24 Fev, 2018

Bravo Diana!

João BastosJulho 23, 20173min0

Bravo Diana!

João BastosJulho 23, 20173min0

A natação pura arrancou no Mundial de Budapeste e até dia 30 deste mês vai ter em acção os melhores nadadores do mundo. Os sete nadadores portugueses vão em busca de uma prestação entre as melhores de sempre

No arranque das provas de natação na Duna Arena de Budapeste coube às senhoras a responsabilidade de iniciar a epopeia portuguesa por terras magiares.

Victoria Kaminskaya foi a primeira a entrar na água na prova de 200 metros estilos. Com uma partida pouco conseguida, Victoria teve de partir atrás do prejuízo no percurso de mariposa. Ainda assim passou ligeiramente melhor que o seu parcial aquando do record nacional (4 centésimos melhor). Nos percursos de costas e bruços fez um parcial pior do que as suas passagens para record nacional e em crawl fez exactamente o mesmo tempo (33.08).

No final, o tempo de 2:14.33 foi o seu segundo melhor de sempre e deu-lhe o 24º lugar final.

Kaminskaya volta a nadar na 5ª feira, na prova de 200 metros bruços, mas todas as suas atenções estarão voltadas para o último dia de competições, quando nadará os 400 metros estilos, uma prova onde está inscrita com o 18º melhor tempo da start list.

Foto: FPN

Uns minutos depois veio o grande destaque do primeiro dia da comitiva nacional, e provavelmente um dos maiores destaques no final destes campeonatos, para as cores lusas.

Diana Durães partia com o 21º tempo de inscrição com o seu record nacional de 4:13.34, que a atirou para as séries secundárias.

Desde o tiro de partida que Diana nadou sozinha e desde o tiro de partida que Diana mostrou ao que vinha. Aos 200 metros já passava 2,5 segundos melhor que o seu parcial para record nacional. Com uma passagem a 2:02.87 teria de haver uma grande quebra para o máximo nacional não cair, e por larga margem.

Diana não desarmou e terminou com o excelente novo record nacional de 4:10.07, um tempo condizente com a marca que tinha feito no início da temporada em piscina curta (4:05.39). Ainda assim, deu a sensação que se tivesse concorrência, ainda poderia ir mais longe (terminou com o parcial de 31.71, o quarto pior parcial da sua prova) e melhorar ainda mais o excelente 13º lugar na classificação final.

A sua prestação abre boas perspectivas para o que lhe falta nadar, nomeadamente nos 800 metros livres, que se nadará na próxima 6ª feira, e na qual irá com o pior tempo da penúltima série tendo, por isso, muitas referências para expressar todo o seu potencial.

Foto: FPN

Amanhã nadará Gabriel Lopes, na prova de 100 metros costas, e Tamila Holub na prova onde se sagrou campeã europeia de juniores do ano passado: os 1500 metros livres.

Gabriel partirá com o 25º tempo de inscrição e Tamila com o 11º tempo. Por isso, atenções para a jovem portuguesa que pode conseguir mais um lugar entre as 16 primeiras…ou quem sabe algo mais!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter