25 Set, 2017

A festa dos clubes – 1ª divisão

João BastosDezembro 20, 201612min1

A festa dos clubes – 1ª divisão

João BastosDezembro 20, 201612min1

Os Campeonatos Nacionais da 1ª e 2ª divisão tiveram lugar a 17 e 18 de Dezembro na piscina olímpica da Póvoa de Varzim. O filme da 1ª divisão masculina foi um remake das últimas 5 edições. Já na feminina, o filme foi inédito

1ª Divisão Masculina

Ao contrário da 2ª divisão, começamos a análise pelo sector masculino, onde o Sporting venceu pela 6ª vez consecutiva.

Apesar de ter sido a vantagem pontualmente mais folgada, o rival Benfica ainda “bateu o pé” numa fase inicial da competição.

Sporting é hexa!

Foto: Luís Filipe Nunes

A equipa masculina do Sporting ascendeu à primeira divisão em 2010 e, a partir daí, nunca conheceu outro lugar que não o primeiro.

São seis anos a vencer, de uma geração que marcará indelevelmente a História da natação verde e branca.

Dos seis títulos, este foi aquele conquistado com maior margem, das 19 provas venceu 12. Conquistou 89% dos pontos em discussão e apenas ficou de fora do top 3 em uma prova.

O reforço Francisco Santos esteve em evidência ao vencer as três provas de costas. O internacional por Moçambique, Igor Mogne, também venceu as suas três provas (50, 100 livres e 50 mariposa).

Alexis Santos venceu os 200 livres e os 200 estilos, mas foi superado por Miguel Nascimento nos 100 mariposa.

Guilherme Pina venceu os 1500 livres e João Vital os 400 estilos, juntando o segundo lugar aos 200 mariposa.

Guilherme Dias, António Mendes e Miguel Cruchinho ficaram cada um com um terceiro lugar.

Nas estafetas, a turma de Alvalade venceu os 4×200 livres (onde participaram Mário Bonança e Pedro Pinotes) e os 4×100 estilos. Nos 4×100 livres ficou no 2º posto.

O Sporting totalizou 152 pontos.

Houve derby

Foto: FPN

Após a subida da época transacta, o Benfica veio disputar o título da primeira divisão com o rival Sporting.

Os reforços Miguel Nascimento e Rafael Gil vieram dar argumentos a uma equipa já bastante apetrechada.

Nascimento “levou” as provas dos 100 e 200 mariposa, e ficou no segundo lugar nos 200 estilos. Gil venceu os 400 livres, ficou com o segundo lugar nos 1500 livres e com o terceiro nos 400 estilos.

O brucista Guilherme Teixeira chegou em primeiro na prova dos 50 bruços e em terceiro nos 100 bruços.

O Benfica teve um bom desempenho nas provas de 50 metros: ficou em segundo nos 50 livres por João Santos e nos 50 mariposa por Luiz Pereira e em terceiro nos 50 costas, também por Luiz Pereira.

Nas estafetas, o SLB venceu a que o Sporting ficou em segundo (4×100 livres) e ficou em segundo nas que o Sporting venceu (4×200 livres e 4×100 estilos).

A equipa da Luz totalizou 126 pontos.

Nadaram ainda João Correia, Martim Alves e André Farinha.

Novos galácticos conservam o pódio

O Estrelas de São João de Brito tem sido o principal “challenger” do Sporting nos últimos dois anos, perdendo o título por apenas 4 e 5 pontos, respectivamente nas últimas duas edições dos CNC da 1ª divisão.

Este ano, o ESJB teve de se reestruturar com o final de carreira de Pedro Oliveira, as saídas de Miguel Nascimento e Artiom Poliakov e com as entradas de Frederico Riachos e António Carriço.

E os reforços deram boa conta de si. Carriço venceu os 100 bruços e ficou em 2º nos 200 bruços. Riachos ficou em terceiro nos 50 livres.

De entre os “veteranos” foi Diogo Sousa a destacar-se com o 2º lugar dos 50 costas e o 3º dos 100 costas.

A estafeta de 4×100 estilos composta por Diogo Sousa, António Carriço, João Gigante e Frederico Riachos ficou com o terceiro lugar.

Nadaram também pelos Estrelas os nadadores Hugo Ribeiro, Jaime Correia e Nuno Martins.

Manutenção de diferentes perspectivas

Para os menos familiarizados com o formato da 1ª divisão, participam 8 clubes. Uma vez que os dois últimos descem de divisão e que já falamos da carreira dos três primeiros, no capítulo da manutenção vamos falar dos três clubes restantes: Náutico de Coimbra (CNAC), União Piedense e Futebol Clube do Porto.

O CNAC teve uns campeonatos bastante tranquilos. Sob a batuta de Tomás Veloso e Mário Pereira, a orquestra do Prof. Marques Pereira tocou afinada para o 4º lugar final com 75 pontos.

A União Piedense foi a equipa mais regular em prova (excluindo o Sporting) classificando-se em mais de metade das provas entre o 4º e o 7º lugar, acabando no 5º lugar final com 72 pontos.

O FCPorto passou por uns calafrios que, provavelmente, não contava passar. A única equipa masculina que participou em todas as edições destes campeonatos, esteve até à penúltima prova abaixo da linha de água mas “salvou-se no gongo”, ficando no 6º lugar com 68 pontos.

Famalicão e Monte Maior descem à 2ª

O Colégio de Monte Maior e o GDNVNFamalicão não conseguiram a permanência no escalão maior da natação portuguesa.

Noutros tempos, uma equipa com Luís Vaz, Adriano Niz e Jorge Maia seria candidata ao título, mas só Niz nadou próximo do que tem feito nesta sua fase da carreira. O Famalicão ficou em 8º e último lugar com 60 pontos.

Já o CIMM lutou “taco a taco” com o FCP pela permanência na 1ª divisão, mas acabou por não resistir à ponta final mais forte dos portistas. Foi 7º com 65 pontos.

Recordes dos campeonatos

O FairPlay fez o levantamento das melhores marcas de sempre feitas nos CNC da 1ª divisão. Convém esclarecer vários pontos:

  • O formato de nacionais em piscina olímpica disputava-se até 2003 e depois só voltou em 2014, sendo que durante 11 anos foram nadados em piscina curta;
  • A análise ficou limitada aos anos posteriores a 2002, uma vez que não estão disponibilizados resultados anteriores;
  • Em 2015 foram disputados dois campeonatos: em Abril, em Oeiras, relativo à época 2014/2015 e em Dezembro em Coimbra, respeitante à época 2015/2016.

Fonte: FairPlay

* Tempo feito na abertura da estafeta 4×100 estilos

Em termos de marcas, este não foi a edição mais profícua.

Registou-se apenas um novo máximo por Guilherme Pina (SCP) nos 1500 livres, apagando o tempo do seu, agora, colega João Vital do ano passado.

É de salientar a presença de dois recordes que datam do ano de 2003 de Pedro Silva (SAD) aos 50 livres e Simão Morgado (CNA) aos 100 mariposa. Tendo em conta a brutal evolução que a natação tem sofrido é notável que estes dois recordes se mantenham há 11 anos, revelador da grande valia dos dois nadadores.

1ª Divisão Feminina

Quebrou-se a invencibilidade de uma das equipas mais vitoriosas do desporto nacional. O FCPorto ia tentar chegar aos 9 títulos consecutivos, 17 no total da sua História, mas foi a equipa do Algés que levou o ceptro

O fim de uma era. O início de outra?

Foto: Luís Filipe Nunes

O Sport Algés e Dafundo já venceu a 1ª divisão feminina em três ocasiões. Mas a última foi há 21 anos, com uma equipa que contava com Ana Barros e Petra Chaves (duas das melhores costistas de sempre da natação nacional). Por sinal, o SAD volta a ser campeão com outro naipe de excelentes executantes de costas.

O FairPlay avisou que as algesinas iam ameaçar a hegemonia do FCP e assim foi. 143 pontos (24 a mais que as portistas) deram o título às senhoras do Algés.

Rita Frischknecht e Raquel Pereira confirmaram as excelentes indicações que já tinham dado uma semana antes, nos Campeonatos Nacionais de Juniores e Seniores e venceram três provas, cada uma.

Rita venceu os 100 e 200 livres e os 200 costas. Raquel venceu os 100 e 200 bruços e 200 estilos (nos 100 bruços e 200 estilos com recordes dos campeonatos). As irmãs Azevedo também conseguiram uma vitória cada: Francisca nos 200 costas e Madalena nos 400 estilos.

As algesinas ainda venceram as 3 estafetas (todas compostas pelas 4 nadadoras já referidas).

Bárbara Barata ainda juntou um 2º lugar nos 50 bruços e um 3º nos 200 mariposa e a mais nova das Azevedo, Rafaela Azevedo, foi 3ª nos 50 costas.

Octocampeãs não resistiram às perdas

Foto: Luís Filipe Nunes

O FCP partia para estes campeonatos com as ambições intactas, mas com um forte revés: Diana Durães mudou-se para o Benfica, Adriana Castro para o Aquático Pacense e Marta Abreu não nadou este ano.

Ainda assim, as portistas contavam com a “eterna” Sara Oliveira, que continua a ser intocável nos 50 e 100 mariposa (conheceu pela primeira vez numa prova nacional o sabor do 4º lugar nos 200 mariposa).

Paula Oliveira também esteve em destaque ao vencer os 50 bruços, sendo segunda nos 100 e 200 bruços. Maria Teresa Amorim já tinha tido uns nacionais de piscina curta muito positivos e voltou a estar bem, vencendo os 400 livres e ficando em 2º lugar nos 200 e 800 livres.

Rosa Oliveira foi 3ª nos 50 livres e Ana Rita Faria nos 100. Nas estafetas de 100 metros o FCP foi 2º, enquanto na de 200 foi 3º.

Nadaram ainda as juniores Maria Cabral e Isabel Pego e as juvenis Mariana Barbosa e Ana Rita Ramos.

O FCP é, assim, vice-campeão com 119 pontos.

No pódio com o 2º lugar à vista

Durante a competição, mais do que disputar o título com o Algés, o FCPorto teve de se preocupar com a oposição do Sporting que ficou no lugar mais baixo do pódio mas com uma diferença de apenas 5 pontos (114).

Com o título masculino e o pódio feminino, o Sporting teve uns campeonatos perto da perfeição.

Beatriz Ranito (nos 800 livres) e Carolina Guedes (nos 200 mariposa) deram as únicas vitórias ao Sporting, que teve muitos lugares no top-3.

Beatriz ainda fez 2º lugar nos 400 livres, e a sua irmã Raquel, 3º nos 400 estilos.

Inês Fernandes, outra nadadora que esteve em destaque nos nacionais de curta, foi 2ª classificada nas suas três provas – 50 e 100 costas e 100 mariposa. Mafalda Beleza foi 3ª nos 200 livres, assim como Sofia Dionísio nos 50 e 100 bruços.

Nas estafetas, o Sporting fez #2 (4×200 livres) e #3 (4×100 livres e 4×100 estilos).

Nadaram também pelas sportinguistas: Maria Belo e Maria Monge.

De Tavira a Vila Real, passando pela Cova da Piedade

O Tavira Natação Clube estreou-se na 1ª divisão e deu muito boa conta de si! O objectivo era a manutenção, mas essa nunca esteve em causa. A recordista nacional Beatriz Viegas e a italiana Giulia D’Innocenzo lideraram a equipa até ao 4º lugar com 83 pontos.

A equipa feminina da SFUAP já foi muitas vezes apontada à descida, mas já que as previsões nunca se concretizaram, ninguém arrisca apostar contra ela.

À semelhança do naipe masculino, as nadadoras da União Piedense obtiveram classificações muito homogéneas e imitaram os homens ficando no 5º lugar final, com 69 pontos.

O Ginásio Clube de Vila Real, liderado pelas recordistas nacionais Ana Leite e Ana Guedes (mas este ano sem Joana Pinto), teve um campeonato com altos e baixos em termos de classificações. O que importa é o 6º lugar final, com 65 pontos.

EDV e Galitos irão competir na 2ª

À Escola Desportiva de Viana calhou o cenário mais desolador de todas as equipas presentes nos CNC da 1ª e 2ª divisão: descer da 1ª para a 2ª divisão por apenas um ponto é duro golpe. 7º lugar e 64 pontos para a equipa de Viana do Castelo.

A equipa do Galitos de Aveiro segue a equipa da EDV para a 2ª divisão, um ano depois de ter ascendido ao escalão máximo. Quedou-se pelo oitavo lugar com 45 pontos.

Recordes dos campeonatos

Fonte: FairPlay

Raquel Pereira foi a única a inscrever o seu nome na lista de melhores marcas, este ano. A júnior do Algés melhorou o record dos campeonatos aos 100 bruços e 200 estilos.

Assim como em masculinos, esta esteve longe de ser a edição mais forte ao nível das marcas obtidas. Nesse capítulo, claro destaque para a edição da época 2014/2015 em Oeiras.

No sector feminino, só o record de Ana Rita Santos (CFB) perdura há mais de 13 anos.

Veja também a análise à 2ª divisão.


One comment

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter