18 Ago, 2017

Os Europeus: Inês Rocha

João BastosJunho 19, 20174min0

Os Europeus: Inês Rocha

João BastosJunho 19, 20174min0

Com a convocatória da selecção portuguesa para os campeonatos da Europa de Juniores, o Fair Play inicia uma série de 13 artigos para apresentar os 13 nadadores presentes em Netanya (Israel)

O Meeting Internacional do Porto constituiu a última oportunidade para os nadadores juniores portugueses fazerem marcas de acesso aos Europeus do escalão. Com a selecção definida, iniciaremos o desfile dos nadadores que representarão Portugal no certame. Fá-lo-emos diariamente até dia 28 de Junho (primeiro dia de competições em Netanya) e por ordem alfabética.

Inês Rocha

Nome: Inês Neto Rocha
Data de Nascimento: 23 de Julho de 2001
Clube: Clube Aquático Pacense
Treinador: Rudolfo Nunes
Provas: 200 e 400 metros estilos

Foto: Luís Filipe Nunes

Historial

Inês fez toda a sua carreira, até ao momento, no clube de Paços de Ferreira. Anteriormente Gespaços e a partir da época 2014/2015, Clube Aquático Pacense.

A nadadora pacense chega aos Europeus de Juniores logo no seu primeiro ano no escalão, sendo mesmo a única júnior feminina de 1º ano convocada.

Inês Rocha aprendeu a nadar mais ou menos na mesma altura que aprendeu a ganhar. Numa primeira abordagem a provas de nível extra-regional, Inês nadou 5 provas individuais e obteve 5 vitórias individuais (100 e 200 bruços, 200 e 400 estilos e 200 costas). Foi nos Zonais da zona norte, no Porto em 2013. No mesmo ano foi tri-campeã  nacional infantil-B, num leque de provas muito diversificado (200 costas, 200 bruços e 400 estilos). Estava dada a pista que estávamos perante uma nadadora de estilos em potência.

Na categoria de infantil-A, renovou os seus 5 títulos zonais e voltou a ser tri-campeã nacional, “substituindo” os 200 costas pelos 200 estilos.

O escalão de juvenil-B chegou e com ele o primeiro record nacional individual da sua carreira. 5:01.00 obtidos no final da época em Coimbra, uma época onde voltou a ser tri-campeã dos 200 e 400 estilos e 200 bruços, tal como em infantil-A e onde foi campeã nacional de juvenis (A+B) nos seus 400 estilos.

Enquanto juvenil-A não bateu nenhum record nacional individual, mas foi mais vezes campeã nacional. Pela primeira vez foi tetra-campeã nacional da sua categoria, juntando os 100 bruços às suas provas clássicas (200 e 400 estilos e 200 bruços, pois claro). No final da época, em Oeiras, foi também campeã do escalão nessas quatro provas.

E chegamos à presente época, a sua primeira como júnior e que lhe está a correr de feição. Começou por ser bi-campeã nacional júnior de piscina curta, nos 200 e 400 estilos (em bruços tem agora a oposição de Raquel Pereira, o que dificulta mais a tarefa). Nos nacionais de juvenis, juniores e absolutos de Coimbra teve, por ventura, o ponto mais alto da sua carreira. Foi campeã nacional júnior e absoluta dos 400 metros estilos, com um tempo record nacional júnior-B e mínimo para o Europeu de Juniores!

4:54.95 foi o tempo que abriu as portas de Netanya para a nadadora pacense, e que entretanto já foi melhorado. A 20 de Maio, no Trofeo Internacional Villa De Gijon, Inês nadou para 4:54.00.

A sua progressão nas provas que nadará em Israel foi a seguinte:

Fonte: Swimrankings

Antevisão

Há três pontos de partida que devem ser considerados para perspectivar a participação de Inês Rocha nos Europeus:

  1. É júnior de 1º ano e, por isso, esta participação deve ser encarada com o pensamento de voltar a haver nova oportunidade (corra agora bem ou mal);
  2. Como se percebe pela tabela acima, neste ano Inês evoluiu substancialmente mais nos 400 estilos do que nos 200, pelo que em Israel poder-se-á esperar que “compense” e transponha com naturalidade a evolução dos 400 estilos para os 200 estilos;
  3. Está a ter uma grande época.

Dito isto, atenção à sua prova de 400 estilos, porque apesar de ela ser a 34ª no ranking europeu de juniores, nas anteriores edições o seu tempo ou dava final ou ficava mesmo à porta. Sendo que há nadadoras como Anja Krevar e Ajna Kesely que estão mais preocupadas com o mundial, o ranking pode ser enganador.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter