19 Ago, 2017

Lobos garantem vitória frente aos Hussardos

Francisco IsaacFevereiro 19, 20177min0

Lobos garantem vitória frente aos Hussardos

Francisco IsaacFevereiro 19, 20177min0

Portugal realiza um bom jogo colectivo e soma a 4ª vitória (oficial) desde da entrada de Martim Aguiar. O Fair Play analisa quatro aspectos do jogo frente à Polónia

Portugal está a um ponto da liderança na Taça Trophy (correspondente à 3ª divisão do rugby europeu), com uma nova vitória “gorda” frente a uma Polónia algo articulada mas sem “voz” para impor uma derrota à Alcateia. No fim-de-semana de 4 de Março segue-se uma viagem até à Holanda, mas para já o Fair Play observa quatro pontos da vitória por 35-10

O ENSAIO: APPLETON DE MOTA E PICÃO COM FERRÃO

Entre os vários ensaios que foram marcados no Jamor, destacamos um que foi recheado de impulsão física, inteligência, leitura de jogo e “magia”: o ensaio de Manuel Picão. Portugal tinha acabado de converter o seu 1º ensaio, esperando-se uma resposta polaca a esta ousadia… pontapé de início para o meio dos avançados, com Francisco P. Magalhães a gerir bem a bola.

Numa abertura rápida para Nuno Costa, o abertura encontrou Tomás Appleton (recordem a nossa entrevista com o centro: goo.gl/C5iwm2) à espera da oval… no segundo que o centro do CDUL a recebeu foi uma quebra de linha que pôs toda a Polónia a correr atrás do prejuízo.

Portugal bem no apoio (surgiram quatro unidades em redor do centro), permitiu a Appleton entregar a bola a Magalhães que por sua vez devolveu a Medeiros, com o 1ª linha a bater bem o pé e a obrigar a defesa polaca a reunir-se em seu redor.

Com muita calma e paciência o eixo-CDUL de Magalhães e Costa voltou a surgir, conseguindo fazer a bola chegar a Adérito Esteves que, num passe genial, assiste Manuel Picão para o ensaio de estreia do jogador da Académica que só conta com 19 anos.

Um ensaio construído em duas fases, 6 passes e duas quebras de linha que permitiram Portugal cavar uma distância importante frente a uma Polónia que até tinha começado com o “pé direito”.

Vale a pena reverem o ensaio, principalmente pela tomada de decisão de Appleton (os centros da Polónia simultaneamente deram espaço, abrindo um canal, apresentando uma postura fraca para defender) e a capacidade de apoio que teve toda a corrida dos jogadores portugueses. Uma situação a reter e a repetir!

Picão para a estreia (Foto: Filipe Monte Fotografia)

O PONTO POSITIVO: A FORMAÇÃO ORDENADA DA ALCATEIA IMPÕE O FÍSICO

Quando Portugal defronta selecções do leste europeu, uma das nossas dificuldades gritantes é apresentar uma formação ordenada forte o suficiente para aguentar com o 1º embate, assim como o momento de empurrar.

Bruno Medeiros sentiu, em 2015 e 2016, a força e explosão de russos, romenos e georgianos, quebrando na altura (ele e toda a avançada) perante essa situação. Porém, no jogo com a Polónia tudo foi diferente… houve um Portugal dominador nas formações ordenadas (e com quase mais 100 kilos de diferença, com vantagem para os polacos).

Medeiros, Duarte Diniz e Francisco Bruno, aguentaram bem o primeiro embate, recebendo um excelente apoio de José Fino (boa estreia do 2ª linha do CF “Os Belenenses”) e Gonçalo Uva. Das 10 formações ordenadas que tivemos, Portugal conseguiu garantir todas as suas assim como pôr a Polónia em alerta.

No futuro (que começa já no próximo jogo com a Holanda) é fundamental ter um 5 da frente em máxima força, que consiga aguentar com a “violência” física de selecções que tratam a sua formação ordenada como uma das “jóias da coroa”.

A entrada de Francisco Domingues (traz mais mobilidade e técnica no que toca a interacção com as linhas atrasadas) não “beliscou” a capacidade de estabilidade, dando ainda destaque à entrega e capacidade de liderança de João Lino e ao poder de Rui D’Orey.

Contudo, é importante ressalvar que a experiência, estratégia e capacidade de trabalho de jogadores como Francisco Ferndandes, Mike Tadjer e Geoffrey Moise podem ainda dar outro “sabor” ao pack avançado que esteve imperial seja nas fases estáticas ou nos momentos mais dinâmicos (o 3º ensaio de Portugal tem início numa formação ordenada portuguesa, que ainda assim recuou nesse momento).

Foto: Miguel Rodrigues Fotografia

O PONTO NEGATIVO: NÃO RASGAR O GUIÃO!

Quando Portugal viu-se na frente do marcado por 21-03, entrou, por momentos, um espírito algo anárquico e de “guião rasgado”. Sim, é verdade que estava a correr bem o jogo aos lobos que encontraram o caminho para o ensaio em três momentos, não dando qualquer chance aos polacos de chegar perto da área de validação.

Todavia, o ensaio (mesmo a terminar a 1ª parte) da Polónia (aos 38′) proveio de uma insistência de erros de handling, má comunicação e controlo/gestão do jogo que têm de ser “revistos”. Não foi tanto uma generalização, mas sim mais situações isoladas, que não deixam de ser definidoras em jogos mais nivelados ou que o resultado esteja mais curto.

Falamos de uma tentativa de passes dentro dos últimos 10 metros, que a Polónia pouco depois conseguiu “virar” e, após 7 minutos, conseguiu chegar ao ensaio (sequência de piques).

Há, também, que ressalvar o espírito defensivo de Portugal nesse momento de maior “desconcentração ofensiva”, uma vez que aos 29′ a Polónia dispôs de uma formação ordenada nos últimos 5 metros… para além de não conseguirem pôr os portugueses a andar para trás, forçaram o nº8 a sair e a ser placado por dois jogadores… Portugal arrancou a bola do 3ª linha e depois desatou a sair a correr com a bola em contra-ataque mal organizado.

Em jogos mais duros, uma excelente defesa irá abrir o caminho para a vitória, porém um ataque descuidado e anárquico irá “alimentar” a equipa adversária para situações de contra-ataque.

Foto: Miguel Rodrigues Fotografia

O DESTAQUE: JAMOR DE TELA COLORIDA

Excelente ambiente no Estádio Nacional, com um regresso dos Lobos em grande seja dentro de campo ou fora dele, onde as várias escolas e clubes prestaram-se a dar a sua força à sua Selecção Nacional, numas bancadas que rodaram as 2000/3000 pessoas.

Em festividades organizadas pelas Associações Regionais de rugby, com uma participação de enorme calibre dos vários clubes portugueses, a bancada central, à hora de jogo, estava bem composta para dar “boas-vindas” a Portugal e Polónia (destacar que houve uma participação curiosa de vários adeptos polacos em Lisboa).

Sob o olhar atento, os adeptos portugueses apoiaram (satisfatoriamente) a selecção Nacional, “invadindo” no intervalo para a realização de 2 jogos entre quatro clubes de sub-10 e 12, no qual dava outra “cor” ao nosso rugby.

Faltaram os gritos de apoio, o coro de músicas e sons que normalmente acompanhavam estes jogos da Selecção. É necessário voltarmos a esse “espírito” de apoio e andarmos menos a assobiar os pontapés ou festejos da equipa polaca, que se apresentou como um adversário digno.

Não sabemos se no próximo jogo será um regresso ao EUL ou não, mas este Jamor poderia e devia ser a “casa” dos jogos da Selecção Nacional, pois representa, acima de tudo, a máxima honra de qualquer atleta português: jogar no mítico Estádio do Jamor!

Foto: Luís Cabelo Fotografia


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter