21 Ago, 2017

MotoGP – a maior competição mundial de motociclismo

João DuarteMaio 11, 20178min0

MotoGP – a maior competição mundial de motociclismo

João DuarteMaio 11, 20178min0

O mundial de motociclismo de 2017, MotoGP, teve início no final de Março e conta já com quatro etapas do circuito realizadas. Para além das novidades de entradas, saídas e alguns regressos de pilotos às várias equipas, há também novos candidatos aos títulos nas três categorias do mundial.

Moto3

A classe mais baixa de motogp está até ao momento a ser dominada por Joan Mir, Romano Fenati, Jorge Martin, John Mcphee e Aron Canet, que ocupam o top-5 da classificação geral da classe e entre os quais estão os vencedores destas quatro etapas já realizadas.

Joan Mir

O espanhol de 19 anos, que corre pela Leopard Racing é atualmente o líder da classificação geral e um dos principais candidatos ao título de moto3 deste ano.

Estreou-se em 2015 no GP da Austrália como “wildcard” e passou a integrar o campeonato a tempo inteiro em 2016 na sua atual equipa, tendo terminado em 5º lugar, fruto dos três pódios conquistados, deixando grandes expetativas em relação ao seu segundo ano de moto3.

Expetativas essas que não foram desfeitas, contando já com duas vitórias e um terceiro lugar.

Romano Fenati

O italiano de 21 anos, começa a sua sexta temporada de moto3 com uma nova equipa, desta vez a representar a Marinelli Rivacold Snipers, depois de no ano passado ter terminado a sua campanha com a Sky Racing Team VR46 na nona etapa realizada.

Tem um quarto lugar na classificação geral, conseguido em 2015, como melhor marca pessoal e conta já com uma vitória e um segundo lugar esta época, o que lhe dá para já o segundo lugar na classificação.

Jorge Martin

O espanhol, a realizar a sua terceira temporada, este ano com uma nova equipa, a Del Conca GresiniMoto3, está a começar bem a época tendo conquistado já dois terceiros e um segundo lugares, que o colocam na terceira posição do campeonato.

John Mcphee

O inglês teve duas breves passagens pelo mundial em 2010 e 2011, quando a classe mais baixa ainda se denominava 125cc.

Em 2012, já como moto3, realizou oito etapas, nunca se tendo conseguido destacar.

Esta época é a sua quinta a tempo inteiro no campeonato, integrando agora o projeto da nova equipa British Talent Team, com a qual já conquistou dois segundos lugares.

Aron Canet

O espanhol é o mais novo dos cinco corredores do top-5, sendo neste momento o quinto classificado.

O corredor parece não ter medo da concorrência apesar da sua juventude e da sua inexperiência, tendo conquistado a vitória na última etapa no Circuito de Jerez.

Joan Mir takes the lead of the championship! (Foto: MCNews)

Moto2

A classe intermédia do motogp está ainda mais competitiva e mais atrativa, os fabricantes e as equipas apostam cada vez mais nesta classe, tanto em testes pré-temporada, como em condições para os seus pilotos.

Até ao momento destacam-se quatro pilotos, Franco Morbidelli, que o ano passado já tinha dado boas indicações, o experiente Thomas Luthi, o português sensação Miguel Oliveira e o espanhol Alex Marquez. Para além destes há ainda outros potenciais vencedores, como é o caso de Takaaki Nakagami.

Franco Morbidelli

O italiano manteve-se na Estrella Galicia 0,0 Marc VDS, com a qual o ano passado conquistou o quarto lugar do campeonato e este conseguiu vencer três das quatro etapas, não tendo acabado esta última em Jerez devido a queda na nona volta da corrida.

É primeiro na classificação geral e o principal candidato à vitória final.

Thomas Luthi

O experiente piloto suíço que está a realizar a sua décima época na classe intermédia é também um dos candidatos ao título do campeonato, estando na segunda posição.

Aos comandos de uma Kalex, pela equipa CarXpert Interwetten conseguiu um terceiro e dois segundos lugares.

Alex Marquez

O irmão mais novo de Marc Marquez seguiu as pisadas do irmão. Foi campeão de moto3 em 2014 e realiza agora a sua terceira época em moto2. Apesar de não se ter afirmado em 2016, a Estrella Galicia 0,0 Marc VDS decidiu apostar nele novamente e parece que está a dar frutos.

Atualmente é o quarto classificado do campeonato com uma vitória conseguida na última etapa em Jerez, conseguido por infortúnio das quedas dos pilotos concorrentes.

Miguel Oliveira

O melhor piloto português de motociclismo de todos os tempos e considerado uma das maiores promessas do futuro do motogp.

Entrou para o mundial de motociclismo em 2011, onde na categoria de 125cc realizou apenas onze etapas e conseguiu a 14ª posição depois de alguns problemas com a sua equipa. Realizou quatro temporadas em moto3, onde em 2015, aos comandos da KTM da equipa Red Bull KTM Ajo, conseguiu finalizar o campeonato em segundo lugar com seis vitórias e três segundos lugares, tendo ficado a apenas 6 pontos do vencedor do campeonato, Danny Kent.

Mudou-se o ano passado para a moto2 em representação da Leopard Racing, onde conseguiu apenas o 21º lugar no campeonato naquele que foi o seu ano de adaptação.

Este ano, voltou para a equipa de Aki Ajo, a Red Bull KTM Ajo, tendo conseguido um segundo e um terceiro lugares, que lhe dão a terceira posição no campeonato.

Pelo seu talento, capacidade de trabalho e persistência, espera-se uma grande época e quem sabe, a vitória final do campeonato para Miguel Oliveira.

The national hope, Miguel Oliveira! (Foto: Autoportal)

MotoGP

Se nas duas classes mais baixas a competitividade é alta e a luta pela liderança do campeonato é aguerrida, então o que dizer da classe mais alta, ou não fosse esta a mais importante.

Na liderança do campeonato está Valentino “the doctor” Rossi, considerado um dos maiores pilotos de motociclismo de todos os tempos, com 9 títulos conquistados, seis na classe MotoGP, uma nos 500cc, uma nos 250cc e uma nos 125cc.

Esta temporada conta já com dois segundos e um terceiro lugares.

Na segunda posição está Maverick Viñales que se mudou da Team Suzuki Ecstar para este ano representar a Movistar Yamaha MotoGP em substituição de Jorge Lorenzo que representa agora a Ducati Team.

Viñales venceu as duas primeiras etapas do circuito e acabou na sexta posição em Jerez, tendo sofrido uma queda no Grand Prix das Americas em Austin, não permitindo que continuasse a liderar o campeonato. Apesar disso, é um dos principais candidatos a retirar a destronar Marc Marquez.

Marc Marquez é o atual campeão de MotoGP e terceiro lugar no campeonato, depois de começar com um quarto lugar no Qatar, uma queda que não o permitiu pontuar na Argentina, a vitória no GP das Américas e o segundo lugar em Jerez, estando a apenas 4 pontos de Rossi, com a promessa de que irá defender até ao fim o seu título.

A fechar o top-4 está Dani Pedrosa, que continua a fazer equipa com Marc Marquez na Repsol Honda Team, tendo conseguido a vitória em Jerez e o terceiro lugar em Austin no GP das Américas.

Pedrosa nunca conseguiu vencer o campeonato na classe mais alta do MotoGP, mas conta já com três segundos lugares e três terceiros lugares no seu currículo, sendo sempre considerado um forte concorrente e candidato ao título.

Follow the leader Valentino “The Doctor” Rossi (Foto: Sport Rider Magazine)

Grand Prix de França – Le Mans

A próxima etapa começa dia 19 de Maio com os treinos livres das três categorias.

O campeonato está ao rubro e os portugueses têm um motivo extra para acompanhar a etapa. Se a acesa luta pelo título nas três classes não é suficiente, o apoio ao piloto português, Miguel Oliveira, não deixa dúvidas da razão pela qual o devemos acompanhar e apoiar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter