24 Fev, 2018

E a final ali tão perto

João BastosJulho 24, 20173min0

E a final ali tão perto

João BastosJulho 24, 20173min0

No segundo dia de eliminatórias, dois estreantes em mundiais representaram a selecção portuguesa na Duna Arena. Gabriel Lopes e Tamila Holub nadaram, respectivamente, os 100 metros costas e os 1500 metros livres

Gabriel Lopes foi o primeiro português do dia a entrar em acção. O nadador do Louzan Natação nadou na série 4 dos 100 metros costas e fez o tempo de 55.99, aquém do seu record nacional de 55.01, classificando-se no 30º lugar.

O tempo e a classificação não terão sido os que Gabriel ambicionava mas, ao contrário dos seus colegas de selecção, o nadador da Lousã não tem nos mundiais a sua prova prioritária da época. Essa será as Universíadas onde Gabriel poderá nadar a sua melhor prova, os 200 metros estilos.

Gabriel Lopes volta a nadar na próxima 5ª feira na 1ª série dos 200 metros costas.

Foto: FPN

Para fecho de sessão ficou reservada a prova mais longa do calendário, na qual Tamila Holub nadou na última série, a mesma de Katie Ledecky.

Tamila tinha ao seu lado duas excelentes “lebres”: a espanhola Mireia Belmonte e a chilena Kristel Kobrich. E a nadadora do Sporting Clube de Braga sabia da importância de conseguir seguir com as suas adversárias. Por isso partiu forte, de forma a não as deixar ir embora.

A táctica de Tamila deu certo até meio da prova fazendo parciais na ordem dos 32.6/32.7 a cada 50 metros, estando sempre muito próxima dos parciais do seu record nacional.

Mas aos 750 metros Mireia atacou, o que fez com que Tamila perdesse definitivamente o contacto quer com a espanhola, quer com Kobrich, passando a fazer parciais de 33 segundos.

Mesmo em quebra, a final continuava a ser uma possibilidade, uma vez que a portuguesa nadou grande parte da prova no 4º lugar da série, mas infelizmente foi ultrapassada por duas adversárias nos 300 metros finais.

No final, Mila fez o seu segundo melhor tempo de sempre e record nacional sénior: 16:24.05, sendo que o 8º lugar foi obtido pela húngara Ajna Kesely que fez 10 centésimos pior que o record nacional absoluto de Tamila.

À partida, chegar à final seria um objectivo ambicioso de mais para a portuguesa, mas o decorrer da prova mostrou-lhe que o sonho era uma possibilidade bem real. Para a História fica o 10º lugar final e a terceira melhor classificação portuguesa de sempre em mundiais.

A fundista volta a nadar na 6ª feira na 3ª série dos 800 metros livres, a mesma da compatriota Diana Durães.

Foto: FPN

A jornada de amanhã terá três portugueses na água.

Diana Durães nadará os 200 metros livres na pista 5 da série 3 e, depois de ontem ter passado em 2:02.87, a possibilidade de cair o record nacional da prova (2:01.78) é muito forte.

Logo de seguida disputam-se as eliminatórias dos 200 metros mariposa que terá na pista 1 da série 3 o benfiquista Miguel Nascimento.

A fechar a jornada, Guilherme Pina fará a sua estreia em campeonatos do mundo na pista 8 da 2ª série dos 800 metros livres, uma prova que lhe servirá de aquecimento para os 1500 metros que serão nadados no sábado.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter