22 Fev, 2018

Antevisão do Campeonato Mundial de Rali

Francisco da SilvaJaneiro 24, 20187min0

Antevisão do Campeonato Mundial de Rali

Francisco da SilvaJaneiro 24, 20187min0
O Rali de Monte-Carlo marca o início de mais uma temporada do mundial de ralis. Em 2018, as equipas são as mesmas mas há a registar alterações importantes nos protagonistas.

2017 ficou novamente marcado pela hegemonia de Sébastien Ogier, agora ao volante da formação britânica M-Sport, que se sagrou pentacampeão. Para a nova temporada, os alvos a abater são Ogier e a M-Sport que não terão vida fácil perante a intensa concorrência da Hyundai, Toyota e Citroën. Fique a par de tudo com o Fair Play.


M-SPORT FORD WORLD RALLY TEAM

A formação de Malcolm Wilson surpreendeu tudo e todos em 2017 ao apresentar um desempenho individual e coletivo muitíssimo consistente, que culminou na conquista do mundial de construtores pela M-Sport e no pentacampeonato de Sébastien Ogier. A preparação para a nova temporada da equipa sediada na Grã-Bretanha tem sido de certa forma agridoce. Se por um lado Malcolm Wilson perdeu o seu “benjamin” Ott Tänak, 3º classificado no mundial de pilotos em 2017, a notícia de que a Ford vai reforçar o apoio financeiro e técnico à M-Sport parece ser suficiente para recuperar algum otimismo para a season que se adivinha. Contudo, o melhor “reforço” para a M-Sport é a continuidade de Sébastien Ogier que parte como principal favorito à revalidação do título mundial. O pentacampeão terá como companheiro de equipa o galês Elfyn Evans, jovem regular e com um bom andamento, que conduzirá o 2º carro da M-Sport. Por último, o finlandês Teemu Suninen, um dos mais entusiasmantes valores do desporto automóvel, e o francês Bryan Bouffier, piloto experiente que regressa ao WRC 2 anos depois, irão partilhar entre si o 3º veículo da formação britânica.

Diretor da equipa: Malcolm Wilson

Formação de pilotos: Sébastien Ogier e Julien Ingrassia (full time); Elfyn Evans e Daniel Barritt (full time); Bryan Bouffier e Jérôme Degout (part-time); Teemu Suninen e Mikko Markkula (part-time).

M-Sport Ford Fiesta WRC 2018 | Fonte: WRC

HYUNDAI MOTORSPORT

Não será de todo uma surpresa se apontarmos a Hyundai como a principal “derrotada” da temporada transata. Depois de 3 temporadas na sombra da Volkswagen, esperava-se que com a desistência do gigante alemão, a formação sul coreana assumisse as rédeas do WRC e liderasse individual e coletivamente o pelotão da competição. No entanto, fruto da irregularidade do trio Neville-Paddon-Sordo, a Hyundai ficou arredada da discussão dos títulos individuais e coletivos, mesmo apresentando o veículo com melhor andamento e performance. Em 2018, a Hyundai irá partir como a principal favorita a conquistar o ceptro do mundial de construtores, especialmente pela qualidade dos seus pilotos principais Thierry Neuville, vice-campeão em 2017, e Andreas Mikkelsen, rapidíssimo e eterno candidato ao título, e que podem facilmente figurar no pódio das diversas etapas do WRC. Importa referir que o belga Neuville é provavelmente o único homem capaz de desafiar a hegemonia de Ogier. Após uma temporada extremamente dececionante, o neozelandês Hayden Paddon vai partilhar o 3º carro da Hyundai com o experientíssimo Dani Sordo, piloto espanhol bastante técnico mas que peca bastante pela sua irregularidade.

Diretor da equipa: Michel Nandan

Formação de pilotos: Thierry Neuville e Nicolas Gilsoul (full time); Dani Sordo e Carlos Del Barrio (part-time); Hayden Paddon e Sebastian Marshall (part-time); Andreas Mikkelsen e Anders Jaeger (full-time).

Hyundai i20 WRC 2018 | Fonte: WRC

TOYOTA GAZOO RACING WRT

Após uma prolongada ausência, o regresso da Toyota ao WRC foi encarado com especial carinho e expectativa por todos os aficionados, nomeadamente pelas credenciais da marca nos desportos motorizados e pela face mais visível da equipa, Tommi Mäkinen. Em 2017 e ao longo de 13 provas, a formação da Toyota Gazoo Racing entrelaçou bons momentos (vitórias no Rali da Suécia e no Rali da Finlândia) com desempenhos muito discretos, tais como no Rali da Polónia e no Rali da Austrália. A nível individual, Jari-Matii Latvala voltou a apresentar um ritmo elevadíssimo apenas contrariado pela sua irregularidade e azar, já Esapekka Lappi estreou-se a meio da temporada com diversas performances de encher o olho, relegando para 3º piloto na hierarquia o experiente Juho Hänninen. Para a season de 2018, a Toyota Gazoo Racing reforçou-se com o estónio Ott Tänak, um piloto extremamente frio e competente, que pode muito bem catapultar os resultados da equipa nipónica para outra dimensão. Em suma, a Toyota apresenta o trio de pilotos mais entusiasmante e equilibrado de todas as equipas presentes no WRC, nesse sentido, 2018 pode muito bem ser o ano do construtor de Aichi.

Diretor da equipa: Tommi Mäkinen

Formação de pilotos: Jari-Matti Latvala e Miikka Anttila (full time); Esapekka Lappi e Janne Ferm (full time); Ott Tänak e Martin Järveoja (full time).

Toyota Yaris WRC 2018 | Fonte: WRC

CITROËN TOTAL ABU DHABI WRT

Se a Hyundai foi a principal “derrotada” em 2017, o rótulo de maior “desilusão” pertence ao construtor gaulês. Depois de vários anos a dominar o WTCC, a Citroën decidiu abandonar essa competição e regressar aos ralis. Porém, este retorno não foi de todo feliz. Durante grande parte da temporada, a formação então liderada por Yves Matton esteve uns furos abaixo de toda a concorrência, sendo que, para piorar a situação, os pilotos escolhidos foram extremamente irregulares. Em 2018, os pilotos disponíveis da marca do duplo chevron são maioritariamente os mesmos, isto é, teremos em todas as provas o carismático Kris Meeke (vencedor de dois ralis em 2017) e a part-time o irlandês Craig Breen e o qatari Al Qassimi. Há ainda a realçar a participação em algumas provas de duas boas adições. Primeiramente, o regresso da lenda Sébastien Loeb, eneacampeão no WRC pela Citroën, e, por outro lado, a chegada do norueguês, Mads Otsberg, um piloto bastante rápido mas psicologicamente inconstante. Posto isto, o sucesso ou insucesso da equipa francesa será determinado em grande medida pela evolução que o carro da Citroën irá demonstrar face à viatura de 2017, nomeadamente ao nível da suspensão e direção.

Diretor da equipa: Pierre Budar

Formação de pilotos: Kris Meeke e Paul Nagle (full time); Craig Breen e Scott Martin (part-time); Mads Otsberg e Torstein Eriksen (part-time); Khalid Al Qassimi e Chris Patterson; Sébastien Loeb e Daniel Elena (part-time).

Citroën C3 WRC 2018 | Fonte: WRC

CALENDÁRIO WRC 2018

Prova 1: Rali de Monte-Carlo, 25 a 28 de Janeiro
Prova 2: Rali da Suécia, 15 a 18 de Fevereiro
Prova 3: Rali do México, 8 a 11 de Março
Prova 4: Rali da Córsega, 5 a 8 de Abril
Prova 5: Rali da Argentina, 26 a 29 de Abril
Prova 6: Rali de Portugal, 17 a 20 de Maio
Prova 7: Rali da Sardenha, 7 a 10 de Junho
Prova 8: Rali da Finlândia, 26 a 29 de Julho
Prova 9: Rali da Alemanha, 16 a 19 de Agosto
Prova 10: Rali da Turquia, 13 a 16 de Setembro
Prova 11: Rali do País de Gales, 4 a 7 de Outubro
Prova 12: Rali da Catalunha, 25 a 28 de Outubro
Prova 13: Rali da Austrália, 15 a 18 de Novembro


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter