21 Nov, 2017

O Momento da Época – Sporting CP

Bruno DiasMaio 28, 20173min0

O Momento da Época – Sporting CP

Bruno DiasMaio 28, 20173min0

O ano desportivo do Sporting CP foi decepcionante. Esta é uma ideia praticamente unânime entre todos aqueles que acompanharam o panorama futebolístico português esta época. Entre vários momentos marcantes da temporada leonina, um jogo em Guimarães assume-se como o momento definidor da má época dos “leões”.

A 1 de Outubro de 2016, o Sporting CP desloca-se a Guimarães, para defrontar o Vitória SC, em jogo a contar para a 7ª jornada da Liga NOS. Apesar do descalabro em Vila do Conde (derrota por 3-1 frente ao Rio Ave), duas jornadas antes, os “leões” chegavam a este jogo com 5 vitórias nas primeiras 6 jornadas, e com a possibilidade de se manterem junto ao topo da tabela, ocupado pelo Benfica. Para além disso, traziam já um balanço relativamente positivo de duas jornadas da UEFA Champions League, com uma derrota por 2-1 no Santiago Bernabéu, frente ao Real Madrid, num jogo em que a equipa leonina esteve a vencer até aos 89 minutos e onde realizou, discutivelmente, a melhor exibição da temporada, e com uma sólida vitória por 2-0 em Alvalade, frente ao Légia.

Num jogo tradicionalmente complicado para qualquer “grande”, pelo ambiente característico do Estádio D. Afonso Henriques, o Sporting entra bem na partida e realiza 70 minutos de um nível médio/bom, chegando a esse período do jogo com uma expressiva vantagem de 3 golos, apontados por Markovic, Coates e Elias.

É então que tudo muda. Apenas três minutos após o 0-3 de Elias, Hernâni encara Schelotto no 1×1, leva a melhor e William Carvalho, que procurava ir ajudar o colega, precipita-se na abordagem à bola. Grande penalidade sobre Hernâni, que Moussa Marega se encarrega de concretizar. 1-3. Ainda o público festejava o primeiro golo vimaranense, e já nova onda de choque abalava o estádio: desatenção da linha defensiva do Sporting, cruzamento para a área e Marega a bisar na partida. 2-3. O Vitória cresce no jogo, apoiado pelos seus adeptos, e aos 89 minutos, numa bola cruzada para a área por Raphinha, Soares cabeceia para o fundo da baliza de Rui Patrício, fazendo o 3-3 final e levando o D. Afonso Henriques à loucura.

O empate no jogo, depois da equipa possuir uma vantagem de 3 golos ao minuto 70, abalou fortemente a moral da formação leonina. As opções de Jorge Jesus para o 11, bem como as suas próprias ideias para o futebol da equipa (distintas da temporada transacta, sobretudo com a entrada de Gélson Martins para o lugar de João Mário, que se reflectiu numa mudança drástica de perfil numa das posições fulcrais do modelo de jogo), começam a ser questionadas.

A confiança de alguns jogadores diminui, e a equipa entra numa espiral negativa de confiança, qualidade de jogo e resultados. No mês de Outubro, o Sporting perde em casa com o Borussia Dortmund para a UEFA Champions League, empata os dois jogos seguintes para o campeonato (1-1 contra o Tondela em Alvalade, e um nulo na Choupana, frente ao Nacional) e só vence mesmo o Famalicão, na 3ª eliminatória da Taça de Portugal, pela margem mínima (1-0).

A época do Sporting teve altos e baixos, e o jogo de Guimarães apresenta-se aqui como o catalisador do primeiro ponto baixo da época leonina. É o momento da época para o Sporting CP.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter