20 Out, 2017

Giro d’Italia: Alegria colombiana no adeus à Sardenha – Parte 1

Davide NevesMaio 8, 20174min0

Giro d’Italia: Alegria colombiana no adeus à Sardenha – Parte 1

Davide NevesMaio 8, 20174min0

Decorridos as primeiras etapas da 100ª Edição do Giro d’Italia, o Fair Play faz, em todos os dias de descanso da prova, uma análise a tudo o que tem acontecido. E aconteceu muita coisa.

Fernando Gavíria (Quick-Step Floors) é o líder do Giro, finalizada a passagem pela maravilhosa ilha da Sardenha. O colombiano fez história, ao tornar-se o colombiano mais novo de sempre a vencer uma etapa nas três grandes voltas (Giro, Tour e Vuelta). E foi no dia de ontem que aconteceu algo de interessante, e de uma inteligência e audacidade incrível por parte da Quick-Step. E este momento pode traduzir-se num certo nome luxemburguês, que irá ter o seu destaque mais à frente.

Etapa 1

Lukas Postleberger vence a primeira etapa.
Foto: Tim de Waele | TDWsport.com

Dia de festa em Itália, com alguma saudade pelo meio, com Michele Scarponi a ser muito saudado e lembrado. Num dia normal, a vitória foi inesperada, com Lukas  Pöstlberger (Bora-Hansgrohe) a vencer, quando a sua intenção era colocar o seu sprinter em condições de disputar a etapa. Mas o ciclismo também tem as suas improbabilidades. O austríaco teve, assim, o melhor momento da sua carreira, ao vestir a camisola rosa por um dia. Sim, porque a icónica “maglia rosa” ainda não parou de mudar de corpo para corpo… E amanhã, certamente, mudará outra vez.

Etapa 2

Greipel não podia sair do Giro sem uma etapa. Foto: Tim de Waele | TDWsport.com

Etapa do género da primeira, bem longa e com as primeiras dificuldades em montanha. Daniel Teklehaimanot (Team Dimension Data) arrecada pontos suficientes para manter, pelo 2º dia consecutivo, a camisola de melhor trepador. Já a vitória surgiu para o lendário André Greipel (Lotto Soudal). O alemão, com a classe de sempre, venceu e convenceu, vestindo a camisola de líder da geral pela primeira vez na sua carreira, no que toca a grandes voltas. Outros velocistas provaram estar à altura, tal como Caleb Ewan (Orica-Scott) ou Sacha Modolo (UAE Team Emirates), bem como Fernando Gavíria. Destaque também para o pequeno contratempo de Ilnur Zakarin (Katusha-Alpecin), que perdeu contacto com o pelotão, mas que conseguiu minimizar perdas.

Etapa 3

Gaviria fez história.
Foto: Tim de Waele | TDWsport.com

Com “apenas” 148 quilómetros, e em terreno plano, a etapa tinha tudo para ser calma, no adeus à Sardenha. Mas, tal como o Fair Play referiu no seu resumo diário, “e o vento a rosa levou”. O vento intenso provocou cortes no pelotão, mas não assume as culpas totais para tal acontecimento: Bob Jungels, e os restantes companheiros da equipa Quick-Step, também têm culpas no cartório. A 10 km do fim, Jungels assume o controlo do pelotão e origina a que quase todos os homens da geral e a maioria dos sprinters ficassem de fora da luta pela etapa. A vitória viria a sorrir para Gavíria, que leva a etapa e a geral para a Sicília e para o confronto no Etna. No entanto, todos os ciclistas que lutam pela geral chegaram a apenas 13 segundos de Gavíria.

Classificações

Geral:

  1. Fernando Gavíria (Quick-Step Floors) 14:45:16
  2. André Greipel (Lotto Soudal)                        0:09
  3. Lukas  Pöstlberger (Bora-Hansgrohe)         0:13

15. Rui Costa (UAE Team Emirates)                  0.23

Pontos:

  1. André Greipel (Lotto Soudal)                         81 pontos
  2. Daniel Teklehaimanot (Dimension Data)    74 pontos
  3. Fernando Gavíria (Quick-Step Floors)         72 pontos

Montanha

  1. Daniel Teklehaimanot (Dimension Data)    20 pontos
  2. Cesare Benedetti (Bora-Hansgrohe)               9 pontos
  3. Omar Fraile (Dimension Data)                        8 pontos

Equipas

  1. Quick-Step Floors  44:16:21
  2. Bora-Hansgrohe            0:23
  3. Bahrain Merida             0.26

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter