19 Ago, 2017

Lanús: Um campeão com futebol de autor

Diogo AlvesFevereiro 24, 20176min0

Lanús: Um campeão com futebol de autor

Diogo AlvesFevereiro 24, 20176min0

O Lanús é o actual campeão argentino, após em Maio passado ter vencido o San Lorenzo na final do Campeonato Argentino. Uma fase regular absolutamente arrasadora levou a que chegassem à final como o grande favorito à vitória. Com ideias e um processo jogo sempre em evolução, o Lanús é das equipas mais apaixonantes e refrescantes do futebol Argentino.

Decorridas 14 jornadas o Lanús é, actualmente, o 6º classificado da Primera Divisón com 26 pontos e com uma distância de apenas cinco pontos para o Boca Juniors, o 1º classificado da Primera Divisón.

A inconstância de resultados nas primeiras seis jornadas afastaram a equipa dos primeiros lugares durante algum tempo, e isso reflecte-se agora com a desvantagem de cinco pontos para o líder Boca, que curiosamente venceram na 1ª jornada por 1-0.

Foram quatro jogos sem vencer, entre os quais três empates e uma derrota em casa contra o surpreendente Unión de Santa Fé. No entanto, já conseguiram aproximar-se do pódio estando a apenas dois pontos do 2º classificado, o Newell’s Old Boys. A consistência apareceu na 9ª jornada e conseguiram cinco vitórias consecutivas que só tiveram travão com o empate a duas bolas com o San Lorenzo na última jornada antes da pausa de verão.

Jorge Almirón, o autor

[Foto: infobae.com]
 

Jorge Almirón é o treinador principal do Lanús e o responsável – a par dos jogadores – de colocar o Lanús a praticar um dos melhores “futebóis” da Argentina. Muito apreciado pela crítica desportiva, Jorge Almirón é um dos rostos da nova vaga de treinadores argentinos que prometem dar um colorido diferente ao futebol argentino.

Almirón já foi alvo de elogios de Menotti, um dos grandes treinadores do futebol argentino e umas das vozes principais na Argentina no que ao futebol diz respeito. Não fosse ele considerado um dos melhores treinadores argentinos de sempre e o treinador campeão do Mundo em 1978.

Procurou aconselhar-se com vários treinadores argentinos, uns mais contemporâneos, outros nem tanto, como o supracitado Menotti. Sampaoli, Bianchi e Basile foram os outros treinadores que Almirón procurou aprender e partilhar reflexões sobre futebol. Com Jorge Sampaoli esteve dez horas à conversa e nem houve pausa para almoço.

A ideia de jogo

O Lanús de Jorge Almirón é uma equipa que procura praticar um futebol ofensivo, vistoso, com organização e pressionante sem bola. O sistema é o tradicional 4x3x3 que procura sempre ter um jogo posicional muito forte.

É uma equipa que procura chegar à área contrária através de um jogo associativo, com passe curto e apoiado. Procuram manter-se equilibrados em todos os momentos de jogo, e foge ao padrão mais argentino de um jogo muito desgarrado e que facilmente se “parte” com o passar dos minutos. Se há espaços para explorar não têm problemas em acelerar mais o jogo e verticalizar mais o seu jogo em direcção à baliza.

Privilegiam uma saída através do guarda-redes e a partir daí começa o seu processo ofensivo, jogo pausado, toques curtos e mobilidade para conseguir encontrar o melhor espaço e penetrar na defesa do adversário. Largura máxima em muitos momentos de jogo para que haja “campo grande”. Abrir o adversário para encontrar brechas no aparelho defensivo e assim se torne mais fácil invadir zonas privilegiadas para fazer golo. Procuram jogar pelos três corredores, por isso os laterais estão muito profundos em campo e libertam os extremos para zonas mais interiores.

 Os protagonistas

Miguel Almirón era um dos principais protagonistas do Lanús [Foto: infobae.com]
 

Jorge Almirón teve a sorte de encontrar um Lanús nutrido de talento, com vários jovens jogadores cheios de vontade de aprender e com imenso talento. Também com alguma experiência e vivências que é preciso ter no seio da juventude. Caso concreto é José Sand, o avançado de 36 anos que, apesar da idade, atravessa um belo momento na sua carreira. 16 golos na época passada e esta época leva 6 golos em 14 partidas da Primera Divisón.

Monetti é o guarda-redes mais vezes titular no Lanús, experiente e com algumas épocas de Lanús, o arquero argentino é o ideal para sair a jogar porque tem um bom jogo de pés, e é considerado como um dos melhores na sua posição no que ao jogo de pés diz respeito. Fundamental para contribuir com a primeira fase de construção.

Na defesa contam com a grande experiência de Maximiliano Velázquez de 36 anos, pode actual como defesa-central ou lateral-esquerdo. A saída de Gustavo Gómez para o AC Milan deixou este sector mais frágil, mas continuam aparecer bons talentos como Marcelo Herrera, defesa-central de 24 anos, com uma boa capacidade para sair a jogar e o lateral José Luís Gómez que esteve nos pré-convocados da Argentina para a Copa América Centenário.

No meio-campo é onde estão as maiores virtudes deste Lanús. Ivan Marcone é o pivot defensivo da equipa, equilibra a equipa quando há muito propensão ofensiva dos laterais e envolve-se bastante na fase de construção. Román Martínez pode-se dizer que, dentro do 4x3x3 é o “8”, o jogador que liga o jogo com o criativo – Miguel Almirón – e os extremos. Miguel Almirón era (e digo era porque saiu em Janeiro rumo aos Estados Unidos) o jogador mais criativo da equipa, um autêntico número 10, da cabeça aos pés, qualidade técnica, velocidade, passe e visão de jogo. Um jogador fundamental na manobra ofensiva da equipa, sobretudo em fase de definição.

Na frente de ataque há o supracitado José “Pepe” Sand que é um autêntico pivot ofensivo, recebe muitas vezes de costas para a baliza e relaciona-se muito bem com os médios que estão de frente para a baliza adversária. Além disso, junta ainda uma boa capacidade a finalizar e os seus 36 anos fazem-no num jogador com uma bagagem muito grande para afrontar os grandes defesas argentinos. Lautaro Acosta é um dos desequilibradores a partir dos corredores, com passagem fugaz pelo Sevilla, Lautaro é, nesta fase, um dos bons jogadores do campeonato argentino. Hernan Toledo chegou em Janeiro – emprestado pela Fiorentina- e promete juntar-se a Lautaro Acosta para dar ainda mais verticalidade e velocidade ao ataque do Lanús.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter