21 Fev, 2018

West Bromwich Albion – Para quê mudar?

Gonçalo MeloJaneiro 23, 20184min0

West Bromwich Albion – Para quê mudar?

Gonçalo MeloJaneiro 23, 20184min0
O West Brom vive uma situação dificil na Premier League. A juntar a isso, o técnico Tony Pulis, que nunca viu uma equipa sua descer de divisão foi demitido. O que reserva o futuro dos Baggies?

O West Bromwich Albion vive uma das mais delicadas fases da sua história recente. Uma equipa que nos habituou a uma regularidade e coesão notáveis encontra-se agora numa situação delicada, situação essa que poderia ser menos grave, não fosse o precoce despedimento do anterior técnico Tony Pulis.

O galês conseguiu um trabalho notável nas duas épocas que esteve no clube, tendo salvado a equipa duma situação semelhante à deste ano em 2015/2016 quando tudo apontava para o descalabro, tendo conseguido um tranquilo 10º lugar na época passada, algo que a equipa não conseguia há largos anos. No entanto, dificuldades no arranque desta temporada levaram ao despedimento do antigo treinador de Crystal Palace e Stoke City (onde também tinha realizado trabalhos convincentes) para ser substituído por Alan Pardew.

O facto é que a equipa estava acima da linha de água até ao despedimento de Pulis, tendo caído na zona perigosa após o segundo jogo sem o técnico nascido no País de Gales.

Resultado de imagem para alan pardew e tony pulis
Alan Pardew tem uma tarefa difícil em mãos (Foto: BBC sport)

Terá a demissão de Pulis sido a decisão correta? Poderá ser cedo para o afirmar, mas dispensar um técnico que nunca foi despromovido pode parecer uma decisão estranha. A equipa estava acima dos lugares aflitivos, e embora o futebol fosse deveras pobre (já o era muitas vezes nas épocas anteriores, mas a equipa conseguia resultados) o plantel parecia ter soluções para se aguentar entre os grandes do futebol inglês.

Com um leque de internacionais de valor, como o keeper Ben Foster, os defesas Allan Nyom, Johnny Evans ou Chris Brunt, ou os médios Jake Livermore, Claudio Yacob, Nacer Chadli ou os avançados James McClean, Matt Philips e Salomón Rondón, os baggies juntaram ainda ao seu plantel nomes interessares e valiosos como o egípcio Ahmed Hegazy, Kieran Gibbs, Grzegorz Krychowiak, Gareth Barry, Oliver Burke ou Jay Rodriguez, elementos que tornaram o plantel bastante mais competitivo e flexível.

Ainda assim, tanto o 4-3-3 de Pulis (que ainda tentou mudar para um 3-5-2, sem sucesso) como o 4-4-2 de Pardew denotam dificuldades, sendo demasiado fáceis de anular pelos adversários. A equipa depende muito de rasgos individuais e de arrancadas dos seus elementos ofensivos, com Rondón e Jay Rodriguez à cabeça, faltando criatividade e irreverência à equipa quando Nacer Chadli e Gareth Barry não estão em campo.

Os extremos apresentam características já pouco inovadoras no futebol atual (McClean, Brunt e Phillips são muito de ir à linha cruzar), não sendo capazes de contribuir para um futebol apoiado e com jogo interior, e os elementos do meio campo como Krychowiak, Livermore e Yacob são médios com evidentes qualidades na pressão e recuperação de bola mas com dificuldades na criação de futebol ofensivo para a equipa, sendo aconselhável uma ou duas contratações chave para colocar West Bromwich na rota da manutenção.

Resultado de imagem para chadli and rondon
Rondón e Chadli, as duas jóias da coroa dos Baggies (Foto: Sky Sports)

Com apenas 3 vitórias em 24 jogos, duas delas com Pulis, 19 golos marcados e 31 sofridos, os Baggies têm 14 jornadas para tentar sobreviver no primeiro escalão do futebol inglês, algo que têm conseguido nos últimos 8 anos. A luta promete ser dura, com os rivais diretos Swansea e Stoke e evidenciarem melhorias e Brighton, Huddersfield, Newcastle e Southampton a apresentarem quebras de forma, estando por isso a luta pela sobrevivência ao rubro.

Tony Pulis nunca viu uma equipa sua ser despromovida, e não vai ser este ano, uma vez que foi contratado pelo Middlesbrough, que se encontra na luta pelo regresso à Premier League. Terá sido inteligente desfazer-se de um técnico com um currículo como o do galês?

A direção, juntamente com Alan Pardew pensam que sim. Pulis e o Fair Play estarão atentos ao percurso dos Baggies, enaltecendo certamente em caso de sucesso ou apontando o dedo a uma decisão que poderá ter sido ruinosa, caso o destino do West Bromwich Albion seja o difícil e competitiva Championship. A questão pertinente que todos colocam nas ruas de West Bromwich é óbvia: Para quê mudar?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter