20 Ago, 2017

Jogos Olímpicos – Natação Feminina

João BastosJulho 31, 20169min2

Jogos Olímpicos – Natação Feminina

João BastosJulho 31, 20169min2

Há dois anos, escrevi para o Planeta Desportivo um artigo intitulado “2014, ou a natação no feminino“. Chegados a 2016 concluímos que não foi apenas uma tendência de 2014. De facto, o nível da natação feminina evoluiu, durante este ciclo olímpico, mais do que o sector masculino, como o comprova o facto de desde Londres’2012 apenas as provas de bruços terem evoluído os seus records mundiais no sector masculino, ao passo que no sector feminino 50% das 16 provas olímpicas têm novos máximos mundiais.

50 metros livres: As provas de livres vão certamente proporcionar aos espectadores grandes espectáculos. Não só porque actualmente há um naipe de crawlistas muito forte, como há nadadoras de outros estilos que vêm aumentar ainda mais o nível. No caso dos 50 metros livres, é crível que o récord do mundo de Britta Steffen seja batido e a mais forte candidata a esse feito é a australiana Cate Campbell, que este ano já ficou a apenas 11 centésimos. Mas tem forte concorrência, a começar pela sua irmã “caçula” Bronte Campbell, mas também pela campeã e recordista olímpica Ranomi Kromowidjojo (Holanda), da britância Francesca Halsall e da mariposista sueca Sarah Sjoström.

Aposta FairPlay: Cate Campbell (Austrália)

100 metros livres: Praticamente o mesmo cenário dos 50 metros, com a diferença que Cate Campbell aqui já chega como recordista mundial quando bateu o tempo de Steffen por um centésimo no mês passado. Nesta prova Halsall não participará, mas no plano das candidatas ao ouro é “substituída” pela holandesa Femke Heemskerk, a juntar às já citadas Bronte (campeã do mundo), Kromowidjojo (campeã olímpica), e Sjoström (campeã europeia) não podendo estas 5 nadadoras se descuidarem com a recordista do mundo dos 200 metros, a italiana Federica Pellegrini.

Aposta FairPlay: Cate Campbell (Austrália)

Irmãs Bronte (à esquerda) e Cate Campbell (à direita) | Fonte: ABC
Irmãs Bronte (à esquerda) e Cate Campbell (à direita) | Fonte: ABC

200 metros livres: Mesmo com tanta qualidade nas provas de 50 e 100 metros, os 200 metros livres femininos poderá ser considerada a prova dos campeonatos. Com a presença da recordista mundial Federica Pellegrini, de Itália, da campeã do mundo e considerada por muitos como a melhor nadadora da actualidade, Katie Ledecky, da nadadora mais medalhada em Londres, Missy Franklin, da mariposista que também é líder mundial do ano nesta prova, Sarah Sjoström da Suécia, da jovem australiana Emma McKeon e da experiente holandesa Femke Heemskerk.

Aposta FairPlay: Katie Ledecky (EUA)

400 metros livres: Katie Ledecky tem apenas 19 anos, mas há dois anos que é a recordista mundial da prova, a única senhora a baixar dos 4 minutos sem fatos de poliuretano. Mas até aos trials o plano de Ledecky para o Rio de Janeiro devia passar por uma luta solitária contra o cronómetro. Até é provável que isso venha a acontecer, mas a sua compatriota Leah Smith foi responsável por uma performance que mete Katie em sentido.

Aposta FairPlay: Katie Ledecky (EUA)

800 metros livres: Se nos 200 metros não será fácil e nos 400 terá de se aplicar, nos 800 deve dar para Ledecky chegar à parede, tirar os óculos, tirar a touca, beber um café e só depois chegar a segunda classificada. Na start list está inscrita com o seu record mundial feito no início deste ano. O segundo melhor tempo é da neozelandesa Lauren Boyle que é pior 11 (!!) segundos que o tempo de Ledecky. Na verdade, atrás de Ledecky a prova deverá ser bastante interessante com Lauren Boyle, Jazzmin Carlin (Grã-Bretanha), Jessica Ashwood (Austrália), Lotte Friis (Dinamarca), Leah Smith (EUA) e Boglarka Kapas (Hungria) a tornarem a luta pela prata muito renhida…pena que por culpa de Ledecky essa luta dificilmente vá ser televisionada. Também nesta prova participará a nossa campeã europeia de juniores Tamila Holub, a portuguesa que cumpre os seus primeiros jogos olímpicos com apenas 17 anos.

Aposta FairPlay: Katie Ledecky (EUA)

Katie Ledecky | Fonte: Sports Illustrated
Katie Ledecky | Fonte: Sports Illustrated

100 metros costas: Com a ausência da campeã olímpica em título, Missy Franklin, o caminho deve estar aberto para a campeã do mundo que tem dominado o estilo de costas nas últimas grandes competições. A australiana Emily Seebohm chega como favorita mas esta promete ser mais uma prova bastante disputada. Com efeito, na start list surgem quatro nadadoras com tempo de inscrição na casa dos 58 segundos: Seebohm, Mie Nielsen (Dinamarca), Katinka Hosszu (Hungria) e Madison Wilson (Austrália).

Aposta FairPlay: Emily Seebohm (Austrália)

200 metros costas: À semelhança dos 100, Seebohm também chega como líder do ano aos 200 metros mas enfrenta a recordista mundial e campeã olímpica Missy Franklin (que não tem estado muito exuberante neste ciclo olímpico) e a “dama de ferro” Katinka Hosszu, que apesar de ser candidata à vitória dos 100, é mais especialista na prova de 200. Para baralhar as contas também teremos Belinda Hocking (Austrália) e Maya DiRado (EUA).

Aposta FairPlay: Emily Seebohm (Austrália)

Emily Seebohm | Fonte: Getty Images
Emily Seebohm | Fonte: Getty Images

100 metros bruços: A lituana Ruta Meilutyte foi a grande revelação de Londres 2012, ao ser campeã olímpica com apenas 15 anos. Nos Mundiais no ano seguinte, em Barcelona, bate o récord do mundo. Em 2016 já surge como a principal favorita ao ouro, posição reforçada com a ausência daquela que tem sido a sua principal rival: a russa Yuliya Efimova, uma das nadadoras suspensa por doping. Mas mesmo sem Efimova, Meilutyte não terá vida fácil. Os trials americanos viram surgir duas fortes candidatas ao ouro: Lilly King, que estabeleceu a melhor marca do ano e Katie Meili, a terceira melhor do ano. Atenção ainda à jamaicana Alia Atkinson, talvez a única nadadora com uma partida ao nível de Meilutyte.

Aposta FairPlay: Ruta Meilutyte (Lituânia)

200 metros bruços: Vários nomes surgem como potenciais candidatas ao ouro. Desde logo as duas japonesas. Kanako Watanabe é campeã do mundo mas Rie Kaneto tem melhor récord pessoal, feito este ano. Rikke Moeller-Pedersen (Dinamarca) é a recordista mundial e este ano já foi campeã europeia, a jovem turca Victoria Gunes, no seu primeiro ano de sénior, surge com o melhor tempo de inscrição.

Aposta FairPlay: Rie Kaneto (Japão)

100 metros mariposa: Tirando as provas de Ledecky, não haverá nadadora mais dominadora do que a sueca Sarah Sjoström nos seus 100 mariposa. Foi a segunda nadadora a nadar abaixo de 56 segundos a seguir a Dana Vollmer, mas já o fez 4 vezes, e todas as essas 4 vezes seriam suficientes para bater o anterior récord mundial. Atrás de Sjoström é mais difícil de antever quem chega à prata. Jeanette Ottesen, da Dinamarca, a crónica segunda classificada, Dana Vollmer, a campeã olímpica que entretanto foi mãe e voltou para estes JO, as jovens Kelsi Worrell (EUA), Penny Oleksiak (Canadá), Emma McKeon (Austrália) e  Chen Xinyi (China).

Aposta FairPlay: Sarah Sjoström (Suécia)

200 metros mariposa: Contrariamente ao que seria de esperar, as provas de 200 metros prevêm-se mais disputadas que as provas mais curtas. Os 200 mariposa não é excepção. Começamos por apontar a campeã do mundo Natsumi Hoshi (Japão) mas a líder mundial do ano é Madeline Groves (Austrália). Também com hipótese de chegar à vitória, a campeã da Europa Franziska Hentke (Alemanha), a vice-campeã do mundo Cammile Adams (EUA) e as polivalentes Mireia Belmonte (Espanha) e Katinka Hosszu (Hungria). Um dado curioso: as últimas duas edições foram ganhas por chinesas e no Rio estarão Zhang Yufei e Zhou Yilin que não devem ser descartadas.

Aposta FairPlay: Katinka Hosszu (Hungria)

200 metros estilos: Esta é uma prova para a qual há imensas expectativas. Não que se espere uma grande disputa pelo ouro, mas por perceber que tempo pode fazer Katinka Hosszu. A húngara bateu o record do mundo da prova nos mundiais do ano passado onde nadou 7 provas. No Rio irá nadar “apenas” 5. Siobhan-Marie O’Connor (Grã-Bretanha), Maya DiRado (EUA), Allicia Coutts (Austrália) e Hannah Miley (Grã-Bretanha) deverão discutir os restantes lugares do pódio. Nesta prova Portugal estará representado por Victoria Kaminskaya.

Aposta FairPlay: Katinka Hosszu (Hungria)

400 metros estilos: Tal como nos 200, também nos 400 metros Katinka deverá nadar contra o relógio, com a vantagem de ser a primeira prova que a húngara nadará no Brasil. As britânicas Aimee Willmott e Hannah Miley, assim como a americana Maya DiRado e a canadiana Emily Overholt deverão disputar a prata. Victoria Kaminskaya também alinhará nesta prova.

Aposta FairPlay: Katinka Hosszu (Hungria)

Conheça também as previsões FairPlay nas provas masculinas e estafetas.


2 comments

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter