14 Dez, 2017

Qual Gabriel é melhor? Jesus ou Barbosa?

Victor AbussafiJulho 31, 201611min1

Qual Gabriel é melhor? Jesus ou Barbosa?

Victor AbussafiJulho 31, 201611min1

Dois jogadores da mesma geração, com o mesmo nome, na mesma posição. Gabriel Barbosa e Gabriel Jesus crescem para o futebol mundial lado a lado, em clubes rivais, e representam a esperança do futebol brasileiro para o futuro do seu ataque depois de um vazio no comando da linha de frente.

Depois da aposentadoria de Ronaldo Fenómeno todos esperavam que Adriano assumisse a camisa 9. O Imperador entrou em uma espiral negativa após a copa de 2006 e acabou por encerrar a carreira de forma melancólica, mas, em 2010, Luis Fabiano fez um bom trabalho e amenizou a ausência. Pato, o teórico herdeiro da posição, não se confirmou como prometia e a seleção sofreu com Fred e Jô em 2014.

Tanto Gabriel Barbosa quanto Gabriel Jesus não têm o perfil do típico ponta de lança. São jogadores ágeis que podem jogar pelos lados e pelo meio, mas tem faro de gol e são, aos 19 anos, destaques em seus times. Jesus foi apontado como 11º jogador mais valioso com menos de 20 anos pela Soccerex e Barbosa o 19º.

São, nesse mercado de verão, alvo dos principais clubes do mundo e irão, ao lado de Neymar, liderar a Seleção Brasileira na busca pelo inédita medalha de ouro olímpica. Com tantas coincidências é inevitável a comparação.

Substituto de Neymar e artilheiro na formação, Gabriel Barbosa é conhecido como Gabigol.

Gabriel comemora gol contra o Palmeiras (Foto: Santos FC)

Gabriel Barbosa é mais um craque da lendária linhagem da Vila Belmiro. Só nos últimos anos, saíram das categorias de base do Santos jogadores como Robinho, Diego, PH Ganso e, o mais falado atualmente, Neymar. O costume de dar oportunidades para os jovens e a constante colocação de talentos no futebol europeu atrai sempre jovens promessas para o Santos e Gabriel sempre foi apontado como o herdeiro de Neymar.

Descoberto pelo histórico Zito, aos 8 anos, quando enfrentou o Santos numa partida de Futsal, Gabriel Barbosa ganhou o apelido de Gabigol por ter feito mais de 600 gols durante sua formação. Sua fama era tamanha, que já em 2012 foi chamado para os primeiros treinos com os profissionais. Em 2013, com 16 anos, recebeu a sua primeira oportunidade entre os “adultos”. Sua estreia em jogos oficiais aconteceu no empate em 0 a 0 com o Flamengo, que marcou a despedida de Neymar. Portanto essa marca esteve sempre com ele.

No entanto, apesar de viver alguns altos e baixos durante as suas primeiras temporadas, natural para um jogador tão jovem,  viveu em 2015 o seu ano de amadurecimento. Se firmou no time titular e cresceu com o time na reta final do ano. Com oito gols, foi o artilheiro da Copa do Brasil, perdida para o Palmeiras de Gabriel Jesus. Em 2016, manteve o crescimento e assumiu de vez a função de craque do time, chegando a ser convocado para a Seleção Brasileira principal.

Gabigol sempre foi centro-avante nas categorias de base e começou sua carreira profissional da mesma maneira. No entanto, a diferença física para os fortes zagueiros 10 anos mais velhos fizeram com que ele fosse gradualmente se deslocando para o lado do campo. A chegada de Ricardo Oliveira em 2015, fez com que Gabriel assumisse de uma vez o lado direito do ataque e sua precisa perna esquerda garante muitos gols. Jogador muito técnico e com fama de convencido, Gabriel pode jogar em qualquer posição do ataque e tem ganhado corpo para competir a nível internacional.

Em constante evolução, por ser um jogador inteligente e com bom passe, Gabriel dá segmento às jogadas ofensivas de um time veloz que conta com a organização de Lucas Lima e o faro de gol de Ricardo Oliveira para ser um dos concorrentes ao título brasileiro de 2016. Na seleção, fez boas partidas nas chances que teve, mas sempre na posição do camisa 9, maior carência do elenco atual.

Assediado pelos principais clubes internacionais, tem sido ligado à Juventus e ao Borussia Dortmund nessa janela, mas os altos valores pedidos pelo Santos atrapalham a negociação. Um bom desempenho nas Olímpiadas podem ser fatais para sua venda já nessa janela.

Glória, glória, aleluia… Glória, glória, aleluia… é Gabriel Jesus!

Gabriel Jesus comemora gol no Paulista (Foto: Gazeta Press)

É com esse grito que a torcida palmeirense recebe seu jovem astro. Gabriel Jesus cresceu jogando bola nas ruas da periferia de São Paulo e foi para a várzea ainda novo. Em 2015, foi artilheiro da Copa São Paulo sub-15, com 29 gols, e chamou a atenção do Palmeiras. Na base alviverde, logo se destacou e fez incríveis 37 gols em 22 partidas no Campeonao Paulista sub-17, chamando a atenção do então treinador do clube, Ricardo Gareca, para ser convidado a treinar com os profissionais.

Em 2015, foi destaque na Copa SP de Júniores e recebeu sua primeira oportunidade na equipe profissional. No Paulistão, estreou em 7 de março, numa vitória do Palmeiras sobre o Bragantino, por 1 a 0, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. Aos 24 minutos do segundo tempo, a torcida do Palmeiras pediu a entrada do atacante e foi atendida. Nessa altura, seu desempenho na formação já enchia de esperanças a carente torcida do Palmeiras.

Gabriel ganhou projeção mundial no Mundial sub-20 de 2015, onde foi o grande destaque da Seleção Brasileira, vice-campeã, e desde então cavou seu espaço no plantel do Verdão. Cresceu muito em 2015, sendo chave para o título da Copa do Brasil, contra o Santos de Gabigol, e virou titular absoluto em 2016. Com a camisa 33 (numa jogada de marketing não planejada), é o artilheiro da atual edição do Brasileirão com 10 gols em 14 jogos.

Assim que subiu, por ser um jogador leve e habilidoso, Gabriel foi deslocado para as laterais do campo, como costuma acontecer com jogadores do seu porte físico. Não é e nunca, no entanto, foi o extremo tradicional, que volta para marcar o lateral adversário e fica preso à linha lateral. Rapidamente caiu nas graças do torcedor por ser ousado e destemido, sempre buscando o drible e a jogada em direção ao gol. Com Cuca, foi deslocado para o centro do ataque (jogava assim na formação) e cresceu ainda mais. Com o futebol veloz e agressivo que o Palmeiras pratica essa época, Gabriel encontrou o ambiente perfeito para evoluir e o tem feito muito rápido.

Ao que tudo indica, deve concretizar ainda essa semana sua transferência para o Manchester City, apesar de propostas de todos os outros gigantes. Uma suposta ligação de Guardiola parece ter sido fundamental e o brilhante espanhol deve ter planos para utilizar o ágil ponta de lança no futuro, mas Gabriel Jesus fica pelo menos até o fim do ano no Brasil. Sorte do Palmeiras.

Mas afinal? Quem é melhor?

Jogadores estarão juntos nas Olímpiadas (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press)

Gabriel Barbosa começou no profissional mais cedo e por isso parece ser mais velho, mas a idade dos dois é a mesma (19 anos). Gabriel Jesus tem menos jogos como profissional, mas uma média de gols similar (74 jogos, 27 gols, média de 0.36 por partida) à de Gabigol (157 jogos, 58 gols, média de 0.36 por partida).

Jogador com personalidade forte, “marrento” e vaidoso, Gabigol também é uma figura polémica. Conviveu desde cedo com a sombra de Neymar e não tem, nem de perto, o mesmo carisma do jogador do Barcelona. Na bola, o jogador do Santos se desenvolveu muito desde o seu primeiro jogo como profissional e é sempre elogiado por seu profissionalismo, mas essa característica de personalidade pode atrapalhar.

Tem feito grandes jogos partindo da direita para o meio, circulando ao redor do ponta de lança principal, mas seu futuro deve ser acabar por jogar mais centralizado. Precisa ganhar físico para enfrentar os defensores europeus, principalmente no jogo aéreo, mas é muito inteligente e vai sempre levar vantagem contra os adversários. Está pronto para jogar no mais alto nível e seria titular em muitas das principais equipas do mundo, seja como 9 ou nos lados, num esquema com 3 atacantes.

Pelo lado verde, Gabriel Jesus apareceu mais tarde, mas cresceu muito rápido. Em 1 ano passou de jogador “cru” recém subido da base para destaque do time e em 2016 mostrou o seu lado artilheiro fatal e liderou o Palmeiras na liderança do Brasileirão. Mais discreto que seu homónimo, Jesus teve a vantagem de entrar em um time carente de ídolos, depois de ter visitado a segunda divisão, e em crescimento com o dinheiro do presidente Paulo Nobre. O torcedor palmeirense não via, há muito tempo, sair das suas categorias jovens um jogador do porte de Jesus e por isso se apaixonou rapidamente.

Leve e arisco, Gabriel Jesus consegue ser um constante incómodo para a defesa adversária ao se movimentar muito e sempre buscar sair da linha de impedimento. Apesar de franzino, consegue proteger bem a bola e disputar com defensores mais pesados e se dedica a marcar a saída de bola, o que é fundamental para o tático futebol europeu. É melhor quando joga solto no ataque, se deslocando do meio para os lados para criar, mas sem estar preso aos lados do campo. No Palmeiras de Cuca encontrou a receita para explodir, um time veloz, agressivo e que joga em constante movimentação do meio para a frente.

Na Europa, Gabriel Jesus terá o desafio de encontrar sua posição. Precisa de um time e um treinador que o entendam para não ser deslocado para as alas e ter seu futebol limitado. Entretanto, dificilmente conseguirá espaço para ser o camisa 9, pela diferença do porte físico dos defensores e da intensidade do futebol praticado. A ida ao Manchester City é inteligente nesse ponto, pois encontrará o apoio de Pep Guardiola, famoso por preferir atacantes leves e velozes e promover a movimentação dos jogadores de frente.

Seriam uma dupla incrível, mas Jesus tem recebido mais atenção da mídia nos últimos tempos e, aparentemente, é a prioridade dos gigantes do futebol. Ronaldo os apontou como as maiores promessas do futebol brasileiro e os seus próximos passos no futebol vão definir quem terá mais sucesso. Mas neste momento, apesar de Gabriel Barbosa aparentar estar mais pronto para o estilo de jogo praticado no Velho Continente, de já ter feito gols mais decisivos e ter mais experiência, Jesus é quem demonstra ter mais campo para crescer e ser um jogador mais diferente.

Se Gabriel Jesus seguir nesse ritmo e se encaixar nas táticas de Guardiola, tem tudo para ser um dos principais jogadores do futebol mundial nos próximos anos. Inteligente na movimentação e difícil de ser marcado, pode superar a inferioridade física com velocidade de raciocínio.

É sempre arriscado fazer projeções para o futuro de jovens talentos, mas o sucesso dos dois é fundamental para o futebol brasileiro. Nas Olímpiadas, jogarão juntos ao lado de Neymar, num trio que pode ser a chave para a retoma da auto-estima e das glórias da seleção canarinha. Torcedores de todos os clubes estarão de olho no Rio de Janeiro para ver se estes talentos se entenderão e os olhos do futebol mundial também estarão neles, já que já na próxima época podem estar a desfilar suas qualidades em palcos no estrangeiro.

Veja alguns momentos dos dois e opine que acha melhor nos comentários:


One comment

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS




Newsletter


Categorias


newsletter