21 Ago, 2017

A Clássica mais antiga do mundo, envolta em tristeza

Davide NevesAbril 22, 20173min0

A Clássica mais antiga do mundo, envolta em tristeza

Davide NevesAbril 22, 20173min0

Decorre, este domingo, a última das “Clássicas das Ardenas”, a Liège-Bastogne-Liège, aquela que também é a clássica mais antiga do mundo, com a primeira edição a remontar ao ano de 1892. Este ano, a tristeza irá ser o ambiente da prova, devido aos acontecimentos deste sábado.

O ciclismo está de luto. Michele Scarponi, da Astana, faleceu hoje, enquanto treinava na sua terra natal. O italiano descansava, depois de ter terminado em quarto lugar no Tour dos Alpes (ou Giro del Trentino, como toda a gente o conhece). O mundo do ciclismo perdeu assim uma das suas figuras mais emblemáticas e mais divertidas.

Michele Scarponi, um grande atleta.
(Fonte: Facebook da Astana Cycling Team)

Passando para a clássica, a Liège-Bastogne-Liège é considera uma das provas mais exigentes do mundo, no que toca à dureza e, muitas vezes, às condições adversas que os ciclistas enfrentam. Começa na cidade de Liège, passa em Bastogne (na fronteira com o Luxemburgo) e regressa a Liège, tendo pelo meio 10 subidas curtas mais muito difíceis, com o destaque para o “Côte de Saint-Nicolas”. Em todas as 102 edições, o lendário Eddy Merckx lidera em vitórias, com 5, seguido de Moreno Argentin, com 4, e de Alejandro Valverde, com 3 vitórias (e mais três pódios). Na edição do ano passado, Wout Poels (Sky) venceu, à frente de Michael Albasini e do português Rui Costa, o primeiro português a subir ao pódia da “La Doyenne”.

Os favoritos

Michal Kwiatkowski é um dos favoritos na prova. Na fotografia, está acompanhado de Phillipe Gilbert, que falha o dia de amanhã por lesão.
(Fonte: Bettini Photo)

A edição deste ano conta com algumas ausências, mas continua um pelotão bem recheado com estrelas e especialistas na prova.

Michal Kwiatkowski é um dos principais favoritos. O polaco da Sky quer dar continuidade ao bom momento em que está neste ano, depois da vitória na Milano-San Remo e do segundo lugar na Amstel Gold Race.

Alejandro Valverde (Movistar) volta, novamente, a figurar nos favoritos. Depois da quinta vitória na Flèche Wallonne, e a quarta seguida, procura igualmente vencer esta prova pela quarta vez, depois das vitórias em 2006, 2008 e 2015.

Igualmente favorito é, também, o Deus do Olimpo, Greg van Avermaet (BMC). A prova encaixa bem nas suas características, e se estiver em boas condições, tem tudo para figurar no top-5, com a sua aceleração e explosão.

Rui Costa entra também neste lote. O português é, a par do campeão nacional José Mendes, a presença lusa em terras belgas. Esta clássica encaixa quase na perfeição nas características do ex-campeão do mundo.

Outros favoritos são Sergio Henao (Sky), Dan Martin (Quick-Step), Michael Albasini (ORICA), Warren Barguil (Sunweb) ou Romain Bardet (AG2R La Mondiale).

A previsão Fair Play para esta clássica é arriscada e, muitos dirão, completamente descabida, mas nós apostamos em Rui Costa para vencer a Liège-Bastogne-Liège e ser o primeiro português a vencer um monumento.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter