19 Fev, 2018

Profecia do Borda D’Água #11: Ano de consolidação das águas abertas

João BastosJaneiro 10, 20182min0

Profecia do Borda D’Água #11: Ano de consolidação das águas abertas

João BastosJaneiro 10, 20182min0
Os primeiros dias do ano 2018 trazem o oráculo do Fair Play. O almanaque Borda D'Água adaptado à natação traz doze profecias para o ano em curso

12 dias, 12 profecias para o ano 2018. O Fair Play consulta o seu oráculo e faz 12 palpites sobre o que vai acontecer no mundo da natação no ano que agora dá início


Quisemos dedicar a 11ª profecia às águas abertas mas, ao contrário da natação pura, não conseguimos formular uma previsão concreta porque as especificidades de cada prova tornam imprevisíveis os resultados.

O que é certo é que em 2018 será ano de Campeonatos da Europa e cada vez mais a Europa se afirma como o continente mais forte do mundo nesta variante. Nos campeonatos do Mundo de Budapeste, as provas masculinas foram todas ganhas por europeus e nos 9 que subiram aos pódios das provas de 5, 10 e 25 km só um não era europeu.

Nas mulheres há maior equilíbrio. Os 5 km foram vencidos por uma americana, os 10 km por uma francesa e os 25 km por uma brasileira, mas a Europa conquistou 5 das 9 medalhas em compita no sector feminino.

Na estafeta mista, França em primeiro e Itália em terceiro com os Estados Unidos pelo meio. Ou seja, os Europeus de Glasgow serão sempre uma competição de alto nível.

Mas já há dois anos em Hoorn o eram e isso não impediu Angélica André de se classificar brilhantemente no 5º lugar dos 10 km, logo a seguir à nadadora que um mês depois se tornaria campeã olímpica nessa mesma distância, a holandesa Sharon van Rowendaal.

Em piscina Angélica está a fazer o melhor arranque de temporada da sua carreira e vai, com certeza, classificar-se no top-10 de alguma prova internacional em 2018. Difícil é apontar os Europeus como essa prova (é difícil fazê-lo para qualquer nadador europeu), fácil é afirmar que será uma época onde a nadadora do Fluvial Portuense vai continuar a sua afirmação entre a elite mundial.

Quanto a Vânia Neves, é uma nadadora que consegue estar no seu melhor nas alturas certas, como mostrou no apuramento olímpico para o Rio (assim como noutras ocasiões). Também não lhe é inacessível o top-10 nos Europeus, mas em 2018 pode cumprir o desejo que persegue há algum tempo de nadar a prova dos 25 km.

No sector masculino as competições internas prevêem-se muito renhidas (à semelhança do que aconteceu em 2017). Rafael Gil tem sido o melhor nadador de águas abertas (sobretudo na prova de 10 km), mas candidatos para desafiar o seu domínio não faltam: Alexandre Coutinho, Diogo Marques, José Carvalho e Tiago Campos deverão protagonizar provas muito interessantes de seguir e deste lote de cinco vamos ver quantos irão estar no Europeu de Glasgow.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter