada sector. No final juntamo-nos e os treinadores dão os últimos retoques. A equipa técnica sai e ficamos as 22. O grupo está confiante e concentrado. Apesar de não termos feito jogos treinos antes do primeiro grande teste acredito que hoje vamos sair bem do campo.

O dia é longo! Acordamos cedo e só jogamos ao final da tarde… a tensão vai subindo e os nervos e as borboletas começam a aparecer. Chegamos ao estádio duas horas antes do jogo. Vamos até ao meio do campo, revemos os nossos objectivos do dia e da época. Queremos manter o título! Começa agora!

14333103_1395620057119779_5287620125319260440_n
No meio do rebuliço (Foto: LMRCV)

Entramos no balneário. As camarâs invadem-nos o balneário… não estamos habituadas a elas… na final do campeonato aconteceu o mesmo, mas a verdade é que não é muito habitual. A eurosport vai transmitir o jogo em direto. Começamos a equipar. Últimos retoques, os primeiras linhas apertam os pitons, as talonadoras, chutadoras e formação saem para o campo para afinar os últimos pormenores. Voltamos ao balneário e dá-se a entrega das camisolas. Para mim este é dos momentos mais importantes e mais fortes. A capitã fala, no final do seu discurso pega numa das camisolas e entrega a jogadora, diz-lhe algumas palavras, abraçam-se e a jogadora que recebeu faz o mesmo a outra jogadora, e assim sucessivamente.

As camarâs invadem-nos o balneário

Saímos para o aquecimento, 30 minutos intensos onde a concentração e a vontade de jogar é notável. A primeira parte é dada pelo nosso preparador físico, no final revemos a saída a partir de touche, melle e pontapé de saída, e estamos prontas. A 5 minutos do apito inicial dizem-nos que temos de sair e ir para o corredor. As equipas entram no campo e começa-se a ouvir uma multidão. Estão 2615 estão no estádio!!! Poucas torcem por nós, mas é tão bom sentir que o rugby feminino aqui é importante.

O pontapé de saída é dado por Alexandre Lapandry asa do clube francês ASM Clermont Auvergne.

Ao fim de poucos minutos marcamos o primeiro ensaio, rapidamente percebemos que era um jogo em que o soutien iria ser muito importante para manter a bola viva. Muitas faltas… resultado da falta de jogos de preparação e do inicio da época.

Oficialmente, tivemos 4 semanas para preparar o início do campeonato. Antes houve um trabalho físico desenvolvido pelo nosso preparador 3 vezes por semana. Os treinos colectivos iniciaram-se a meio de Agosto. Apesar de ser ainda um desporto amador, acabamos por treinar todos os dias, entre os 3 treinos de campo por semana e as duas sessões de ginásio.

Nesta fase inicial, é tradição do estágio inicial. Entre as duas equipas seniores femininas (equipa A que compete no top 8 do campeonato nacional francês e a equipa B que compete na Federal XV, o equivalente a uma terceira divisão que tem o seu campeonato numa fase inicial a nível regional e numa fase final a nível nacional para o apuramento do campeão), são seleccionadas 35 jogadoras. O clube procura sempre recrutar novas jogadoras e este estágio serve tanto para testar as mais velhas, como as recentes aquisições.

Penar é uma boa palavra para resumir o estágio

Penar é uma boa palavra para resumir o estágio… partimos ao final do dia de autocarro e só chegamos a Royan 9 horas depois. Depois de 4/5 horas mal dormidas num autocarro, ainda a queixarmo-nos do frio passado durante a noite e das dores de costas, sentamo-nos para tomar o pequeno almoço… pousamos as malas nos quartos, trocamos de roupa em 3 segundos e partimos para o primeiro treino… entramos em modo recruta, em modo sobrevivência. Mas uma sobrevivência colectiva. Temos pela frente um longo dia. Para começar, 6 km de run&bike até chegar ao campo de treino. Explico-vos! Os treinadores alugaram uma bicicleta para cada duas atletas. Metade correndo, metade pedalando, vamos gerindo o nosso cansaço com a nossa parceira. Ao chegarmos ao campo, 25 minutos mais tarde, com uma boa parte do aquecimento feito, temos duas horas para dedicar ao rugby. Os avançados separam-se dos ¾ e cada sector revê a sua lição. Passado algum tempo juntamo-nos e trabalhamos a movimentação colectiva. Primeiro treino acabado… Temos pela frente 6 km de run&bike, almoço e uma merecida sesta! Foi assim o primeiro de 5 treinos em três dias. Com ida e volta em run&bike.

Na manhã do último dia, uma pequena surpresa do nosso preparador físico, às 6h00, uma pequena corrida na praia. Com direito a burpees, abdominais no mar, flexões, sprints nas dunas, corridas e muitas outras coisas… estágio acabado e ainda 700 km pela nossa frente.

Penámos, sobrevivemos, adorámos!

Final do Estágio (Foto: LMRCV)
Final do Estágio (Foto: LMRCV)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter