24 Out, 2017

Fórmula 1 17′: Análise aos 1ºs testes de pré-temporada

Luís PereiraMarço 7, 20177min0

Fórmula 1 17′: Análise aos 1ºs testes de pré-temporada

Luís PereiraMarço 7, 20177min0

Nesta antevisão da F1 de 2017 foi feita uma análise aos 1ºs testes de pré-temporada, testes esses que deixaram mais dúvidas do que respostas. Será que a Mercedes vai voltar a dominar? A Ferrari e a Red Bull estarão mais próximas da Mercedes? Estará a McLaren em crise?

Mercedes

Volta mais rápida: 1:19.705, Valtteri Bottas, 3º dia, Ultramacios

“Mais do mesmo” é o que terão pensado muitos fãs de F1 depois dos primeiros testes de pré-temporada. Os Campeões do Mundo voltaram a fazer um teste impressionante. Se muitos pensavam que a mudança de regras deste ano conseguiria mudar a tendência vencedora dos germânicos, podem estar enganados.

Hamilton e Bottas mostraram a enorme fiabilidade do novo monolugar da Mercedes, a completar simulações de corrida com tempos rápidos e consistentes. 2017 pode ser um ano de mudança, mas a Mercedes não parece ter ficado para trás na corrida às novas regras.

Red Bull

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:21.153, Daniel Ricciardo, 3º dia, Macios

A Red Bull é uma das favoritas para 2017. Em 2016 foi a equipa austríaca foi a que mais se aproximou da Mercedes e agora espera que Adriran Newey consiga utilizar bem a mudança de regras, como ele tão bem costuma fazer, para se chegar à frente.

Os testes não começaram sem problemas, mas nada que não se espera no 1º teste do ano. O RB13, ainda parece ser bastante “simples”, mas Adrian Newey gosta assim mesmo, de uma base sólida que depois pode desenvolver.

Ferrari

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:19.952, Sebastian Vettel, 3ºdia, Macios

Será que é desta que a Ferrari acertou? A McLaren descreveu a equipa de Maranello como a surpresa dos testes, já que a Scuderia fez tempos bastantes competitivos, comparáveis aos tempos da Mercedes, e apresentaram bastante fiabilidade, com mais de 2,000km feitos, apenas igualados pela Mercedes.

Apesar de toda a boa sensação deixada pela equipa, os italianos andam a manter um low profile, para evitar os erros do ano passado.

Force India

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:22.509, Esteban Ocon, 2º dia, Supermacios

A Force India foi uma das boas surpresas do ano passado. Este ano a equipa começou com um teste bastante discreto. A equipa apresentou-se confiante, mas silenciosa, sabendo que tem um ponto forte na unidade motriz da Mercedes e uma base segura para desenvolver. O Objetivo é melhorar o resultado do ano passado, que já foi o melhor de sempre da equipa.

Williams

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:22.076, Felipe Massa, 1º dia, Macios

A Williams teve uma sessão complicada, mas muito por culpa do seu piloto, de Lance Stroll. O jovem piloto teve três acidentes em dois dias, todos com culpa no seu cartório. Isto pode deixar o jovem canadiano com crise de confiança, mas acima de tudo, prejudicou a equipa.

A Williams não conseguiu participar no último dos quatro dias de testes devido a esses três acidentes e tem de recuperar muito do tempo perdido nesta fase.

McLaren

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:22.576, Stoffel Vandoorne, 4º dia, Ultramacios

Mais um ano da nova parceria McLaren-Honda, mais um capitulo do que tem sido a história desta reunião: penúltimos a nível de voltas mais rápidas, penúltimos a nível de voltas completadas. Resumindo: a McLaren-Honda neste teste foi pouco fiável e lenta. Tudo o que a F1 não deve ser. No 3º ano de parceria e num ano em que há total liberdade de desenvolvimento dos motores, a equipa deveria de estar muito melhor posicionada que isto.

Os problemas de motor dos primeiros dois dias obrigaram a equipa a andar pouco e mais lentos nos restantes dias. A McLaren-Honda ainda pode ter uma cartada na manga, mas terá de pedalar muito para evitar que esta temporada seja uma repetição das últimas, que numa equipa com o pedigree da McLaren só tem uma palavra: desilusão.

Toro Rosso

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:22.956, Daniil Kvyat, 2º dia, Macios

Um dos carros mais bonitos do pelotão não teve uma estreia feliz. O Toro Rosso teve muitos problemas de fiabilidade, que fizeram da equipa a que menos voltas completou durante esta sessão.

Foi um início complicado, mas Franz Tost acredita que a equipa está bem encaminhada para liderar o meio da tabela.

Haas

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:22.118, Romain Grosjean, 3º dia, Supermacios

Foi um teste sólido para a mias jovens das equipas de F1. A equipa americana teve uma prestação mediana a nível de número de voltas e tempos, que é sempre um alento para uma equipa apenas na sua 2ª temporada de F1.

Apesar disso, houve um aspeto negativo durante os testes, já que os problemas de travões, que tanto pragaram a equipa no ano anterior, mantiveram-se para este teste. A equipa espera vir-se livre destes problemas no início da temporada.

Renault

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:21.396, Jolyon Palmer, 3º dia, Macios

Apesar de ter começado os testes com alguns problemas de fiabilidade, a Renault teve um teste bastante positivo. A Renault teve um ano de 2016 terrível, e precisava de melhorar imenso em 2017, algo que parece ter conseguido.

Apesar de ter apresentado tempos competitivos, ainda não se sabe bem qual será a cauda do pelotão que espera a Renault, mas a equipa parece ter encontrado uma base bastante sólida.

Sauber

Foto: f1fanatic.co.uk

Volta mais rápida: 1:21.824, Marcus Ericsson, 3º dia, Supermacios

Apesar de ter sido uma das equipas cauda do pelotão de 2016 a Sauber começou 2017 apostada em sair dessa zona. A nível de competitividade, ainda não se sabe onde a Sauber vai ficar, mas até agora o C36 mostrou-se fiável, que ajudou bastante a equipa a fazer um teste completo e que vai preparar a equipa para a temporada que se avizinha.

O que se segue?

Faltam quatro dias de teste para acabar a pre-época de 2017, que vão de 7 a 10 de março, e ainda temos mais perguntas do que respostas para a nova e emocionante temporada de F1, que começa no dia 26 de março, na Austrália.

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter