23 Nov, 2017

Programação e CrossFit. Qual a receita vencedora?

Cláudia Espirito-SantoJunho 21, 20177min0

Programação e CrossFit. Qual a receita vencedora?

Cláudia Espirito-SantoJunho 21, 20177min0

Weightlifting; Gymnastics; Metabolic (Cardio), alguns dos ingredientes mais usados no CrossFit. Mas qual a dose certa de cada um? Como planear e agradar a todos? Qual o planeamento perfeito?

Não sou treinadora de CrossFit. Não faço programação. Tenho L1s e L2s, cursos e coisas da CrossFit internacional, mas isso diz pouco.

O que diz mais, é que sou atleta apaixonada pela modalidade e Affiliate Owner – título pomposamente atribuído pela CrossFit Internacional às pessoas completamente fora de si que decidiram investir o seu dinheiro e alma (sim alma) num espaço de treino que proporciona uma experiência tão intensa para cada indivíduo, que pede um envolvimento e paixão de níveis inacreditáveis para acontecer.

Mas é como praticante dedicada de CrossFit que vou falar de Programação. É na óptica do “utilizador” do Planeamento, que vou analisar um pouco o que fazemos em Portugal, e ficar na esperança que não existam demasiados “unfriends” no meu facebook até ao final do dia 🙂

Já treinei em várias boxes e tive a sorte de aprender as minhas bases com vários bons / excelentes treinadores. Considero que passei por algumas das melhores boxes de Lisboa e que cresci muito em cada uma delas. Evolui no CrossFit com planeamentos claramente diferentes, estruturados de formas distintas e com maior incidência em diferentes áreas do CrossFit. Um dos elementos que mais me cativa no CrossFit é precisamente a base assente na diversidade ou variância do treino. Esta metodologia de treino trabalha o corpo de forma completa: da parte metabólica à ginástica, ao levantamento olímpico, ao trabalho ainda mais desafiante de cargas externas com objectos estranhos. Temos a vantagem de preparar o nosso corpo como um todo para o dia-a-dia. Com combinações de movimentos, repetições, cargas e tempos infinitas, conseguimos ter um treino extremamente estimulante e desafiante com resultados físicos extraordinários.

[Imagem: CrossFit Geelong]
 

Metaforicamente podemos dizer que fazer programação de treino para uma box de CrossFit é o equivalente a ter todos os ingredientes da despensa do Masterchef e uma quantidade imensurável de ideias e receitas para experimentar. A questão que se coloca é: qual é a receita certa? A receita que garante resultados? A receita que os atletas vão apreciar mais? A receita que vai trazer mais atletas para a box? A receita que vai melhorar a performance de todos os atletas?

A receita que vai ganhar o Masterchef do CrossFit?

A resposta é simples: Nenhuma.

Simplesmente porque não existe um planeamento perfeito. Não existe uma combinação idílica de ingredientes que conjugados entre si, GARANTAM resultados a todas as pessoas.

Quando temos na nossa mão uma diversidade tão grande de movimentos e variáveis a considerar, procura-se naturalmente uma combinação de ingredientes que nos permita conjugar tudo de forma a garantir resultados nos atletas. Garantir que a sua preparação física geral melhora todos os dias. Garantir que sentem a evolução. Garantir que se mantêm motivados. Garantir, garantir, garantir numa área que não é uma ciência exacta. Garantir onde a única garantia que temos é que não há garantias.

O planeamento ideal, aquele que assegura resultados a todas as pessoas de forma uniforme, implica que todas as pessoas são iguais, e que a repetição de movimentos é uma constante. Se considerarmos que na própria definição do termo CrossFit está a componente de variância e que a modalidade prima pela diversidade nos movimentos, cargas, tempos e estímulos, percebemos que é impossível existir O Planeamento Correcto, a Receita para a Melhor Programação, ou o Melhor Programador do País, Continente, Mundo. E neste sentido, para grande desilusão de muitas pessoas, não existe nenhum “guru” da programação nem um programa ideal para todos os atletas.

[Imagem: CrossFit Journal]
 

Existem sim várias formas de extrair o melhor de todos os atletas tendo em consideração as pessoas que cada treinador / programador tem nas suas mãos. A CrossFit International, através dos seus Seminários e Cursos, equipa os seus Instrutores com as ferramentas e conhecimento necessário para construir um planeamento equilibrado e com resultados comprováveis. Os benchmarks (treinos / wods executados periodicamente) são uma medida quantitativa para os treinadores perceberem se o planeamento está a funcionar. Se os atletas não evoluíram, é sinal que a programação deve ser re-ajustada.  Se os níveis de motivação na nossa box estão a baixar, devemos reavaliar como estamos a desenvolver o programa de treino. Saber ouvir e perceber os sinais das pessoas com quem treinamos é na realidade a melhor medida do sucesso de um programa de treino. Eu posso perceber muito de programação, mas se eu não perceber nada de pessoas, e acima de tudo, se não as souber ouvir, muito provavelmente não conseguirei programar para elas.

Como atletas também temos um papel muito importante: comunicar com os nossos treinadores para o planeamento poder seguir um percurso que faz sentido para as pessoas da box. Mas também devemos ter noção se os nossos objetivos se enquadram no posicionamento e caminho que a nossa box tenciona seguir. Quero divertir-me ou quero competir? Quero ganhar massa muscular ou perder peso? O denominador comum vai ser sempre melhorar o nosso Fitness, mas os “efeitos secundários” nesse processo são igualmente importantes, porque são eles que nos vão dar a motivação de seguir em frente e a força interior para nos superarmos a cada treino.

Eu pessoalmente treino para me divertir. Tenho 3 filhos, 3 empresas e uma panóplia de dramas e confusões no meu dia-a-dia que são sem dúvida uma animação, mas simultaneamente criam em mim uma necessidade extrema de ter um espaço para treinar onde sou apenas responsável por uma pessoa… mim própria. Tenho noção que nunca vou gostar de todos os dias do planeamento, que dias de trabalho de força pura são tortuosos para mim. Mas também sei que a minha box vai ter dias que me vão encher completamente as medidas e onde vou conseguir dizer a mim própria: “I killed that WOD”.

[Imagem: CrossFit Barigui]
 

Um excelente programa de treino motiva e contagia os seus atletas com energia positiva e isso estende-se para a Comunidade dentro e fora da box. Um treinador que faz programação utiliza as ferramentas e conhecimento de CrossFit (e educação física, anatomia ou o background que tiver que acrescente valor nesta área), ouve as pessoas, sabe explicar e defender a razão de ser da construção do seu planeamento, tem um objectivo traçado e acima de tudo está sempre a absorver ideias de todas as pessoas à sua volta principalmente dos seus alunos e colegas. São as pessoas que inadvertidamente mais enriquecem o programa de treino de uma box.

É fácil olhar para a programação de uma box concorrente e destruir o que está a ser feito, em vez de questionar, debater, e formar ideias conjuntas que fazem crescer a modalidade como um todo.

A programação não requer “Chefs” especiais de corrida, para combinar os ingredientes mais mirabolantes para a receita mais extraordinária. Pede sim treinadores capazes, que têm um objectivo claro no seu planeamento, que conhecem os seus atletas e têm as bases necessárias para desenhar esse percurso. Não é preciso ser “guru”, ilusionista ou feiticeiro para criar a “poção” certa para os atletas. A grande maioria dos treinadores não está a cozinhar nem para o Asterix nem para atletas de Games. Está sim a programar para as pessoas como eu: mães (ou pais) que trabalham horas a fio, têm pouco tempo para dedicar a si próprios e desejam apenas ser melhores no seu dia-a-dia e melhores do que eram no dia anterior.

Nesse sentido, se os treinadores em geral tiverem o mesmo objetivo que os seus atletas “Better than Yesterday”, provavelmente surgirão melhores programas de treino e atletas mais deliciados com as receitas dos seus Coaches 😉


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter