20 Ago, 2017

Mais um título para a Dama de Ferro

João BastosAgosto 9, 20167min0

Mais um título para a Dama de Ferro

João BastosAgosto 9, 20167min0

Num dia em que não caiu nenhum récord do mundo, os americanos continuam a somar medalhas juntando mais dois ouros, uma prata e três bronzes ao medalheiro. Katinka Hosszu começa a perfilar-se como a grande vedeta deste torneio olímpico de natação.

Sun vinga a derrota dos 400

Sun Yang já tem um ouro e uma prata na sua conta pessoal | Fonte: Reuters/Michael Dalder
Sun Yang já tem um ouro e uma prata na sua conta pessoal (Foto: Reuters/Michael Dalder)

Como tem sido tradição em Jogos Olímpicos, os 200 metros livres foram uma prova muito interessante de seguir derivado das diferentes estratégias adoptadas pelos nadadores em prova.

O chinês Sun Yang que tinha sido vice-campeão olímpico em Londres nesta prova e que também já tinha batido na trave no Rio, mas na prova de 400 metros, venceu confortavelmente tendo sido o único a nadar na casa do 1 minuto e 44 segundos (1:44.65).

O mariposista sul africano Chad le Clos surpreendeu toda a gente ao sair disparado nos primeiros 100 metros passando um segundo abaixo dos adversários. Na segunda parte da prova conseguiu resistir ao regresso de todos, menos de Sun Yang.

A fechar o pódio ficou o norte-americano Conor Dwyer que ficou a apenas 3 centésimos de le Clos (1:45.23 do americano contra 1:45.20 do sul-africano).

2 em 5 para Hosszu

A Dama de Ferro já leva dois ouros nestes JO | Fonte: Swimming World Magazine
A Dama de Ferro já leva dois ouros nestes JO (Foto: Swimming World Magazine)

A húngara Katinka Hosszu continua a sua saga rumo ao penta. Apesar dos 100 costas ser a prova mais curta que nada no Rio de Janeiro, deveria ser a mais complicada de arrebatar o ouro. O alinhamento era de luxo e a diferença entre a 1ª e a 8ª classificadas para a final era de apenas meio segundo. Katinka não se deixou intimidar e venceu com o fantástico tempo de 58.45, sustentado nuns segundos 50 metros fortíssimos (passou apenas em 6º a meio da prova).

Kathleen Baker, dos EUA, é uma das nadadoras revelação destes Jogos e aos 19 anos alcançou a medalha de prata, gastando apenas mais 3 décimos a cumprir o hectómetro de costas do que Hosszu.

O lugar mais baixo do pódio foi repartido entre a canadiana Kylie Masse e a chinesa Fu Yuanhui que empataram com 58.76.

A campeã do mundo Emily Seebohm, da Austrália, era encarada como a maior candidata ao ouro e a meio da prova ainda passou à frente, num parcial abaixo do récord do mundo, mas acabou apenas no 7º lugar. Abaixo dela só a segunda australiana Madison Wilson, o que deixa a Austrália a encarar a estafeta de estilos com alguma preocupação.

Ryan Murphy é o segundo abaixo de 52 segundos

Ryan Murphy é o segundo melhor nadador de sempre dos 100 costas | Fonte: Jacksonville
Ryan Murphy é o segundo melhor nadador de sempre dos 100 costas (Foto: Jacksonville)

O nadador americano Ryan Murphy não pára de surpreender. Na selectiva americana “tirou” o campeão de Londres Matt Grevers desta participação olímpica. Já no Rio fez o melhor tempo das meias finais, e chegando à final levou o título para os EUA (para onde já vai desde 1996). Para além disso, fez o segundo melhor tempo da História ficando a apenas 3 centésimos do récord do mundo de Aaron Peirsol com o tempo de 51.97 – que valeu récord olímpico -, sendo que ainda tem a estafeta de estilos para o tentar bater. Isto tudo aos 21 anos acabados de fazer!

No segundo lugar chegou o chinês Xu Jiayu, outro jovem de 20 anos que chegou à prata com o tempo de 52.31. O segundo americano, David Plummer completou o pódio com 52.40.

Assim como na prova feminina, também nos homens o campeão do mundo e principal candidato ao ouro era australiano. Mitchell Larkin também passou em primeiro a meio da prova mas concluiu-a no quarto posto.

Lilly King foi a rainha de bruços

Lilly King dizendo para Efimova que é ela a número 1

Mais uma revelação americana: Lilly King tem 19 anos, há dois anos fazia tempos aos 100 metros bruços de 1:09 e hoje bateu o récord olímpico com 1:04.93. Não sendo uma surpresa, uma vez que Lilly já chegava ao Rio como a líder mundial do ano graças ao tempo feito nos trials americanos, haviam nadadoras mais favoritas ao ouro.

Uma dessas favoritas ficou com a prata. A russa Yulia Efimova tinha a sua participação nestes JO envolta em polémica por ter sido uma das atletas russas suspensas várias vezes por doping. Inclusive, só garantiu a sua presença no Rio dias antes da competição começar. Yulia nadou em 1:05.50.

O bronze foi também para os EUA, para Katie Meili que nadou em 1:05.69.

A grande favorita e recordista mundial Ruta Meilutyte, da Lituânia, foi a grande desilusão ao ser apenas sétima a três segundos do seu máximo.

Três meias finais na terceira jornada

A jornada abriu com as meias finais dos 200 metros livres femininos, uma das provas que mais expectativas está a criar pelo confronto em perspectiva entre Sjöström, Ledecky e Pellegrini. No último teste antes da final, passou com melhor nota Sarah Sjöström, da Suécia. A desilusão foi Missy Franklin, a campeã do mundo de 2013 foi apenas 13ª classificada.

Numa prova com a presença do recordista mundial Michael Phelps, do campeão olímpico Chad le Clos e do campeão do mundo Laszlo Cseh, o primeiro a apurar-se para a final dos 200 metros mariposa foi o teenager húngaro Tamas Kenderesi. A final de amanhã será certamente uma das mais interessantes de seguir.

Depois de nadar e vencer os 100 metros costas, Katinka Hosszu entrou na segunda meia-final dos 200 metros estilos para controlar a prova e passar à final sem sobressaltos. Na meia-final anterior nadou a britânica Siobhan-Marie O’Connor que quis marcar posição e meter Hosszu em sentido e marcou o melhor tempo das meias.

Kaminskaya fecha participação com 35º lugar

Victoria Kaminskaya foi a primeira portuguesa de sempre a fazer mínimo A para uns Jogos Olímpicos na natação | Fonte: FPN
Victoria Kaminskaya foi a primeira portuguesa de sempre a fazer mínimo A para uns Jogos Olímpicos na natação (Foto: FPN)

Terminou a participação de Victoria Kaminskaya nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Depois de nadar os 400 metros estilos, prova onde foi a primeira nadadora portuguesa de sempre a conseguir obter o mínimo A de participação nuns JO, Victoria nadou hoje os 200 metros estilos. Tal como na prova mais longa, ficou aquém do seu melhor tempo, marcando 2:16.78 que lhe deu o 35º lugar final.

A nadadora dos Estrelas de S. João de Brito participou, aos 21 anos, nos seus primeiros Jogos Olímpicos, culminando um ciclo onde registou uma evolução brutal nos seus tempos e melhorias significativas nos récords nacionais dos 200 e 400 metros estilos. É, certamente, uma aposta segura para Tóquio em 2020 onde chegará com outro estatuto que a permitirá traçar outros objectivos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter