20 Fev, 2018

Trio maravilha

João BastosDezembro 16, 20176min0

Trio maravilha

João BastosDezembro 16, 20176min0
Diogo Carvalho e Alexis Santos voltaram a apurar-se para nadar à tarde, desta vez nos 100 metros estilos, onde Gabriel Lopes também ficou no top-16

Quarto dia em Copenhaga com os protagonistas das finais de ontem a voltarem à acção, hoje da parte da tarde. Portugal colocou 3 nadadores em posição de apuramento para as meias finais na mesma prova


Mais um dia bastante positivo para a natação portuguesa. Sendo o penúltimo, já se pode balancear esta participação como muito boa. Já é a edição dos Europeus de Piscina Curta com mais finais alcançadas por Portugal e na contabilidade dos recordes nacionais vamos com quatro, dois deles estabelecidos no dia de hoje.

Fique com a “versão portuguesa” do resumo do dia:

Alexis Santos

O recordista nacional dos 100 metros estilos tinha no dia de hoje essa prova em agenda, depois de ontem ter sido 7º classificado nos 200 estilos.

Numa prova sempre muito competitiva, Alexis nadou na série 3 (mais uma vez a mesma de Diogo Carvalho), na pista 3 e nadou para 53.29, o seu segundo melhor tempo da carreira, apenas atrás dos 53.06 do record nacional estabelecidos no ano passado nos mundiais de Windsor.

O tempo deu-lhe o 4º lugar na série e o 12º na classificação geral, obtendo assim o acesso à meia final.

À tarde Alexis nadou na 1ª semifinal, na pista 7, novamente na mesma série que Diogo Carvalho e que os favoritos a passar à final Marco Orsi e Yakov Toumarkin. De manhã tinha passado em 24.07 a meio da prova e à tarde passou em 24.16, uma pequeníssima diferença que foi determinante para que o tempo final fosse ligeiramente superior, apesar do segundo parcial ter sido melhor.

Alexis nadou os segundos 50 metros em 29.18 (de manhã 29.22) perfazendo o tempo final de 53.34.

Foi 5º na série e 11º no conjunto das meias finais, não conseguindo o apuramento para a final de amanhã.

Foto: FPN

Diogo Carvalho

Depois de ter falhado o bronze por 2 centésimos no dia de ontem, Diogo está de volta à luta. Nadou a série 3 dos 100 metros estilos, na pista 8, inscrito com o tempo de 54.14. Ele tem um record pessoal de 53.28 que já tem 8 anos e foi record nacional até ao ano passado. 

Nas eliminatórias fez o tempo de 53.45, que equivaleram ao 6º tempo da série e 14º melhor registo da eliminatória, acompanhando Alexis Santos até à meia final da tarde.

Diogo nadou a 1ª de duas meias finais, na pista 1 e, tal como Alexis, também não entrou tão bem na prova como de manhã. Parcializou 24.62, quando nas eliminatórias tinha nadado em 24.47. A segunda metade de prova foi praticamente igual à que fez de manhã – 29.01 à tarde, 28.98 de manhã – fazendo o tempo final de 53.63, classificando-se no 7º lugar da sua meia final e no 15º lugar final.

Amanhã nadará os 200 mariposa para concluir a sua participação nestes Europeus.

Foto: FPN

Gabriel Lopes

Quem também poderia acompanhar Diogo e Alexis às meias finais, não partilhassem os três a mesma nacionalidade, é Gabriel Lopes, que também nadou as eliminatórias dos 100 estilos e classificou-se no 16º lugar, portanto, no último lugar que dá acesso às meias. Como a partir das eliminatórias só podem nadar dois nadadores por país, a “fava” saiu a Gabriel.

Não fica, no entanto, de mãos a abanar. Levou destas eliminatórias um novo máximo pessoal de 53.87, primeiro sub-54 da carreira.

O lousanense nadou na série 4, na pista 0, ou seja, com o 9º melhor tempo de entrada da série, mas acabou por ser 5º, fazendo parciais de 24.15 e 29.72.

Certamente não é satisfatório para Gabriel ficar de fora da meia-final, apesar de se ter qualificado para ela, mas para a natação portuguesa é um regozijo ter três nadadores deste nível a nadar a mesma prova.

Foto: FPN

Diana Durães

A nadadora do Benfica nadava hoje a sua prova menos forte das três que vai nadar em Copenhaga, os 200 metros livres, e também por isso, a prova que podia nadar sem ter de fazer contas em relação à classificação, apenas em relação ao tempo.

Diana nadou na pista 0 da série 3 com o tempo de entrada de 1:59.83, feitos no Meeting do Algarve do ano passado. Objectivo: bater os seus 1:59.53 que é o record nacional da prova.

Se nos primeiros 50 metros estava a nadar um pouco pior do que esse tempo de referência, aos 100 já passou melhor, em 58.02 (contra 58.31) e nos segundos 100 metros continuou a fazer melhores parciais, perfazendo a segunda metade da prova em 1:00.60, ou seja, terminou no tempo de 1:58.62, com novo máximo nacional, primeira portuguesa a baixar do 1:59, sendo ainda a única que já nadou abaixo de 2 minutos, 5º lugar da série e 16º da geral.

Não havendo meias finais desta prova, Diana fica por aqui, já a pensar nos seus 400 metros livres de amanhã para os quais esta prova de 200 abriu boas perspectivas.

Foto: FPN

Victoria Kaminskaya

Victoria nadou no dia hoje os 200 metros estilos, uma prova aguardada com ansiedade depois do que a vimos fazer nos 400 estilos.

De há uma semana para cá, a nadadora do Estrelas de São de Brito tinha ganho um novo desafio: recuperar o record nacional que fora batido por Diana Durães nos nacionais, e que anteriormente era seu.

2:12.24 passou a ser o tempo de referência para Victoria. Ela que vinha inscrita com 2:14.48, mas tem de melhor 2:12.37.

Nadou na primeira de três séries, na pista 8.

A sua saída a mariposa foi boa, em 28.64. Não sendo o seu melhor parcial de mariposa de sempre, também não comprometia minimamente o objectivo, até porque a seguir esteve muito bem em costas fazendo o percurso em 33.24, este sim, o seu melhor de costas de toda a carreira. Veio bruços, o seu estilo mais forte, e confirmou que assim é, nadando em 37.12, o segundo mais rápido entre todas as eliminatórias, só superado pelo percurso de Katinka Hosszu. Em relação ao seu melhor tempo nos 200 estilos, só neste percurso ganhou quase meio segundo. Este desempenho em bruços acabou por ter impacto em crawl que nadou em 33.08, mas não o suficiente para a impedir de estabelecer uma nova melhor marca nacional, com o tempo de 2:12.08, que lhe valeu o 4º lugar da série e o 10º da eliminatória, ficando a apenas 54 centésimos de conseguir a sua segunda final nestes campeonatos.

Foto: FPN


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter