18 Fev, 2018

Victoria e Gabriel em acção no dia 5

João BastosJulho 27, 20173min0

Victoria e Gabriel em acção no dia 5

João BastosJulho 27, 20173min0

Victoria Kaminskaya e Gabriel Lopes voltaram a nadar no palco dos mundiais de natação em Budapeste. Gabriel nadou os 200 costas e Victoria, logo de seguida, os 200 bruços

Depois de ter iniciado a participação portuguesa nos mundiais húngaros, no domingo, Victoria Kaminskaya nadou hoje a prova de 200 metros bruços, na pista 1 da penúltima das 4 séries.

Nesta – como nas outras duas provas do seu programa em Budapeste – já melhorou por duas vezes o record nacional absoluto este ano, fixando-o em 2:27.70, por ocasião do Open de Espanha.

Hoje o objectivo era claramente voltar a melhorar essa marca, e a prova começou a correr de feição. Uma passagem em 1:11.93 aos 100 metros permitiam-lhe nadar a segunda parte da prova em 1:15 médio, o que estaria ao seu alcance, mas a passagem a meio da prova terá sido um tanto rápida para ela, fruto da forte série que integrou, e nos segundos 100 não conseguiu manter o ritmo, fazendo o percurso em 1:17.25.

O tempo final foi de 2:29.18 que lhe deu o 20º lugar. A meia final fechou em 2:28.59, um tempo ao seu alcance.

Há que referir que Kaminskaya é uma nadadora que rende muito mais quando nada à tarde. Este é um efeito comum a praticamente todos os nadadores do mundo, mas que na nadadora do Estrelas de São de Brito é particularmente acentuado. Apesar de hoje ter ficado a 1.48 segundos do seu melhor, o melhor tempo que tinha nadando de manhã foi de 2:31.35, por isso, acaba por ser um copo meio cheio para Victoria.

No domingo volta à piscina da Duna Arena para fechar a participação lusa na prova de 400 metros estilos, a sua melhor.

Foto: FPN

Logo de seguida nadaram-se as eliminatórias dos 200 metros costas, nas quais participou Gabriel Lopes. Das três provas que nada em Budapeste, esta é aquela onde tem um tempo de menor valia. O seu record pessoal, já deste ano, é de 2:02.70.

Os 100 metros costas, que nadou na segunda-feira, não tinham saído bem, e Gabriel vinha à procura de uma prova mais conseguida, o que passava por melhorar o seu máximo pessoal.

O início não foi fantástico. Passou em 59.15, quando o seu tempo de passagem, aquando do seu record pessoal, foi de 58.82, mas os segundos 100 metros foram os seus melhores de sempre (1:03.63 vs 1:03.82). Isto colocou-o em cima do tempo a bater, perfazendo os 200 metros em 2:02.78, apenas a 8 centésimos do objectivo.

Sábado será o dia de encerramento dos campeonatos para Gabriel, quando nadará os 50 metros costas.

Foto: FPN

Amanhã estarão em cena Miguel Nascimento nos 50 metros livres, Diana Durães e Tamila Holub nos 800 metros livres. Não perca, a partir das 8:30 na Eurosport com comentários do editor Fair Play para a natação, João Bastos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter