17 Dez, 2017

As despesas de quem quer ser (ou já é) “fit”

Daniel FariaAbril 18, 20177min0

As despesas de quem quer ser (ou já é) “fit”

Daniel FariaAbril 18, 20177min0

“O dinheiro manda tudo”. Quem já não ouviu esta frase? Como em quase tudo na vida, a “lei do dinheiro” impera, sendo a nossa passagem por este mundo regida muitas vezes por um conjunto de investimentos. E o seu corpo e a prática do fitness não foge à regra. Ir para o ginásio, consiste num investimento, a longo prazo, em que toda a gente quer ver frutos. Será o fitness um desporto caro? Vale a pena pagar a mensalidade de um ginásio e “ser fit”?

Muita gente já se deve ter questionado com as interrogações redigidas no parágrafo anterior. Realmente, para quem leva este desporto a sério, pode-se dizer com alguma propriedade que o fitness é caro, pois envolve mais do que uma simples mensalidade de um ginásio ou health club.

A lista é extensa: suplementação, dieta, material desportivo, mensalidade do ginásio, despesas de transporte para o mesmo e em alguns casos, em atletas avançados, o uso de esteróides anabolizantes, que não são baratos. Assim de cabeça, estas despesas somadas, podem atingir valores como 300€ ao mês. Um pouco caro para quem pratica musculação como fonte de recreação. Isto sem referir que há gente que gasta mais de 300€ em suplementos alimentares… Por isso, os nossos cálculos estão feitos muito por alto.

A dieta, é uma das despesas de quem quer ser fit. (Foto: ginasiovirtual.com)

Fitness é uma indústria

Mas a ideia que se quer passar, e por mais que algumas pessoas neguem é a de o fitness é uma indústria, e cada vez mais em crescimento, dada a “febre” atual da população pelo exercício físico.

“O mercado português de fitness cresceu 13% em 2015, somando assim 730 mil pessoas, o que equivale a 7,1% da população total e 8,3% com mais de 15 anos. Enquanto isso, o número de ginásios aumentou para 1.365, levando a uma média de 537 membros por clube no final de 2015”. Este trecho retirado da Associação de Empresas de Ginásios e Academias de Portugal (AEGAP) comprova essa tese de crescimento, com os ginásios a aproveitarem-se da moda do fitness, que é transversal em outros países europeus, em maior escala.

Continuando a ver o “report” mais recente da AGAP, datado de 15, relativo ao mercado do fitness português, pode-se constatar que a mensalidade média dos ginásios situa-se nos 36,30 euros, originando um volume de mercado em termos de receitas líquidas de adesão na ordem dos 260 milhões de euros, enquanto o valor de mercado total cifra-se nos 286 milhões.

Em 2015, registou-se um ligeiro crescimento no mercado fitness em Portugal. (Foto: blogrevistaautoestima.blogspot.pt)

Tenha noção dos gastos e controle o seu orçamento

No desporto, e o fitness não é exceção, o dinheiro está sempre presente, e mesmo que não note, o mesmo é dispendioso para si. Mas como se faz questão de lembrar, o investimento é benéfico. Pois está a investir em si e no seu corpo.

Mas o que não se pode negar, é que de facto, para quem leva o fitness a sério e como um estilo de vida, o mesmo representa uma despesa assinalável no quotidiano. Mas lá está: cada um define as suas prioridades. Pessoalmente, achamos benéfico gastar 300 ou 400€ em “matéria desportiva”, do que em saídas à noite ou copos, por exemplo. Mas o livre-arbítrio é para todos, e cada um decide o que acha ser melhor para si e para a sua vida.

Ora vejamos um exemplo de despesa: imagine que você compra um whey protein isolado, de boa qualidade. Um suplemento desta tipologia, custa em média 50 a 60€ (tendo já um perspetiva low-cost). A sua mensalidade no ginásio é de 50 euros mensais. A nível de dieta, gasta entre 100 a 150 euros ao mês. Em gasolina, suponhamos, gasta 30€ ao mês para se deslocar para o seu ginásio. Apeteceu-lhe comprar uns calções, sapatilhas “xpto” e uma bolsa, gastando por exemplo 40€ em material desportivo. Paga personal-trainer (imaginemos 20€)… Tem conhecimento de causa e quer aventurar-se a tomar algo mais forte para perder peso – leia-se esteroides – há comprimidos que o mais barato que se encontra são 160/200€… Quer que continue? É que a soma das coisas referidas vai já em 490 euros…

Sem dor, sem ganhos. Uma frase muito escutada, que reflecte os sacrifícios de quem gosta “de ferro”. (Foto: atzmut.com)

Invista em si com consciência

Com isto quer-se dizer o quê? Não é obrigado a gastar quantias exorbitantes para se exercitar, nem queremos passar a ideia de que o fitness é um desporto para elites, porque não o é… Mas se olharmos atentamente para o extrato bancário no que diz respeito a aquisições e pagamento de mensalidades ou serviços que alguém adquire por inerência à prática de musculação, chegamos facilmente à conclusão de que o dinheiro é importante para “fazer ginásio”.

Já se ouviu por aí: “quanto mais dinheiro tiveres, melhor físico vais ter”. E em certa medida é verdade. Porque com maior capacidade financeira, consegue-se frequentar os melhores ginásios, ter os melhores suplementos – sendo que suplementar não é obrigatório – ter os melhores alimentos com melhor “biodisponibilidade”, ter as melhores “drogas”, isto para quem compete… Não sejamos hipócritas, porque num desporto em que o principal objectivo é mostrar os músculos, há efectivamente o uso de recursos desta origem, denominados esteróides.

O tema fitness vai muito para além do treino, tendo conotações financeiras. (Foto: Pinterest.com)

Determinação vale mais que o dinheiro

Com dinheiro, conseguimos obter serviços “premium” e tudo da melhor qualidade para “turbinar” o nosso corpo. Mas nunca esquecer, e isto vem acima de qualquer capacidade monetária que possamos ter para aplicar neste desporto: A FORÇA DE VONTADE. Sim, o caps-lock foi propositado caro leitor. Você pode ter 1000€ para gastar em matérias de fitness, quero investir ao máximo no seu físico, mas se você não possuir vontade para “abraçar” este desporto como estilo de vida, não irá a lugar algum, estando simplesmente a atirar dinheiro para o caixote de lixo.

Em suma, pretende-se chamar à atenção de que quem se dedica e quer que o seu físico se destaque, terá que fazer um investimento para conseguir esse objetivo. Cabe ao atleta ponderar e estudar o que é melhor para si, fazendo as aquisições de modo inteligente, gerindo o seu orçamento para praticar estas actividades.

Sinta-se bem e faça as escolhas certas. (Foto: Funkyou.com)

Não estamos com isto a dizer que para ter resultados tem que gastar “rios de dinheiro”. Existem pessoas que são disciplinadas, treinam em casa, nem ginásio pagam e têm resultados. O que pode acontecer é passado algum tempo estagnarem, e quando se estagna é preciso dar o próximo passo, que é como quem diz, aumentar o investimento em si e no seu corpo e essa “capitalização” pode ser feita através de várias formas. Pagar a um especialista, adquirir suplementos, etc…

Por isso, para terminar, este artigo serve de reflexão para quem quer mergulhar a sério neste desporto ou está estagnado: talvez seja necessário aumentar o investimento em si para continuar a mudar ou a manter o seu nível físico. Invista no seu bem-estar, sempre com “cabeça”. Ponderando todas as situações e capitalizando o seu dinheiro para as coisas certas, ser fitness será muito mais fácil.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter