21 Fev, 2018

Diana faz o pleno

João BastosJulho 28, 20173min0

Diana faz o pleno

João BastosJulho 28, 20173min0

A jornada 6 de eliminatórias dos mundiais de natação tinha em prova três portugueses, um na prova mais curta do programa e duas numa das provas mais longas. Três nadadores com três sortes diferentes

A jornada começou logo a abrir, com os 50 metros livres masculinos. As ausências de peso do campeão olímpico Anthony Ervin e do campeão mundial Florent Manaudou não se fizeram sentir, dado que o nível foi bastante elevado e só em 2009 o tempo de acesso às meias finais foi mais exigente que agora em Budapeste.

Nestas eliminatórias participou o português Miguel Nascimento que tinha como tempo de inscrição 22.39 e vinha com os 22.36 do record nacional como principal objectivo.

A partida do português foi boa, mas a sua velocidade de ponta não foi a suficiente para chegar ao seu melhor. Bateu na parede com 22.69, o seu terceiro melhor tempo de sempre, que deu o 36º lugar final.

Como referiu ao Fair Play, o seu foco de preparação nesta fase da carreira são os 200 mariposa, que é uma prova muito diferente dos 50 livres. Esse facto certamente não favorece a sua velocidade pura, mas Miguel continuará em busca também deste record nacional.

Foto: FPN

Tivemos de esperar pelo final da sessão para ver em acção as outras duas portuguesas do dia. Diana Durães e Tamila Holub participaram na 3ª série dos 800 metros livres e tiveram desempenhos diferentes.

Tamila voltou a não ter sorte com as adversárias que iam ao seu lado que fizeram uma prova muito forte logo desde o início o que deixou a portuguesa a nadar sozinha sem qualquer referência visual.

Ao contrário do que lhe é habitual, nunca conseguiu imprimir um ritmo certo e a partir de metade da prova começou a fazer parciais superiores em cerca de um segundo ao que praticou na primeira metade. O tempo de 8:44.85 não é famoso para ela, mas a classificação não é tão má assim.

Foi 21ª classificada quando trazia o 18º melhor tempo de inscrição.

Fechou a sua primeira participação em mundiais e leva logo na bagagem um 10º lugar, a terceira melhor prestação de um português em campeonatos do mundo, ex-aequo com José Couto em Fukuoka 2001, quando obteve a mesma classificação nos 200 metros bruços.

Foto: FPN

Diana Durães fez uma prova em linha daquilo que tem vindo a produzir nestes mundiais, ou seja, com um resultado final muito bom.

A nadadora do Benfica começou forte e passou a meio da prova num tempo de 4:16.42, depois continuou muito consistente nos seus parciais, fazendo sempre 32.4/32.5 em cada 50 metros.

Essa consistência levou-a até ao objectivo final: novo record nacional absoluto, juntando o dos 800 aos que já tinha conseguido nos 200 e 400 livres, a diferença é que os dois anteriores já eram seus e este era de Tamila que, certamente, já está ansiosa por uma oportunidade de o recuperar.

O tempo final de Diana foi de 8:35.10 que lhe deu o 13º lugar, o mesmo que tinha conseguido na prova de 400 metros, aumentando para 4 o número de lugares de semifinalista da selecção portuguesa, o dobro da meta delineada pela Federação Portuguesa de Natação.

Foto: FPN

Amanhã, no penúltimo dia do campeonato, estarão em prova Gabriel Lopes nos 50 metros costas e Guilherme Pina nos 1500 metros livres.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter