18 Dez, 2017

Season Report FP: Peter Sagan, o Saganator!

Davide NevesNovembro 18, 20173min0

Season Report FP: Peter Sagan, o Saganator!

Davide NevesNovembro 18, 20173min0
O campeão dos campeões. O "menino" de todos. Peter Sagan é o novo visado do Season Report

Peter Sagan não é um ciclista qualquer. Como tricampeão do mundo, tem um estatuto quase inviolável, que o coloca como um dos melhores ciclistas de sempre. O seu modo extravagante ainda adiciona mais ao seu perfil: ele faz o que quer, como quer, e ainda fica em… segundo. Perdão! Em primeiro, cada vez mais.

O início de época

O trio final na Milano-Sanremo. Kwia venceu.
(Foto: SBS.com.au)

O início de Sagan foi bem modesto: um 73º lugar na classificação geral do Santos Tour Down Under (2.UWT), onde terminou três vezes em segundo lugar. Um mês depois, termina em segundo (novamente) na Omloop Het Nieuwsblad (1.UWT). Desiste na Strade Bianche (1.UWT), e vence duas etapas no Tirreno-Adriatico (2.UWT), o que lhe permite arrebatar a camisola de pontos. Na Milano-Sanremo (1.UWT), faz segundo, batido, surpreendentemente, por Michal Kwiatkowski. Durante a temporada de pavê, o melhor que faz é um terceiro lugar na Gent-Wevelgem (1.UWT). Um início bem morno para o bicampeão do mundo.

 

A preparação para o Tour e o choque com Cavendish

O choque com Cavendish que desqualificou Sagan.
(Foto: Sky Sports)

Sagan, volvida a temporada de clássicas, foca-se assim no Tour da Califórnia (2.UWT), onde vence uma etapa e leva a camisola de pontos para casa. Um mês depois, no Tour da Suíça (2.UWT), leva novamente a camisola de pontos (a terceira esta época), depois de mais duas vitórias em etapas. Nos campeonatos nacionais da Eslováquia, fica em segundo, quase dez minutos depois do vencedor, o seu irmão, Juraj Sagan.

Chegamos assim ao Tour. Sagan, que se preparou toda a época para a prova, começa bem, estando bem colocado nas classificações nas duas primeiras etapas, e vence a terceira. Na quarta etapa, vence também, mas é desclassificado depois de o colégio dos comissários terem achado que Sagan derruba deliberadamente Mark Cavendish, causando-lhe uma lesão. Era assim o fim de Sagan na Volta a França (2.UWT).

 

Foco total no tricampeonato

Sem Volta a França, Sagan faz a Volta à Polónia (2.UWT), onde vence novamente a classificação por pontos, com uma vitória numa etapa. No Binck-Banck Tour (2.UWT), vence uma camisola de pontos pela quinta vez na época, depois de vencer mais duas etapas (e termina em sétimo na geral individual).

Nas clássicas do Canadá, vence a Clássica do Québéc (1.UWT), e fica em nono lugar na de Montréal (1.UWT).

Faltavam assim os Campeonatos do Mundo. Sagan, sempre favorito, vence o homem da casa, Alexander Kristoff, e sagra-se campeão pela terceira vez. O Saganator está aí para as curvas, e o próximo ano espera pacientemente por novas conquistas.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Posts recentes



Newsletter


Categorias


newsletter