14 Dez, 2017

De record em record até à Victoria final

João BastosAbril 12, 20176min0

De record em record até à Victoria final

João BastosAbril 12, 20176min0

De 8 a 11 de Abril a selecção portuguesa e vários outros nadadores nacionais participaram no Open de Espanha. De entre os 7 recordes e 10 pódios que poderiam ser destacados, houve um nome que brilhou mais alto: o de Victoria Kaminskaya

A selecção portuguesa absoluta, composta por 5 nadadores, competiu no Open de Espanha, em Pontevedra.

Da equipa lusa fizeram parte Diogo Carvalho, Gabriel Lopes, Guilherme Pina, Tamila Holub e Victoria Kaminskaya, esta última que viria a ser a cabeça de cartaz entre os destaques da comitiva portuguesa ao estabelecer três novos recordes absolutos.

O primeiro veio nos 400 metros estilos (e é este que motiva esta análise) com o fantástico tempo de 4:40.11, o segundo no dia seguinte, aos 200 metros estilos com 2:13.87 e o terceiro ao “cair do pano” do Open de Espanha, nos 200 metros bruços com 2:27.70, melhorando os 2:28.92 que tinha estabelecido há pouco mais de uma semana em Coimbra.

Directo ao top mundial

Os três tempos foram de enorme valia, mas a marca obtida nos 400 estilos é verdadeiramente de topo mundial, basta ver que faz dela a 12ª melhor do mundo, actualmente:

12 melhores marcas do ano aos 400 estilos | Fonte: FINA

Tendo em conta a grande competição do ano (Campeonatos do Mundo), a posição relativa de Kaminskaya até é melhor, uma vez que tem quatro canadianas à sua frente e no mundial só poderão participar duas, o que, para já, coloca Victoria num virtual 10º lugar de entrada para o mundial.

Importa referir que ainda faltam disputar vários “trials” para os campeonatos do mundo, como é o caso do americano que acontecerá em Indianapolis de 27 de Junho a 1 de Julho, apenas 22 dias antes do início das provas de natação pura em Budapeste (para o Rio fizeram a experiência de fazer a selectiva “em cima” dos JO e não se deram mal com isso). Mas este fim-de-semana já muita da elite mundial competiu ao mais alto nível, como é o caso dos australianos (onde a vencedora dos 400 estilos marcou 4:41.46) ou dos canadianos, onde três nadadoras fizeram melhor que o tempo de Kaminskaya aos 400 estilos – nada que apanhe de surpresa os leitores do Fair Play.

3 meses promissores

Mais importante do que o tempo que agora marcou, é observar o que já fez este ano. É que em 2017, a nível internacional, competiu duas vezes e no conjunto dessas duas vezes só ficou atrás de duas nadadoras, umas raparigas que respondem pelo nome de Katinka Hosszu e de Mireia Belmonte.

Em Janeiro, durante a Flandres Speedo Cup, Victoria estabeleceu um novo record nacional com o tempo de 4:42.39, sendo prata atrás da Dama de Ferro que marcou 4:40.61.

Nessa ocasião os parciais da portuguesa foram:

  • Mariposa: 1:04.43
  • Costas: 1:12.43
  • Bruços: 1:18.17
  • Crawl: 1:07.36

Menos de três meses volvidos, Victoria volta a estabelecer novo máximo nacional (o sexto da sua carreira aos 400 estilos em piscina longa) no tempo de 4:40.11, sendo superada por Mireia Belmonte que fez a melhor marca mundial do ano, com 4:35.01.

Pódio dos 400 estilos no Open de Espanha. | Foto: FPN

Desta vez os parciais foram:

  • Mariposa: 1:03.95
  • Costas: 1:12.05
  • Bruços: 1:17.64
  • Crawl: 1:06.47

Olhando apenas para estas duas provas, há duas notas a destacar: a primeira é que Victoria se transcende quando encontra adversárias de outro nível competitivo. Não é preciso desenvolver muito para afirmar que Katinka Hosszu e Mireia Belmonte são, actualmente, as nadadoras mais versáteis e competitivas do mundo. A segunda nota é que a progressão de Janeiro para Abril foi sustentada na melhoria em todos os percursos, o que indica uma grande solidez na preparação de Kaminskaya rumo ao objectivo da época.

10 segundos em 4 anos

Solidez tem sido mesmo a palavra chave da progressão do record nacional dos 400 metros estilos, desde que Kaminskaya tomou conta dele a 26 de Maio de 2013. Há menos de 4 anos tornou-se na primeira portuguesa a nadar a prova abaixo dos 4 minutos e 50 segundos e está agora prestes a ser a pioneira no inóspito terreno dos 4’30:

Fonte: FPN

Recordando este artigo escrito em 22 de Fevereiro, o record nacional dos 400 estilos era o segundo que mais se aproximava do record do mundo, no sector feminino, valendo 94,33% do mesmo. Com os 4:40.11, passou a ser o record nacional feminino de melhor valia, comparativamente ao record do mundo. O tempo de Kaminskaya equivale a 95% do tempo de Hosszu de 4:26.36.

Neste mês e meio de intervalo entre os dois artigos, a nadadora do Estrelas de São João de Brito fez avançar dois anos o record face à progressão do record do mundo, ou seja, com o tempo estabelecido na Flandres, o record nacional português seria record mundial em 1976. O tempo de Pontevedra é melhor que o record do mundo da americana Tracy Caulkins, estabelecido em Agosto de 1978 (4:40.83).

Continuando a comparação com o nível internacional, o novo record nacional equivaleria ao 14º lugar nos últimos Campeonatos do Mundo, decorridos em Kazan 2015, competição onde Kaminskaya se classificou no 31º lugar, nessa prova. (Já nos Europeus do ano passado dava direito ao 5º lugar na final)

#RoadToBudapest

Tendo em conta que a FPN traçou, para o mundial, o objectivo de obtenção de dois lugares entre os 16 primeiros, a “estilista” portuguesa é uma forte candidata a atingir esse desígnio.

A temporada de piscina longa ainda está no prólogo, tendo em consideração o que dela ainda resta, mas a natação portuguesa já deu bons indicadores no macrociclo que agora culmina. Oito nadadores já garantiram presença em Budapeste (em Kazan estiveram cinco) e outros ainda acalentam aspirações de vir a lá estar (apesar de agora só valer nas provas em que nenhum outro tenha feito mínimo).

A expectativa para este reinício de ciclo olímpico é grande e, sem dúvida, que parte da razão se prende com os mais recentes desempenhos da nadadora orientada pelo professor Júlio Borja. A nós, cumpre-nos aguardar ansiosamente pela revelação dos próximos segredos de Victoria!

Foto: Facebook Victoria Kaminskaya


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter