20 Set, 2017

A Guerra dos Tronos – Liga NOS 17/18

Nélson SilvaAgosto 8, 20178min0

A Guerra dos Tronos – Liga NOS 17/18

Nélson SilvaAgosto 8, 20178min0
Antevisão da Liga NOS 17/18 com foco aos candidatos ao título: SL Benfica, FC Porto e Sporting CP

Uma autêntica corrida pelo “Ouro” na principal divisão de futebol em Portugal: SL Benfica e o sonho, FC Porto e o regressar à história recente ou Sporting CP e um pôr fim ao domínio dos rivais. Esta é a antevisão da Liga NOS 2017/2018 do Fair Play


Um inédito penta, uma quebra de jejum portista de quatro anos ou o regresso dos leões ao título após dezasseis anos –  são estes os cenários possíveis, daqueles que serão certamente os candidatos por onde passará a entrega do título 2017/2018. Se o Benfica tem dominado no panorama nacional, Porto e Sporting procuram reerguer-se com estruturações cada vez mais bem definidas e com boas indicações para a época que se avizinha. Os encarnados voltarão a ter os dois arquirrivais à espreita de destronar a hegemonia que valeu recentemente o tetracampeonato dos encarnados. Numa fase embrionária, com o campeonato a começar e perante várias incertezas, chegou a hora de avaliar o panorama atual dos candidatos ao título de campeão nacional português.

Foto: A minha chama

SL BENFICA

Se o caminho até agora traçado foi tão glorioso como trabalhoso, não é agora que se augura tarefa mais fácil. O Benfica vem de quatro anos em pleno no campeonato nacional, carimbando uma regularidade que nem sempre é fácil de manter. As saídas do mercado voltaram a deixar marcas e esta época foi o eixo defensivo que sofreu três perdas fundamentais – Ederson (Man. City), Lindelof (Man. United) e Nélson Semedo (Barcelona). Contudo, e apesar de algum reforço, não deixa de soar o alarme e a curto prazo parecem ser novamente internas as soluções.

Júlio César assume as redes (embora castigado por diversas lesões), Jardel volta ao eixo onde já foi pedra fundamental ao lado de Luisão e na direita segue o bombeiro de serviço André Almeida, a curto prazo, devido ao fracasso de Pedro Pereira na sucessão a Semedo. Aurélio Buta até o ultrapassou na corrida ao lugar, mas Rui Vitória entende que o jovem lateral ainda não possui os requisitos necessários para dar segurança na defesa encarnada.

Apesar da pré-época com exibições geralmente pobres e resultados pouco satisfatórios, o Benfica “ganhou” para já um verdadeiro reforço para o ataque – Haris Seferovic. O suíço impressionou nas primeiras oportunidades e até foi decisivo na conquista da supertaça. O miolo segue nas mãos dos intocáveis Fejsa e Pizzi, mas sempre que se procura uma solução alternativa a esta dupla, soa novamente o alarme. Filipe Augusto é a solução mais experimentada, mas deixa muito a desejar. Chrien precisa de se adaptar e há ainda o estranho eclipse de André Horta, jogador que foi também parte crucial no início da temporada transata dos encarnados. Resta ainda Krovinovic, promessa croata que chegou do Rio Ave e que todos olham como a verdadeira alternativa a Pizzi, embora uma lesão o tenha impedido de se estrear. Para qualquer eventualidade, caso Samaris esteja apto, será possivelmente a primeira alternativa a saltar do banco para Rui Vitória.

A conquista da supertaça veio reforçar os ânimos dos encarnados, que agora terão um teste de fogo a abrir o campeonato contra o Sp. Braga. Vejamos quem Luís Filipe Vieira faz chegar para colmatar as saídas do plantel, mas para já as águias demonstraram seguir com os mínimos necessários para conquistar o primeiro troféu da época.

A ESTRELA: Jonas

A SEGUIR:  Filip Krovinovic

FC Porto (Foto: Getty Images)

FC PORTO

Uma mudança de paradigma para renovar a alma necessária ao regresso às conquistas. Depois do fracasso de Paulo Fonseca, da tentativa falhada de reestruturação com Lopetegui ao leme, terminando com novo fracasso da aposta em Nuno Espírito Santo, chegou a hora de recorrer a uma nova alternativa que se identifique com a casa –  Sérgio Conceição. Mais do que um treinador com currículo, Pinto da Costa voltou a procurar uma “mão forte” para a chicotada psicológica no plantel portista. Nesse aspeto, o presidente pode já constatar as mudanças evidentes, pois a equipa tem dado mostras de grande empenho e boa adaptação ao sistema de Conceição.

Passando do tradicional 4-3-3 para um renovado 4-4-2, o Porto mostra ter em Aboubakar o maior “reforço” até ao momento, uma vez que o camaronês parece convencido pelo treinador a ficar no plantel e tem retribuído a confiança com golos. Do onze base da época passada, há apenas uma alteração direta na ala direita, com Ricardo Pereira a ganhar a corrida a Maxi Pereira, com um fôlego que o uruguaio mostra dificuldades em acompanhar para seguir como titular. De resto, Sérgio Conceição abdica de um médio para fazer alinhar Aboubakar lado a lado com Soares, numa dupla marcada pela fome de golos. Desta forma, os portistas passam a precisar de um médio mais capaz da ligação ao ataque, um box-to-box que tem em Oliver a solução mais experimentada e preferida do técnico portista. Herrera e Otávio seguem na corrida, mas o mexicano até tem sido dos menos experimentados na pré-época. Contudo, esta é uma posição passível de ser prioritária no que respeita a possíveis reforços.

Os resultados, essencialmente qualitativos, desta fase experimental reanimaram os adeptos. Ainda assim, os adversários escolhidos foram praticamente sempre acessíveis aos portistas e não houve um nome forte que pudesse pôr à prova os dragões de maneira a garantir total confiança para mais uma longa época que terão pela frente.

A ESTRELA: Brahimi

A SEGUIR: Ricardo Pereira

Sporting CP (Foto: Facebook Sporting CP)

SPORTING CP

Chegou a hora de reforçar na verdadeira assunção da palavra. Fábio Coentrão , Mathieu e Doumbia chegam como os nomes mais sonantes, mas há ainda as promessas Bruno Fernandes e Acuña. Jorge Jesus volta a não fazer a coisa por menos e segue o ataque no mercado, com uma reformulação do plantel onde possa ter essencialmente um leque de opções fiáveis no banco, alternativas a melhorar aquilo que falta no seu onze base. Reconhecido por usar a pré-época como um período extremamente experimental, Jesus voltou a inventar ao longo do tempo, com um pouco convincente sistema de três defesas, que parece ser para esquecer no final de contas.

Coentrão chegou para se reafirmar no futebol europeu e será dono e senhor da lateral esquerda, se as lesões deixarem de ser recorrentes como têm sido na sua carreira. A ala direita é, até então, o setor mais preocupante, com Schelotto a desaparecer das contas de Jesus e com o reforço Piccini a deixar algo a desejar. O Sporting acaba de garantir Ristovski, internacional pela Macedónia que representava o Rijeka da Croácia, que deverá ser a opção principal do técnico português. Com William e Adrien intocáveis no meio campo, Bruno Fernandes surge como alternativa direta caso se confirme a saída de Adrien. Nas alas, Gelson Martins é a grande estrela, ao passo que Acuña deverá disputar um lugar no onze na outra ala com Bruno César. Não abdicando do seu sistema preferido, Jesus dará preferência à utilização de Alan Ruiz no apoio a Bas Dost. Apesar da chegada do sonante reforço Doumbia, é Ruiz quem mais se adequa à tarefa que o técnico pretende.

Os testes de pré-época mostraram do melhor e do pior, mas as vitórias na reta final frente a Mónaco e Fiorentina também animaram os adeptos leoninos, que voltam a elevar a esperança do regresso ao título de campeão que foge há dezasseis anos.

A ESTRELA: Gelson Martins

A SEGUIR: Marcos Acuña


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter