17 Out, 2017

Os oito mundialistas

João BastosDezembro 4, 201615min0

Os oito mundialistas

João BastosDezembro 4, 201615min0

Os Campeonatos do Mundo de Piscina Curta decorrem de 6 a 11 de Dezembro, na cidade canadiana de Windsor. Esta será a primeira prova de natação de âmbito planetário depois dos Jogos Olímpicos e Portugal estará representado com oito nadadores. Conheça o percurso e o perfil dos oito mundialistas portugueses.

Alexis Santos

Clube: Sporting Clube de Portugal
Treinador: Carlos Cruchinho
Idade: 24 anos
Altura: 1,85m
Peso: 77 kg
Provas: 50 costas, 100 e 200 estilos, 4×100 estilos e 4×200 livres

Foto: COP
Foto: COP

Alexis vem de uma época memorável. Depois da medalha de bronze nos 200 estilos dos Europeus de Londres, o lisboeta fez a sua estreia em Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro e logrou ser o segundo melhor nadador português de sempre em Jogos Olímpicos com o seu 12º lugar nos 200 metros estilos e o 14º lugar aos 400 metros estilos.

Para além de Alexis, só Alexandre Yokochi tinha obtido classificações nos 16 primeiros em JO. Por outras palavras, Alexis e Yokochi são os únicos nadadores portugueses de natação pura que podem dizer que nadaram à tarde em Jogos Olímpicos.

Alexis Santos e Diogo Carvalho têm proporcionado dos duelos mais interessantes de seguir em Portugal nas provas de estilos. Ambos fizeram história ao ser a primeira vez que Portugal qualificou dois nadadores na mesma prova para os mesmos JO (ambos fizeram mínimo A de participação nos 200 metros estilos no Rio) e por culpa deste despique têm feito progredir bastante os recordes nacionais das distâncias de estilos (100, 200 e 400 metros estilos).

Alexis Santos começou por se destacar no estilo de costas, tendo batido o seu primeiro record nacional absoluto em 2011, ultrapassando a marca do mítico Nuno Laurentino.

Actualmente, Alexis é recordista absoluto dos 50 e 100 metros costas em piscina curta e dos 50 metros costas e 400 metros estilos em piscina longa.

Em Windsor surge com o 15º melhor tempo de inscrição aos 200 estilos, o 16º aos 50 costas e o 18º aos 100 estilos, tendo por isso boas perspectivas de apuramento para meias finais, ou classificações equivalente (apenas as provas de 50 e 100 metros têm meias finais, a partir de 200 metros é final directa).

Diana Durães

Clube: Sport Lisboa e Benfica
Treinador: Aurélien Gabert (Centro de Alto Rendimento – Rio Maior) e Mário Madeira
Idade: 20 anos
Altura: 1,73m
Peso: 63 kg
Provas: 200, 400 e 800 livres

Foto: Henriques da Cunha/Global Imagens
Foto: Henriques da Cunha/Global Imagens

Diana Durães protagonizou esta época uma das transferências mais badaladas do defeso, passando do FCPorto para o SLBenfica, constituindo-se como uma das mais fortes evidências da aposta do clube da Luz no projecto olímpico Tóquio 2020.

A iniciar a sua quarta época no Centro de Alto Rendimento de Rio Maior, Diana tem tido uma evolução notável, sobretudo nas provas em que se especializou – 200 e 400 livres.

Actualmente, detém os recordes nacionais absolutos de ambas as provas, quer em piscina curta, quer em piscina longa. Em piscina curta, é a única mulher portuguesa que já nadou os 200 livres abaixo dos 2 minutos (por 3 vezes) e os 400 livres abaixo de 4 minutos e 10 segundos.

Se Diogo e Alexis têm proporcionado as disputas mais interessantes dos últimos tempos no sector masculino, nas provas de estilos, Diana tem sido protagonista nos duelos femininos mais entusiasmantes com a jovem Tamila Holub, nos 400 e 800 livres.

A benfiquista tem levado a melhor na prova mais curta e Tamila na prova mais longa…mas sempre com muito equilíbrio.

A nadadora que iniciou a sua carreira no FOCA de Felgueiras chega a estes campeonatos com certeza muito motivada, depois de estabelecer um super record nacional na prova de 400 livres com o tempo de 4:05.39 no III Meeting Internacional do Algarve há menos de um mês, retirando quase 5 (!!!) segundos ao seu melhor tempo anterior e que já era record nacional.

Essa marca coloca-a com o 15º melhor tempo de inscrição em Windsor. Nos 800 livres é a 21ª melhor na lista de entrada e nos 200 livres – que marcará o início da participação portuguesa nestes mundiais – tem a 29ª melhor marca.

Diogo Carvalho

Clube: Clube Galitos de Aveiro
Treinador: Élio Terrível
Idade: 28 anos
Altura: 1,83m
Peso: 77 kg
Provas: 100, 200 e 400 estilos, 4×100 estilos e 4×200 livres

Foto: FPN
Foto: FPN

Diogo Carvalho é o nadador mais experiente da comitiva e também aquele com maior currículo. Sobretudo em piscina curta onde já conquistou duas medalhas de bronze nos Europeus de Herning (2013) e Netanya (2015), ambas na prova de 200 metros estilos.

O nadador aveirense é já um histórico da natação portuguesa, pertencendo ao restrito grupo de nadadores com três participações olímpicas, procurando chegar a Tóquio e igualar Simão Morgado, o único que conta com quatro JO na carreira e, quem sabe, quebrar o enguiço que o persegue desde Atenas.

É que Diogo ficou à porta da meia-final nas suas três participações – 18º em Atenas e Londres e 19º no Rio, sempre na prova de 200 metros estilos. Já em campeonatos do mundo de piscina curta vai para a 5ª participação, à qual soma 4 mundiais de longa, 4 europeus de longa, 8 europeus de curta e 2 europeus de juniores.

Contrariamente ao percurso de muitos talentos precoces que não chegam a seniores, Diogo Carvalho tem inúmeros recordes nacionais nos escalões de formação, assim como títulos de campeão nacional enquanto nadador infantil, juvenil e júnior.

Em termos de recordes nacionais absolutos, detém os das provas de 100 e 200 mariposa, 100, 200 e 400 estilos em piscina curta e o dos 100 mariposa e 200 estilos em piscina olímpica.

Nestes mundiais é o nadador melhor posicionado para poder chegar a uma final, sempre nos “seus” 200 estilos, com o 5º melhor tempo à partida. É o 13º dos 100 estilos e o 18º dos 400 estilos.

Gabriel Lopes

Clube: Associação Louzan Natação
Treinador: Vítor Ferreira
Idade: 19 anos
Altura: 1,85m
Peso: 70 kg
Provas: 100 e 200 livres, 50, 100 e 200 costas, 50 mariposa, 4×100 estilos e 4×200 livres

Foto: COP
Foto: COP

Gabriel Lopes é mais um discípulo da dinastia de grandes especialistas portugueses nas provas de estilos. “Tapado” pelos consagrados Alexis Santos e Diogo Carvalho, Gabriel está a fazer o seu percurso na selecção nacional e estes campeonatos surgem numa óptica de adquirir experiência e competição a nível internacional.

Prova disso são as 6 provas individuais que irá nadar em Windsor (é o nadador que mais provas nada), tendo sido contemplado com a companhia do seu treinador que também integra a comitiva da selecção nacional.

Apesar desta ser apenas a sua segunda época como sénior, o nadador da Lousã conta já com várias participações internacionais, destacando-se os Europeus de Londres, de Maio passado, os I Jogos Europeus, em Baku 2015 (onde alcançou a final dos 200 estilos) e os campeonatos da Europa de Piscina Curta, em Netanya, há um ano.

À semelhança de Alexis Santos, Gabriel Lopes começou por evoluir na técnica de costas, progredindo posteriormente nas distâncias de estilos.

(Ainda) não tem nenhum record nacional mas as suas marcas aos 100 costas, quer em piscina curta, quer em longa e aos 200 estilos em longa estão consistentemente a aproximar-se dos recordes e deixam antever que pode estar para breve uma melhor marca nacional de sempre.

O facto de nestes campeonatos nadar provas onde não é um verdadeiro especialista, e que são simultaneamente as mais concorridas, colocam-no com posições muito modestas na tabela dos tempos de inscrição.

As provas de costas são de longe aquelas onde pode ter maiores aspirações. É 23º na prova de 50 metros, 25º na de 100 metros e 26º na de 200. É ainda o 71º melhor tempo nos 50 mariposa e o 90º nos 100 e 200 livres.

João Vital

Clube: Sporting Clube de Portugal
Treinador: Aurélien Gabert (Centro de Alto Rendimento – Rio Maior) e Carlos Cruchinho
Idade: 18 anos
Altura: 1,74m
Peso: 65 kg
Provas: 200 costas e 400 estilos

Foto: IMAPRESS/COP
Foto: IMAPRESS/COP

João Vital é o nadador masculino mais jovem da selecção portuguesa dos mundiais de Windsor.

Mais um excelente executante em provas de estilos (mais forte na exigente prova dos 400 metros), trocou o Colégio Monte Maior pelo Sporting na época transacta, altura em que ingressou no Centro de Alto Rendimento de Rio Maior.

Mais um nadador que apesar da idade, já começa a contar algumas participações internacionais.

Foi companheiro de selecção de Gabriel Lopes nos Jogos Europeus de Baku, participou nos Mundiais de Juniores em Singapura 2015, onde alcançou a final dos 400 estilos e já este ano participou nos Campeonatos da Europa de Juniores em Hódmezővásárhely, na Hungria.

É detentor dos recordes nacionais de juvenis e juniores dos 400 estilos em piscina curta e longa, chegando agora a altura de “atacar” os recordes seniores e absolutos de Diogo Carvalho (em curta) e Alexis Santos (em longa), no primeiro ano a competir no escalão.

Vital parte com o 21º tempo nos 400 estilos e com o 34º nos 200 costas.

Miguel Nascimento

Clube: Sport Lisboa e Benfica
Treinador: Aurélien Gabert (Centro de Alto Rendimento – Rio Maior) e Mário Madeira
Idade: 21 anos
Altura: 1,83m
Peso: 76 kg
Provas: 50, 100 e 200 livres, 200 mariposa, 4×100 estilos e 4×200 livres

Foto: FPN
Foto: FPN

O algarvio Miguel Nascimento iniciou a sua carreira na Portinado, até ingressar no Centro de Alto Rendimento de Rio Maior, altura em que passou a representar o Estrelas de São João de Brito. Este ano, assim como Diana Durães, mudou-se para o Benfica.

Nascimento tem feito uma carreira bastante curiosa, uma vez que nos escalões de formação era um especialista de provas rápidas (é recordista nacional júnior nos 50 e 100 mariposa e 50 costas em piscina longa e dos 50 livres em piscina curta) mas mais recentemente especializou-se em provas de meia distância como os 200 mariposa e os 200 livres, não deixando, contudo, de evoluir nas provas mais curtas, o que faz dele na actualidade um nadador extremamente versátil.

Em Março estabeleceu mínimos de acesso aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro nos 200 mariposa e chegou a estar convocado, mas numa decisão bastante controversa foi “desconvocado” pelos critérios de contingência de participação de nadadores com mínimo B da FINA.

Esta é, portanto, a primeira prova internacional depois do balde de água fria brasileira. Em declarações ao FairPlay, Miguel Nascimento referiu que “os principais objectivos são ganhar experiência e bater recordes pessoais” e em relação ao seu estado de forma, confidenciou que “sinto-me bem tanto a nível físico, como psicologicamente, sendo sempre um orgulho, representar Portugal num evento desta dimensão”. Ressalva no entanto que “a principal preocupação vem do facto de a viagem ser longa e, a diferença horária para Portugal, obrigando a uma rápida recuperação“.

A preocupação é ainda mais premente tendo em conta que nadará a prova onde está melhor posicionado (24º tempo nos 200 mariposa) logo a abrir os campeonatos. Tem ainda o 35º tempo dos 200 livres, o 43º dos 50 livres e o 55º dos 100 livres.

Tamila Holub

Clube: Sporting Clube de Braga
Treinador: Luís Cameira
Idade: 17 anos
Altura: 1,72m
Peso: 65 kg
Provas: 400 e 800 livres

Foto: ASF/Alexandre Pona
Foto: ASF/Alexandre Pona

Tamila Holub é nova sensação da natação portuguesa. Nascida na Ucrânia e estabelecida desde os 3 anos na capital minhota, a fundista sagrou-se em Julho campeã da Europa de juniores dos 1500 metros livres e vice-campeã dos 800 metros livres.

Um mês depois, foi a mais nova de toda a comitiva olímpica portuguesa no Rio de Janeiro.

“Mila” sucedeu assim a Diana Gomes que tinha sido a última nadadora portuguesa a subir ao lugar mais alto do pódio num Europeu de Juniores, há 11 anos, em Budapeste (100 e 200 bruços).

O feito de Tamila valeu-lhe da parte da Federação Portuguesa de Natação a distinção de “Melhor Praticante de Natação Pura Feminino” da época 2015/2016, ficando o seu treinador com o “título” de “Melhor Treinador de Natação Pura”.

Nestes campeonatos do mundo, a nadadora bracarense volta a ser a mais jovem. Até agora, os pontos altos da sua carreira são indubitavelmente em competições de piscina longa, mas Tamila já conta no seu currículo com a participação no Europeu de piscina curta em 2015.

É a actual recordista nacional absoluta de 800 e 1500 livres em ambas as piscinas e a segunda melhor portuguesa de sempre aos 400 livres (também em piscina curta e longa), apenas atrás de Diana Durães.

Não havendo no programa a prova de 1500, Tamila vai nadar “só” os 800 metros livres, partindo com o 19º melhor tempo e os 400 metros livres, onde alinha com a 27ª melhor marca.

Victoria Kaminskaya

Clube: Estrelas de São João de Brito
Treinador: Júlio Borja
Idade: 21 anos
Altura: 1,63m
Peso: 54 kg
Provas: 200 bruços, 200 mariposa, 200 e 400 estilos

Foto: Facebook Victoria Kaminskaya
Foto: Facebook Victoria Kaminskaya

Mais uma nadadora que nasceu fora do “rectângulo” luso, mas que aos 7 anos rumou da Rússia para ocidente.

Victoria Kaminskaya iniciou a sua carreira nas Caldas da Rainha, no clube d’Os Pimpões, tendo-se transferido para o Estrelas de São João de Brito na época passada. Victoria começou a dar nas vistas no escalão de juniores, sobretudo quando começou a ameaçar o domínio nas provas de estilos da inquestionável Nádia Vieira.

Com uma evolução exponencial e ininterrupta, Victoria levou as marcas de estilos para níveis estratosféricos, considerando a realidade portuguesa, sendo hoje, ela própria, uma nadadora intocável nas provas de estilos.

Estreou-se em Jogos Olímpicos este ano, mas não falha nenhuma grande competição internacional desde os Campeonatos Europeus de Piscina Curta de Chartres, em 2012.

É recordista nacional absoluta de 100, 200 e 400 estilos em piscina curta e 200 e 400 estilos em piscina longa e é a 2ª melhor de sempre (atrás de Diana Gomes) nos 200 bruços, em ambas as variantes.

A melhor posição na entry list é o 14º lugar aos 400 estilos, seguindo-se o 19º aos 200 estilos, o 22º aos 200 mariposa e o 27º aos 200 bruços.

Fonte: FINA
Fonte: FINA

Portugal ainda vai participar nas estafetas masculinas de 4×200 livres e 4×100 estilos. Em ambas as provas, a selecção nacional vai aproveitar o facto de ter quatro nadadores que podem compor bem as estafetas, apesar de não serem todos especialistas dos 200 livres ou de provas de 100 metros.

Porém, os objectivos das duas estafetas deverão ser diferentes. No caso dos 4×200 livres, cada nadador do quarteto luso teria de fazer em média 1 minuto e 47 segundos para bater o record nacional. Esse objectivo parece difícil, tendo em conta os melhores tempos aos 200 livres de cada um: Alexis – 1:48.30 (mas já fez 1:44.96 “lançado”); Diogo – 1:45.69; Gabriel – 1:52.21; Miguel – 1:46.20.

Ou seja, a não ser que se espere uma franca melhoria de Gabriel Lopes (cujo record pessoal foi estabelecido há 15 dias), a equipa deverá ficar aquém dos 7:08.72 do quarteto formado por Adriano Niz (1:47.07), Miguel Pires (1:46.44), Fábio Pereira (1:48.28) e Tiago Venâncio (1:46.26) em 2006 (estes sim, quatro especialistas em 200 metros livres e que atingiram a final do mundial de Shangai).

Já nos 4×100 estilos, a prova teria de correr muito mal para não sair novo record nacional. Havendo várias combinações possíveis dentro do quarteto, o FairPlay arrisca que Portugal alinhará com Alexis a costas, Diogo a bruços, Miguel a mariposa e Gabriel a crawl.

O record nacional é de 3:44.68. Somando os records pessoais nas provas individuais dos quatro nadadores que nadarão em Windsor, dever-se-á esperar um tempo a rondar os 3 minutos e 35 segundos, providenciando uma grande margem para o record.

Siga os Campeonatos do Mundo de Piscina Curta no FairPlay ou saiba os resultados em directo aqui.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter