17 Ago, 2017

De Curry a Westbrook: alguns pontos sobre a Conferência Oeste

João FerreiraMarço 21, 20176min0

De Curry a Westbrook: alguns pontos sobre a Conferência Oeste

João FerreiraMarço 21, 20176min0

A Conferência Oeste, a mais competitiva e difícil da NBA, tem sido imprevisível ao longo de toda a época regular, sendo que existem surpresas, desilusões, certezas e um futuro promissor para uma liga que precisa de inovação. A qualidade desta conferência é indiscutível e basta ter em conta que os campeões em título, os Cleveland Cavaliers, estariam em quarto lugar se estivessem a disputar os lugares de playoff com os clubes do lado Oeste dos Estados Unidos da América.

GOLDEN STATE: HÁ RECEITA PARA VENCER SEM CURRY?

Os super-favoritos Golden State Warriors vão entrar nos playoff´s em baixo de forma o que nos prova três coisas: a baixa influência que o MVP da fase regular do ano passado, Steph Curry, tem tido na equipa em detrimento de uma maior dependência de Kevin Durant, que se encontra lesionado.

Por outro lado, também mostra que o banco dos Golden State Warriors não é o ideal para atacar de forma segura o playoff da conferência oeste. Curry ficou quase “obrigado” a organizar e assumir o jogo da formação de Oakland e, talvez, essa é uma das razões pelas suas prestações menos conseguidas.

O regresso de Durant (ainda não há data para o retorno do ala) poderá inverter os acontecimentos. Várias questões e preocupações se erguem na frente dos vice-campeões da NBA;

Há receita para Curry? (Foto: Getty Images)

POPOVICH EVOCA A SIMPLICIDADE COMO “CARTA MESTRE”

Os San Antonio Spurs contam com uma equipa única na liga: o jogo simples de passe/corte e de bloqueios, conseguindo soltar colegas para que estes lancem de média e longa distância, é algo que os Spurs fazem como ninguém.

Para isso contam com um Kawhi Leonard numa forma assombrosa, capaz de conduzir a equipa que ainda conta com um motivado LaMarcus Aldridge (após um susto do foro cardíaco), com Pau Gasol a mostrar a classe que já nos acostumou e com Paty Mills a mostrar que é uma alternativa mais do que válida a Tony Parker.

Fica a ideia de há muitos anos: qualquer jogador se consegue adaptar ao jogo dos Spurs. Nunca é difícil quando existe um treinador como Greg Popovich;

O DOMADOR DO “THUNDER” – RUSSELL WESTBROOK

Os Oklahoma City Thunder têm nas suas fileiras, na minha opinião, o MVP da fase regular: Russel Westbrook. O jogador que ameaça o recorde de 41 triplos-duplos numa época regular (leva já 33) e que mantém uma média de triplo-duplo (31,8 pontos/jogo, 10,6 ressaltos/jogo e 10,3 assistências/jogo) tem levado a equipa de Oklahoma a vitórias ao longo da época contra equipas como os Utah Jazz ou os San Antonio Spurs.

É importante referir Taj Gibson, transferido dos Chicago Bulls durante o período de trades e que se tem revelado como uma aquisição bastante importante nas aspirações da equipa. Com Steven Adams na máxima rotação e harmonia com Westbrook, com Victor Oladipo a lançar triplos com grande regularidade e com Doug McDermott (também transferido dos Chicago Bulls) a saltar do banco e a contribuir com muitos pontos, os OKC apresentam-se como uma equipa que ninguém quer enfrentar nos playoff´s;

O “domador” dos OKC (Foto: Getty Images)

SEM TRIPLE THREAT NÃO HÁ CLIPPERS

Os Los Angeles Clippers já garantiram há muito a sua presença nos playoff´s, dando até para os líderes da equipa, Chris Paul e Blake Griffin, ficarem de fora uma vez que ambos já sentiam alguns problemas físicos pela exigente temporada realizada pela equipa de LA.

J.J. Reddick tem sido o grande abono de família dos Clippers, que sem estas duas super-estrelas, perdem alguma profundidade no court.

É provável que os Clippers não cheguem longe nos playoff´s pois não possuem um banco com a dinâmica e a qualidade do 5 inicial.

O Triple Threat composto por Blake Griffin, Chris Paul e DeAndre Jordan poderá levar a equipa algumas vitórias, mas a inconsistência apresentada por jogadores com Jamal Crawford, Austin Rivers ou Luc Mbah a Moute fará com que os Clippers saiam mais cedo das maiores decisões;

A COQUELUCHE DO MOMENTO: MINNESOTA TIMBERWOLVES

Nesta conferência bastante competitiva existe uma equipa a ter em conta para a próxima temporada, tendo utilizado a época actual para fazer evoluir os seus principais jogadores e melhorar os seus suplentes. Falo dos Minnesota Timberwolves.

Na equipa de Minnesota, comandada por um treinador que premeia maioritariamente a vertente defensiva, Tom Thibodeau, conta nas suas fileiras com um dos postes mais promissores senão o mais promissor da liga: Karl-Anthony Towns.

Este jovem de 21 anos tem características únicas para um poste: para além de trabalhar muito bem de costas para o cesto utilizando o seu físico para criar espaços para lançar, tem a habilidade de lançar de média e longa distância.

Por outro lado, esta equipa conta também com o base espanhol Ricky Rubio, que está numa forma assombrosa, mostrando a sua alta qualidade de passe, tendo um máximo de carreira de 19 assistências num só jogo.

A par destes dois jogadores, a equipa de Minnesota conta com jovens importantes como Andrew Wiggings, Zach LaVine, mostrando que com os jogadores certos podem ser sérios candidatos aos playoff´s do próximo ano.

O Futuro da NBA (Foto: Getty Images)

UMA CONFERÊNCIA AO “ESTILO” DA MELHOR NBA

Como já estamos habituados, os playoff’s desta Conferência vão ser bastante competitivos com equipas em grande forma e com modelos de jogo bastante diferente: desde o jogo rápido dos GSW como o jogo trabalhado e de passe dos Spurs.

Ainda com equipas como os Rockets, com James Harden sempre em grande, com os Jazz comandados por Hayward, a conferência vai atingir o seu pico competitivo quando começarem os playoff’s. Até lá não percam o entusiasmo, a aceleração, as dinâmicas e a loucura inerente à melhor liga de basketball do planeta: a NBA.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter