23 Nov, 2017

Chen e Cheng – A dupla de sucesso na China League Two

Romário IvoJunho 21, 20177min0

Chen e Cheng – A dupla de sucesso na China League Two

Romário IvoJunho 21, 20177min0

Você já ouviu algo sobre a terceira divisão chinesa (China League Two)? Pois então lá atuam dois dos melhores jogadores do Sichuan Longfor, equipa treinada por Manuel Cajuda e Floris Schaap – este último já entrevistado pelo Fair Play.

Qu Cheng e Chen Tao, principais jogadores do Sichuan, comemoram mais um gol. (Foto: Arquivo pessoal – Chen Tao)

Eles serão os craques da China League Two ao fim da temporada? Difícil afirmar, mas uma ‘dupla mortal’ tem sido sem nenhuma dúvida, o principal fator para a liderança da equipe chinesa do Sichuan Longfor na terceira divisão chinesa. E o treinador português Manuel Cajuda tem se orgulhado e aproveitado o máximo da qualidade ofensiva de Chen Tao e Qu Cheng, que são os grandes nomes, marcadores e também os assistentes da China League Two 2017, até as rodadas já disputadas no momento.

Foram 9 partidas até aqui, e em quase nenhuma rodada eles passaram em branco, na difícil competição para o Sichuan. O acesso da equipe nas últimas temporadas bateu na trave, nos últimos instantes, e a semi-final tem sido o “fantasma” da equipe nos últimos 3 anos. Só que neste ano, as perspectivas são grandes para o objetivo estabelecido na comissão técnica portuguesa. E o meio-campo Chen Tao e o atacante Qu Cheng vem ajudando e muito no bom desempenho e nos bons resultados na liga sul.

Apresentação e a aquisição em conjunto dois dois jogadores na última temporada. (Foto: Sichuan Longfor)

Eles chegaram em 2016 e ninguém imaginaria que os dois brilhariam em 2017, tanto que o contrato de Chen Tao, foi quase “um período de teste”, no primeiro instante. O dia 21 de junho representou por mera coincidência, a chegada do armador Chen Tao de 31 anos e do centro-avante Qu Cheng de 27 anos.

Naquele momento o meia Chen Tao sem encontrava em clube, desde a sua saída do Dalian Aerbin FC, por onde atuou entre 2013 e 2015. Após uma saída inesperada se fazia como uma aposta certeira, pois o clube não possuía um jogador com as suas qualidades e características. Para Chen Tao, foi uma virada de mesa grande e muito surpreendente, pois deixava o futebol profissional para um recomeço de carreira. Era um convite que veio do capitão do Sichuan, seu velho amigo, Gan Yingbo, e Chen decidiu aceitar para ajudar a equipe a somar muita experiência.

A situação para Qu Cheng era muito parecida, ele ainda vinha da Super Liga Chinesa. Atuava pelo Jiangsu Suning onde  não havia conseguido, desenvolver o futebol que lhe foi confiado nas poucas oportunidades que teve. Foi emprestado várias vezes, passando pelo Parma FC, pelo Persipura Jayapura e por fim o empréstimo ao Sichuan Longfor, onde se esperava muito do grandalhão de 1,88m de altura, que acabou marcando em 2016, 2 gols em 9 jogos.

A confiança ocorreu e veio em sequência a renovação. (Foto: Sichuan Longfor)

O ano de 2016 para Chen Tao não foi fácil. Não era por ser um craque que a adaptação seria instantânea. A falta de ritmo pesou em algumas ocasiões, mas aos poucos foi ganhado o seu espaço com o treinador português Vítor Pontes e ajudou a equipe a chegar às semi-final, sendo eliminada pelo Jiangxi Liansheng.

O choque de realidade foi grande para Chen Tao e a cidade de Sichuan, já que o melhor-meia atacante da década passada se transferia para um modesto clube. Chen Tao sempre foi marcado por passagens vitoriosas na seleção chinesa, sendo também o capitão mais jovem da história do futebol chinês.

O auge de Chen Tao perdurou ao longo de 2002 e 2011, seu início de carreira foi arrasador: fazia sempre grandes golos, decidia, era um exímio cobrador de falta e o mais talentoso jogador chinês da década anterior. Em 2004 foi nomeado o Young Player of the Year da Super Liga, em 2005 a conquistou a East Asian Football Championship e em 2011, o título da Copa da China com o Tianjin TEDA. Muitos não acreditavam que, aos 31 anos, com a transferência para o Sichuan, ele pudesse render aquilo que ele havia de futebol, mas a diretoria confiou e estendeu o seu contrato até 2019.

2017 tem sido o maior uma das melhores épocas de Chen Tao e Qu Cheng, tanto que Manuel Cajuda comenta assim o encontro e trabalho com o meia atacante Chen Tao na China: “Sobre Chen Tao começo por dizer que foi com surpresa e muita alegria que pude encontrar este talento no futebol chinês. É para mim um privilégio treinar um atleta com toda esta capacidade”, afirma.

É difícil prever o que deu errado na carreira de Chen Tao. Poderia ter ido mais longe? Não sabemos, mas a sua qualidade vem sendo expressada em todas as partidas: as assistências, a liderança e as cobranças de falta voltaram ao seu lugar. E Manuel Cajuda também questiona da mesma maneira, o passado de Chen: “Todos os dias me pergunto, onde teria chegado este Chen Tao se quando mais novo estivesse, por exemplo, no futebol europeu. Grande capacidade técnica, uma intuição táctica fantástica. Pena que treinadores anteriores não tenham aperfeiçoado todas as arestas nos aspectos de disciplina emocional. É um Líder dentro do campo, um Homem de carácter e um Amigo que dá gosto ter. Quanto ao seu desempenho apenas digo que estou maravilhado e se continuar assim vai durar mais 3/4 anos a um nível superior. Estou muito contente com ele”.

Um abraço que tem nome: “gol”. (Foto: Sichuan Longfor)

O incrível desempenho em 2017 tem nome

Se o Sichuan Longfor está dentro do G4 desde a primeira rodada, muito se deve ao protagonismo e o poderio ofensivo de Chen Tao e Qu Cheng. Porque os dois jogadores também em 2017 já marcaram juntos, 12 gols em 10 partidas.

E não sendo “fominhas”, eles deram espaço, é claro, para os outros gols de seus companheiros: Xiao Zhen, Ma Chongchong, Fan Baiqun, Lu Cheng e Jiang Xiaochen. Juntos são os responsáveis diretos por 63% dos 19 gols feitos pelo clube da província de Chengdu.

São 8 gols e a artilharia geral da China League Two para Qu Cheng e 4 gols para Chen Tao, que é também o líder de assistências da liga e o o 3º artilheiro geral. Esse início arrasador veio a começar no dia 9 de abril, diante do Hunan Billows, o Sichuan estreou com vitória e um gol do artilheiro e do garçom.

Qu Cheng um finalizador nato, precisa de pouco mais de 90 minutos para marcar 1 gol, e se manter a média, o primeiro título do Sichuan Longfor virá. Chen Tao com sua técnica, passes e organização, vem tendo participação direta em muitos gols do Sichuan, renascendo e mostrando que pode e tem potencial para jogar a Super Liga e, se observado por Marcello Lippi, o retorno a seleção chinesa. Mesmo sendo um jogador de 32 anos, tem uma saúde e um cuidado incrível, para não deixar de jogar nenhuma das 9 partidas da China League Two. O futuro os espera, será que eles vão se separar ao fim da temporada? Seguiram outros rumos? É o que não queremos, porque a redenção é notável e em 2018 continuarão a lutar por um propósito: o de se tornarem ídolos e escreverem a mais bela história chinesa da liga.

O projetado no ano do Sichuan Longfor é o acesso. A equipe vem cumprindo o favoritismo, e como diz Cajuda: “O mais importante não é somente começar bem e sim terminar bem”.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter