14 Dez, 2017

Katie Ledecky, ou como chegar ao topo do mundo em apenas 20 anos

João BastosMarço 17, 20172min2

Katie Ledecky, ou como chegar ao topo do mundo em apenas 20 anos

João BastosMarço 17, 20172min2

O maior prodígio da natação mundial deixa hoje de ser uma teenager. Katie Ledecky nasceu há apenas 20 anos, o tempo suficiente para se assumir hoje como a principal referência da modalidade. Conheça o notável percurso da americana

Foi a 17 de Março de 1997 que veio ao mundo Katie Ledecky. Apenas passaram duas décadas, mas o percurso e as conquistas da americana já a colocam num hall of fame muito restrito dos melhores desportistas de sempre: são já 5 ouros olímpicos, 9 títulos mundiais, 5 títulos pan-pacíficos e 13 recordes mundiais.

Desde que se estreou em provas internacionais – com apenas 15 anos – nunca perdeu uma prova individual. Leu bem, sempre que Ledecky se atirou à água numa prova internacional, chegou em primeiro…e na maior parte das vezes com vários metros de vantagem.

A única prova onde Katie não levou o ouro foram os 4×100 livres nos Jogos do Rio, a qual a estafeta norte-americana só perdeu para as australianas (que precisaram de bater o record do mundo). Repare-se que estamos a falar de uma prova (100 livres) que está longe de ser uma especialidade da jovem fundista, mas Katie Ledecky é uma nadadora tão estratosférica que fez o percurso mais rápido da estafeta dos EUA (na qual nadou a campeã olímpica da prova individual).

As comparações – dentro e fora da modalidade – são inevitáveis (e igualmente honrosas). Ledecky é a natural herdeira dinástica do trono deixado livre por Michael Phelps, surge na mesma altura de outro fenómeno do desporto mundial: Simone Biles (que nasceu apenas 3 dias antes de Katie) e o seu percurso tem bastante similitudes com o de Janet Evans, para muitas a melhor fundista de todos os tempos – leia-se: todos os tempos pré-Ledecky – e cujos recordes mundiais dos 400, 800 e 1500 metros livres demoraram quase 20 anos a serem batidos.

O percurso da norte-americana é notável, mas como qualquer jovem de 20 anos, o melhor está para vir e, logo após ter sido a atleta feminina mais medalhada do Rio de Janeiro, Ledecky tem abordado outras provas, como os 400 metros estilos…será que ainda vamos ver Katie a desafiar Katinka Hosszu no seu habitat natural? Seria, sem dúvida, o duelo do século.

Enquanto isso não acontece, cante connosco os parabéns à nadadora mais dominante da História da natação, relembrando a sua fantástica carreira:

//cdn.playbuzz.com/widget/feed.js


2 comments

  • João Bastos

    Março 18, 2017 at 1:54 pm

    É isso mesmo, Pedro. Aos 20 anos, o melhor é deixar mais espaço na cronologia para o que aí vem do que para o que passou.
    A forma categórica com que ela, agora, ganha as “suas” provas (400, 800 e 1500 metros livres) tornam desmotivante continuar a fazê-lo para o resto da sua carreira. Por isso, acho que podemos esperar uma Ledecky à procura de novos desafios.
    Aos 200 livres já é campeã olímpica. Deverá seguir-se os 100…e depois logo se vê.

    Ela é tão extraordinária que hoje está a ser notícia o facto de ter ganho a prova de 200 livres da 1ª divisão do Nacional Universitário…empatada com outra nadadora (claro que a notícia é a outra nadadora: Mallory Comerford, uma ilustre desconhecida que fez o 5º melhor tempo de sempre nessa prova).

    Obrigado pelo comentário 🙂

    Reply

  • Pedro Nunes

    Março 18, 2017 at 11:52 am

    Uma sorte para a nossa geração poder acompanhar estas histórias de sucesso.

    Mais um caso em que dizer-lhe que tem talento para isto é quase insultuoso para ela. Começou mais cedo, tentou sempre acompanhar a competição três níveis acima, e tem – de longe – mais horas de braçadas do que a concorrência. Depois disso, os resultados acabaram por surgir quase naturalmente.

    Excelente cronologia, cheia de curiosidades muito interessantes, João!

    Reply

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter