21 Fev, 2018

Sjöström conquista o primeiro record na Hungria

João BastosJulho 23, 20175min0

Sjöström conquista o primeiro record na Hungria

João BastosJulho 23, 20175min0

A primeira tarde de finais em Budapeste tinha preparado um dos duelos mais esperados dos Mundiais, com Sun Yang a voltar a defrontar Mack Horton. Tinha também marcado o primeiro passeio de Ledecky, mas o grande destaque veio da Suécia

Sjöström em 51

Sarah Sjöström está disposta a confirmar, nestes mundiais, todos os indicadores que foi mostrando ao longo da época. A sueca chega à Hungria como líder mundial do ano nas provas de 50 e 100 metros, 50 e 100 metros livres, em todas elas muito próxima dos respectivos recordes mundiais.

Nesta primeira jornada não quis esperar pela prova individual e, a fechar a sessão, abriu a estafeta 4×100 metros livres com novo record mundial. Os 51.71 fazem de Sjöström a única nadadora de sempre a nadar abaixo de 52 segundos, superando os 52.06 que Cate Campbell tinha estabelecido no ano passado.

Há que considerar ainda que a sueca nadou esta prova no final de uma sessão onde nadou as meias finais dos 100 metros mariposa para um sólido 55.77, tendo agora as 10 melhores marcas de sempre nessa prova.

Relativamente aos 100 metros livres, ainda os vai nadar mais três vezes, podendo voltar a baixar o seu extraordinário record.

Com esta entrada de leoa, parece que o mundo vai estar mesmo aos pés de Sjöström durante esta semana.

Foto: É assim

Yang – 1, Horton – 1

Ainda na jornada de finais, disputou-se um dos duelos mais aguardados. O campeão olímpico Mack Horton iria reencontrar o vice-campeão olímpico e bi-campeão mundial Sun Yang.

Os dois teriam de se preocupar com outros grandes nadadores como James Guy (mais especialista dos 200), Gabriele Detti (especialista dos 800) e Tae Hwan Park (de regresso à boa forma).

Yang não quis confirmar o duelo e desde o tiro de partida imprimiu um ritmo impossível para qualquer um dos presentes, chegando aos 300 metros a 1 centésimo do record mundial. Terminou em 54.20 nos últimos 100 metros, com um tempo total de 3:41.38. Yang igualou Ian Thorpe como os únicos dois tri-campeões mundiais dos 400 metros livres.

O australiano Mack Horton foi segundo classificado, a mais de 2,5 segundos do chinês. O italiano Gabriele Detti ficou com o bronze.

Foto: NBC Olympics

Ledecky, claro

A segunda final do dia foram os 400 metros Ledecky. Ou seja, os 400 metros livres.

A americana estabeleceu dois novos recordes dos campeonatos, o primeiro nas eliminatórias e o segundo na final.

Os 3:58.34 deram à americana o tri-campeonato mundial dos 400 metros livres (única a consegui-lo na história da natação).

As americanas fizeram a dobradinha com Leah Smith a nadar em 4:01.54. A jovem chinesa, de apenas 15 anos, Li Bingjie, levou o bronze com o tempo de 4:03.25.

Foto: Facebook Budapest2017

Ledecky, a melhor de sempre

A jornada de Ledecky não se ficou apenas com o título dos 400 metros livres. A estafeta 4×100 metros livres deram à americana o ceptro de maior ganhadora de ouros em campeonatos mundiais. 

Aos 20 anos, a fundista ultrapassou Missy Franklin no topo da tabela contabilizando agora 12 medalhas em Mundiais, todas de ouro, uma vez que Ledecky sempre que nadou em mundiais, venceu as provas.

Fez o pior percurso das americanas (53.83), mas Mallory Comerford, Kelsi Worrel e Simone Manuel estiveram em grande nível e contrariaram o favoritismo das recordistas mundiais (Austrália). A Holanda ficou em terceiro com Ranomi Kromowidjojo a dar muito boas indicações ao nadar em 51.98.

Foto: Facebook Budapest2017

EUA fecha com 3 ouros em 4 provas

A melhor selecção de natação do mundo abriu os campeonatos em grande estilo.

Das quatro finais, os americanos apenas não venceram os 400 metros livres. Nos 4×100 metros livres masculinos, Caeleb Dressel abriu com uns excelentes 47.26, batendo o record nacional americano e dando um grande avanço aos americanos.

A fantástica estafeta brasileira apertou bastante os campeões do mundo. Gabriel Santos não abriu bem e ficou a mais de 1 segundo de Dressel mas Marcelo Chierighini fez o único 46 da prova (46.85) e voltou a meter os brasileiros na luta.

No final apenas 28 centésimos separaram as duas equipas.

A Hungria conseguiu obter um fantástico e surpreendente terceiro lugar, mostrando que a equipa vem forte aos “seus” mundiais.

Foto: Facebook Budapest2017

Meias sem surpresas

Nas sessões de meias finais de hoje, o programa era pouco propício a surpresas, uma vez que se nadaram as provas com claro “dono”.

Sarah Sjöström venceu os 100 metros mariposa com o seu 6º melhor tempo de sempre.

Adam Peaty nadou no seu 4º melhor tempo de sempre (57.75) que constitui record dos campeonatos, nadando pela 6ª vez abaixo dos 58′ quando mais nenhum nadador o fez, nem uma vez. Ainda viu aquele que podia ser o seu maior adversário (relativo) a não nadar a prova. Cameron van der Burgh não se apresentou nas eliminatórias.

Nos 200 metros estilos femininos, a única candidata à vitória, Katinka Hosszu, venceu com autoridade no tempo de 2:07.14, o seu 4º melhor tempo de sempre.

Na prova mais dividida, assistiu-se a mais uma boa performance de Caeleb Dressel, vencendo com 22.76, apenas 1 centésimo à frente do ucraniano Andrii Govorov.

Saiba como foi o dia dos portugueses aqui.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter