14 Dez, 2017

Andebol Universitário – Competição para lá dos livros

João de MatosJunho 3, 20173min0

Andebol Universitário – Competição para lá dos livros

João de MatosJunho 3, 20173min0

O Andebol Universitário não foi só inserido no campeonato universitário pela competição, mas também para que os atletas se divirtam e aproveitem os benefícios que a modalidade proporciona, tais como a salutar convivência entre os colegas a par com a prática de um desporto que proporciona bem-estar físico.

Sendo as regras muito parecidas à dos campeonatos nacionais, existem, no entanto, algumas pequenas diferenças como o tempo regulamentar ser de apenas 50 minutos ou a utilização de um cartão verde (time-out) em cada parte (sem contar com o prolongamento, caso exista “Final Four”) entre outras pequenas diferenças. A estrutura consiste em várias equipas inscritas na região de Lisboa, varia por época, mas ronda sempre cerca de oito equipas.

Existem treinos semanais para as equipas melhorarem as suas capacidades individuais e colectivas, porém nem sempre isto acontece por questões de tempo, já que a vida de um universitário é cheia de convívios, festas e um pouco de estudo, tornando-se difícil de conciliá-la com a prática da modalidade. Também existem casos em que os jogadores de alta competição têm treinos com as suas respectivas equipas federadas e depois torna-se uma sobrecarga de esforço no atleta. A intensidade do treino universitário é diferente de um clube que compete pelo primeiro lugar nacional, sendo as intensidades do treino mais alta no clube do que no universitário.

Um facto interessante é que se uma determinada faculdade quiser treinar e não tiver possibilidade de usar um pavilhão no Campus, a ADESL cede o pavilhão da Cidade Universitária, onde por norma se realizam todos os jogos, de forma a não prejudicar nenhuma das equipas.

Entre a panóplia de equipas de Lisboa, existem umas com jogadores federados que praticam ao mais alto nível do andebol nacional de alta competição e outras que só realizam desporto escolar, existem casos em que o contacto com a modalidade é quase nulo, e o contacto do atleta com a modalidade se restringia às aulas de Educação Física. As equipas, por regra geral, são equilibradas, havendo algumas com um naipe com bons atletas. Existem também equipas cujos atletas não possuem grande aptidão para a modalidade.

ISCTE campeão regional 2016/2017 Fonte: ADESL

Realizam-se jogos entre todas as equipas, só com uma ronda para em seguida se apurarem os 4 primeiros para a próxima fase a chamada Final Four. Sendo que o 1º classificado joga com o 4º classificado e o 2º com o 3º classificado. Os vencedores de ambos os jogos disputam uma final, enquanto os perdedores jogam o terceiro e quarto lugar. Por regra, os jogos são realizados no pavilhão da cidade, porém existem equipas que preferem jogar em “casa” devido ao facto de terem um maior número de adeptos a motivarem a respectiva equipa como é o caso da equipa da Faculdade de Motricidade Humana ou do Instituto Politécnico de Setúbal.

ISCTE sagrado campeão Fonte: ADESL

Para além do campeonato regional, existe ainda o campeonato nacional, europeu e mundial. O apuramento dos campeonatos desde o nacional até ao europeu varia. Neste ano do campeonato 2016/2017 o campeonato nacional que foi realizado em Coimbra pela FADU onde apenas foram apuradas duas equipas de Lisboa (1º e 2º classificado), porém no anterior campeonato nacional que foi realizado em Lisboa foram apuradas 4 equipas de Lisboa. No caso do campeonato europeu também se mantém o mesmo critério do exemplo anterior sendo que este ano foram apuradas duas equipas de Portugal. Já no mundial é por convocatória, sendo os melhores de Portugal que participam no campeonato universitário, e mesmo alguém que não tenha jogado nenhum jogo pode ser convocado para este campeonato.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter