14 Dez, 2017

Destaques 2016 – Parceria Etapa Raínha

Fair PlayDezembro 28, 201610min0

Destaques 2016 – Parceria Etapa Raínha

Fair PlayDezembro 28, 201610min0

Estamos perto de encerrar o ano e é a altura de fazermos uma retrospectiva sobre aquelas que foram os grandes destaques do ciclismo em 2016.

Ciclista do ano: Peter Sagan

Para nós, não há dúvidas, o ciclista do ano foi Peter Sagan. Foi o ano em que venceu o seu primeiro monumento, a Volta à Flandres, revalidou o título mundial ao bater Mark Cavendish ao sprint, ganhou três etapas e a camisola verde na Volta à França, venceu a Gent-Wevelgem, foi campeão da europa na prova de fundo, além de outras.

No total foram 14 vitórias, 12 segundos lugares, 6 terceiros lugares e acabou como o número 1 do ranking UCI, só confirmou o ciclista monstruoso que é, Peter Sagan.

Melhor prova: Giro d’Italia

O holandês Kruijswijk parecia destinado a conquistar o Giro, até que na 19ª etapa, na descida do Colle dell’Agnello, ao tentar acompanhar Vincenzo Nibali, espeta-se contra um muro de neve.

Nibali no dia a seguir conquistaria a maglia rosa, depois de um trabalho fantástico da sua equipa, que ele finalizou de forma perfeita. Antes da 19ª etapa, o italiano da Astana estava aflito de conseguir o pódio, no final da 20ª etapa, era líder.

Uma das reviravoltas mais impressionantes numa Grande Volta, nas últimas décadas.

Melhor clássica: Volta à Flandres

Estávamos na dúvida entre três, Volta à Flandres, Paris-Roubaix e o Giro da Lombardia. Qualquer uma delas, merecia, mas tínhamos de escolher uma e fomos para o segundo monumento do ano, a Volta à Flandres.

A razão pela escolha está na forma como Peter Sagan destroçou Kwiatkowski e Sep Vanmarcke no míticos Oude Kwaremont e Patterberg. Ainda houve Fabian Cancellara, que foi obrigado a fazer uma recuperação notável, mas que não chegou para alcançar o eslovaco, que desta forma venceu o primeiro monumento da carreira.

Melhor Grande Volta: Giro d’Italia

Foi a melhor prova do ano, não há muito mais a acrescentar do que já foi escrito lá em cima.

Melhor prova por etapas (excepto GV’s): Vuelta ao País Basco (Itzulia)

Entre as provas por etapas, estávamos indecisos entre a Volta à Catalunha, e a que acabou por ser a nossa escolha, a Itzulia, mais conhecida por Vuelta ao País Basco. A prova basca costuma ser das mais animadas, com as suas subidas inclinadas e o público extremamente apaixonado na berma da estrada. Este ano voltou a não desiludir e no plano competitivo a coisa também esteve animada, com o vencedor a ser decidido na última etapa, num contrarelógio individual, ganho por Alberto Contador.

A prova também nos proporcionou um dos festejos mais originais de sempre, cortesia de Diego Rosa.

Melhor etapa: 15ª da Vuelta a España

Alberto Contador, esteve longe do seu melhor na Vuelta, mas mesmo assim nunca deixa de dar espectáculo e os adeptos de ciclismo agradecem.

O ataque de Contador aconteceu praticamente no Km 0, apanhando Chris Froome e a Sky a dormir, quem esteve bem atento foi Quintana e a Movistar, ao contrário do que aconteceu no Tour, que seguiu o ataque do espanhol e depois fez-se história. Nunca mais foram apanhados pelo o grupo de Froome e Chaves, a Sky colapsou por completo, deixando o seu chefe de fila sozinho.

Froome perdeu muito tempo (2 minutos e 43 segundos) e hipotecou as hipóteses que tinha de vencer a prova espanhola, num dia, em que Nairo Quintana agradeceu a preciosa ajuda de Alberto Contador.

Melhor classicómano: Peter Sagan

Foi o ciclista do ano, não precisa de mais explicações!

Melhor trepador: Nairo Quintana

Esteve intratável na Catalunha, onde apeou toda a gente, inclusive Contador. Na Romandia, esteve um patamar acima de todos e na Vuelta não houve ninguém que subisse como ele. Falhou na Volta à França, onde esteve uns furos abaixo do esperado, mas mesmo assim acabou no pódio.

O único que podia estar na discussão seria Chris Froome, mas o colombiano mostrou-se mais consistente durante todo o ano, mesmo nas provas que não venceu, como por exemplo no País Basco, esteve sempre nos primeiros lugares.

Melhor sprinter: Mark Cavendish

Parecia que este ano seria de Marcel Kittel, que começou a temporada com toda a força. Cavendish foi batido pelo o alemão no Dubai.

Mas é na Volta à França, que se define o rei do sprint e 2016, foi o ano em que Cavendish renasceu e dominou. Foram 4 vitórias de etapa, mais do que qualquer ciclista em prova e o record de vitórias de etapas de Eddy Merckx está ameaçado, já o britânico já tem 30 triunfos, está só a 4 de Merckx.

Melhor voltista: Chris Froome

Vencedor da Volta à França e foi 2º classificado na Vuelta, não há muito mais a dizer. Nairo Quintana é quem se aproxima mais, com o 3º lugar na Volta à França e vitória na Vuelta.

Romain Bardet, apenas esteve no Tour, onde foi 2º e Nibali venceu o Giro e apresentou-se na Volta à França à procura de etapas e para ajudar Aru.

Froome também venceu o Critérium du Dauphiné. Para nós foi o melhor voltista de 2016, num ano em que esteve perto de conseguir ganhar duas Grandes Voltas.

Melhor gregário: Wouter Poels

Foi o principal gregário de Chris Froome na Volta à França e esteve simplesmente brutal nessa função. Rebocando o pelotão subida após subida, durante praticamente todas as etapas de montanha.

Já em 2015, tinha estado fantástico, mas aí Richie Porte e Geraint Thomas deram mais nas vistas como gregários, este ano, Richie Porte já não estava na Sky e Geraint Thomas, apresentou-se longe da forma de 2015.

Wouter Poels além da magnifica Volta a França na função de gregário, durante a primavera, conseguiu o feito de conquistar o 1º monumento para a Sky.

Melhor contrarelogista: Fabian Cancellara

Tom Dumoulin brilhou no Tour ao vencer um contrarelógio e a ser 2º noutro. Chris Froome também brilhou na Volta à França, ao ser 2º atrás de Dumoulin e ao vencer o outro.

Mas nenhum deles foi capaz de incomodar Fabian Cancellara nos Jogos Olímpicos, o suiço no Rio de Janeiro esmagou a concorrência e não deixou dúvidas na sua despedia, provando que é um dos melhores de sempre na especialidade.

Cancellara começou o ano muito bem, venceu os contrarelógio da Volta ao Algarve e do Tirreno-Adriático, mas falhou o objetivo de vestir de rosa no Giro, ao ser apenas 8º no prólogo inaugural, coma desculpa de uma gastroenterite. Na Volta à França, esteve muito longe do melhor, já a pensar nos Jogos Olímpicos. E foi no Rio de Janeiro, que cimentou ainda mais a lenda.

Desilusão do ano: Fabio Aru

Foi um ano desastrado para o jovem italiano. Toda a temporada foi a pensar na Volta à França e a equipa na maior prova do mundo correspondeu, tentou ajudar, foi para a frente impôr ritmos, mas Aru falhou rotundamente.

E o momento que o definiu na desilusão da temporada, foi a última etapa de montanha do Tour, a 20ª, quando a equipa foi para a frente trabalhar e mal o terreno começou a empinar no  Col de Joux Plane, o italiano meteu marcha-atrás e atirou todo o trabalho da Astana no lixo.

Melhor equipa: Team Sky

Apesar de não ter sido a equipa número 1 do ranking UCI, a equipa britânica dominou de forma avassaladora a Volta à França e conseguiu finalmente ganhar o seu primeiro monumento, com Wouter Poels na Liège-Bastogne-Liège.

A adicionar isso, destaque para a vitória de Geraint Thomas no Paris-Nice e Chris Froome no Critérium du Dauphiné.

Melhor ciclista do pelotão nacional: Rafael Reis

Foi o ciclista mais regular no pelotão nacional. Venceu a Clássica de Amarante, Volta à Bairrada e Grande Prémio Jornal de Notícias. Ao todo conquistou 5 etapas ganhas, com destaque para o prólogo da Volta a Portugal. Também não se pode deixar de assinalar o 3º lugar no Campeonato Nacional de Contra-relógio.

Apesar de não ter alcançado uma classificação de relevo na geral da Volta a Portugal, trabalhou muito em prol dos líderes, mas foi sua consistência ao longo de 2016, que lhe permitiu ser o número 1 do ranking APCP e por essa razão, também para nós, é o ciclista do ano em Portugal.

A sua excelente temporada, permitiu-lhe arranjar um contrato numa equipa Pro-Continental, mais concretamente na Caja Rural, uma recompensa pelo trabalho efectuado em 2016.

Melhor equipa portuguesa: W52-FC Porto-Porto Canal

Foi a equipa portuguesa mais vitoriosa, mas foi o seu domínio absoluto na Volta a Portugal que impressionou mais.

Na prova mais importante do ciclismo português, a W52-FC Porto-Porto Canal esteve numa outra galáxia em relação às restantes equipas, a diferença foi tão avassaladora que chegou a ser humilhante para a concorrência. Colocaram 3 corredores nos 4 primeiros lugares (1º, 2º e 4º) e 5 nos 15 primeiros. Além disso, venceram 4 etapas.

No resto da temporada, ganharam, além da Volta a Portugal, Clássica de Amarante, Volta à Bairrada , Grande Prémio Jornal de Notícias e a Taça de Portugal. Melhor seria difícil.

Surpresa do ano: Rui Vinhas/Matthew Hayman

Abrimos uma excepção, porque é impossível decidir entre a vitória de Rui Vinhas na Volta a Portugal e a de Matthew Hayman no Paris-Roubaix.

A vitória de Rui Vinhas na Volta a Portugal foi um dos momentos mais surpreendentes do ciclismo português dos últimos anos. O conto de fadas de Vinhas, aconteceu porque na 3ª etapa as equipas decidiram andar a discutir umas com as outras sobre quem deveria perseguir e quem aproveitou foi o ciclista do Sobrado, que após a jogada tática de Nuno Ribeiro ficou com uma boa vantagem de amarelo. O domínio da W52-FC Porto-Porto Canal foi de tal forma avassalador, que além de terem o chefe de fila (Gustavo Veloso) a ganhar etapas também se deram ao luxo de proteger Rui Vinhas, que aguentou bem na montanha.

No contrarelógio final, esperava-se que Veloso roubasse a camisola amarela ao colega de equipa, mas mais uma vez, Vinhas excedeu a expectativas e aguentou a pressão de defender a liderança.

A vitória de Matthew Hayman no PAris-Roubaix também é uma espécie de conto de fadas.

No inicio da temporada andou a recuperar de uma fractura do osso do rádio do braço direito, após uma queda na Omloop Het Nieuwsbla, a 27 de fevereiro. 1 mês e pouco depois, no dia 10 de abril, Hayman conseguiu algo que nem ele ainda acredita, venceu o Paris-Roubaixe ainda por cima, batendo ao sprint no velódromo de Roubaix, uma das lendas da prova, Tom Boonen.

E para contextualizar e tornar esta história ainda mais épica, de referir que o australiano correu a rainha das clássicas pela 15ª vez.

Momento mais divertido do ano

Sondre Hols Enger (IAM Cycling) dança no pódio, na Volta à Croácia.

Fique ainda a conhecer quais foram, para a Etapa Raínha os 10 melhores momentos da temporada 2016 e também os 10 piores momentos da temporada 2016.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter