18 Dez, 2017

Saiba mais sobre o treino cardiovascular em jejum

Daniel FariaSetembro 2, 20164min0

Saiba mais sobre o treino cardiovascular em jejum

Daniel FariaSetembro 2, 20164min0

Actualmente, são testadas inúmeras abordagens no treino focado para a perda de gordura. O “cardio” em jejum, é uma delas, sendo muito questionada sobre os seus benefícios e malefícios. Será descabido exercitar-se logo ao acordar, em jejum? Ou será proveitoso? As questões devem ser bem reflectidas, avaliando o seu impacto a curto e a longo prazo. Antes de testar qualquer método de treino, pense bem, e se houver possibilidade, pode inclusive consultar um profissional da área.

Na nossa visão, sim, este treino pode ser útil, principalmente para pessoas com dificuldade em perder gordura; ou simplesmente para quem já perdeu gordura, mas que não consegue remover aquela gordura mais problemática.

O exercício cardiovascular em jejum, obriga o corpo a queimar mais gordura, porque não tem alimento dentro dele, onde possa ir buscar o “combustível”.

Basicamente, neste período os níveis de insulina estão baixos, possibilitando uma queima de gordura mais rápida. Quando estamos alimentados, os hidratos de carbono, causam um pico de insulina, interferindo com a mobilização da gordura como fonte de energia. Ou seja, quanto menos insulina, melhor. Porque assim a gordura será a fonte de energia utilizada, e não os alimentos que estão no nosso estômago. Este exercício aumentará a sensibilidade à insulina, o que eliminará gordura sem afectar o equilíbrio hormonal. A sensibilidade à insulina alta tem benefícios para a saúde, especialmente para pessoas diabéticas. Para além disto, o metabolismo ficará acelerado após o exercício físico, originando o efeito “after-burn”, queimando gordura após o treino.

(Foto: vivafit.com)
(Foto: vivafit.com)

Cuidado com a perda de músculo!

Mas aconselha-se cuidado e é aqui que reside a grande desvantagem: O jejum pode conduzir à perda de músculo.

“Quando você está em jejum, seu corpo, literalmente, está se alimentando de si mesmo e destruindo células cerebrais e musculares que estão danificadas (destruindo as células danificadas, por isso, o efeito rejuvenescedor desta prática)” – Ori Hofmekler (especialista em fitness).

O trecho apresentado anteriormente, resume muito bem o processo fisiológico que ocorre quando nos exercitamos sem comida no estômago. Durante o treino, o corpo queima o pouco glicogénio corporal (energia) que existe. Quando fica sem o glicogénio, o organismo passa a consumir músculo. Por isso, o treino não poderá durar mais que 20 a 25 minutos, e deverá ser de intensidade leve. Se quiser e apreciar um café, pode potenciar ainda mais os efeitos de queima de gordura, tomando uma xícara de café meia hora antes do treino. Se não consome café, pode optar por beber chá-verde, também muito reconhecido como emagrecedor.

(Foto:padraoprooficial.besaba.com)
(Foto:padraoprooficial.besaba.com)

Mas como prevenir a destruição da massa magra? É muito simples. A resposta está no que você irá consumir depois do treino. Na sua refeição pós-treino! A refeição pós-exercício é de extrema importância! Ela irá parar o processo de destruição dos seus músculos e inverter o processo em direcção à sua reparação e crescimento.

O que deve comer?

Uma boa refeição baseada em proteína e hidratos de carbono. Para estas situações, um suplemento à base de proteína é muito útil, o tão conhecido Whey Protein, juntando banana ou outra fonte de hidratos. Se não possuiu suplementos, pode experimentar barrinhas proteicas, ou então coma mesmo uma refeição sólida – não é tão prática – mas se houver possibilidade é de extremo valor. Esta refeição deve ser feita no máximo 30 minutos depois do treino, para tentar inverter o mais rápido possível o processo de queima de massa muscular.

Que tipo de exercício se deve fazer?

Caminhadas nas passadeiras, elíptica ou bicicleta, relembrando que devem ser feitas em ritmo lento, sem grandes correrias e intensidades exageradas.

(Foto: mixfmpoa.com.br)
(Foto: mixfmpoa.com.br)

“Oiça” o seu corpo

Não se consegue uma resposta consensual em relação à prática de exercícios cardiovasculares em jejum. A chave para a questão é ter bom senso e ponderação. Pode dar-se bem, como pode dar-se mal. Há pessoas simplesmente que não conseguem treinar em jejum, porque ficam fracas, enjoadas, ou sem ânimo para treinar nestas condições. Cada caso é um caso, que deve ser acompanhado de perto, ciente das suas especificidades e limitações.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes



Newsletter


Categorias


newsletter