23 Out, 2017

Hóquei Clube Turquel – Aposta na continuidade

José NevesOutubro 11, 20174min0

Hóquei Clube Turquel – Aposta na continuidade

José NevesOutubro 11, 20174min0
A equipa da “Aldeia do hóquei” parte para a 6ª temporada consecutiva na primeira divisão mas desta vez com novo treinador.

O HC Turquel acabou por ter uma época menos tranquila do que habitual tendo apenas garantido a manutenção na penúltima jornada do campeonato em 2016-17. No final, um 8º lugar que passou a 9º após o caso da exclusão do Riba d’Ave HC, mas a garantia de mais uma presença na Taça CERS, a 5ª consecutiva para o clube do conselho de Alcobaça.

Nas restantes provas o HC Turquel foi vítima da regra, entretanto abolida, do golo de ouro. Na Taça CERS com a eliminação perante os italianos do Sarzana nos quartos de final e após dois empates no tempo regulamentar, foram derrotados no prolongamento sofrendo um golo de livre directo. Para trás haviam ficado as equipas alemãs do Germania Herringen e do RESG Walsum.

Apenas uma semana volvida do desgosto por terras italianas, desta vez para a Taça de Portugal e perante o seu público, forçaram o favorito SL Benfica a tempo extra, depois de um empate a três bolas. Mas mais uma vez viriam a cair sofrendo um golo de livre directo.

 

Poucas mexidas mas novo timoneiro

Para a temporada de 2017-18 a grande novidade está no banco. João Simões, homem que esteve à frente dos destinos desta equipa em 10 da últimas 11 temporadas (apenas falhou 2010-2011) e fez regressar o HC Turquel ao convívio dos grandes do hóquei em patins nacional, faz uma paragem na sua carreira de técnico e passa o testemunho para Jorge Godinho, que na temporada passada orientou SL Benfica “B” e CD Paço de Arcos.

No que ao plantel diz respeito apenas uma troca a registar, a saída de Xanoca,  que nas últimas duas temporadas jogou no Turquel por empréstimo do SL Benfica. O jogador desvincula-se dos encarnados e ruma a Tomar.

Para o seu lugar chega o experiente André Moreira, proveniente da recém despromovida Candelária. O avançado internacional português, que em Turquel reencontra André Pimenta que com ele venceu a Taça CERS com a camisola do Sporting CP em 2014-15, vem dar à equipa alvinegra mais experiência e maturidade mas também mais faro de golo, avançado que se movimenta na área próxima à baliza como poucos, promete não dar descanso aos guarda-redes adversários.

Com um plantel equilibrado Jorge Godinho conta, para além do reforço André Moreira, com Marco Barros, um guardião experiente que parte para a sétima temporada em Turquel; com o capitão e homem golo da equipa Vasco Luís, melhor marcador dos alvinegros em todas as temporadas desde o seu regresso à primeira divisão; com os tecnicistas e irreverentes Luís Silva e Janeka que trazem criatividade e imprevisibilidade à equipa; e com um trio de jogadores de cariz mais defensivo Daniel Matias, André Pimenta e Pedro Vaz, que dão equilíbrio em pista e trazem maior segurança e estabilidade.

Fazem ainda parte do plantel Samuel Santos e Tiago Mateus, o primeiro é um guarda redes da casa que é habitualmente suplente de Barros, o segundo é uma jovem promessa ainda com idade de júnior mas que parte já para a terceira época no plantel principal.

André Moreira é o único reforço do plantel turquelense (fonte: facebook HC Turquel/ Carmo Honório)

Vamos ter um HC Turquel competente como já nos habitou e que fará do seu pavilhão e do “6º jogador” uma das suas principais armas, contando com uma das massas adeptas mais fiéis do hóquei nacional, o pavilhão de Turquel, independentemente do adversário, apresenta-se sempre muito bem composto no apoio aos seus jogadores, o que dificulta a tarefa de qualquer equipa que visite a “aldeia do hóquei”. Com um plantel que na sua maioria joga junto à algumas épocas, espera-se que o Turquel continue a apresentar um hóquei de qualidade, e que consiga alcançar a manutenção no primeiro escalão.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter