20 Ago, 2017

A primeira lista de Tite

Victor AbussafiAgosto 22, 20165min0

A primeira lista de Tite

Victor AbussafiAgosto 22, 20165min0

A Seleção Brasileira começou uma nova fase nesta segunda-feira, agora sob o mandato do vitorioso Tite. Cercado de expectativas após o seu bom trabalho no Corinthians e numa fase onde o povo brasileiro parece ter se reconciliado, ao menos temporariamente, com a sua Seleção, o novo treinador apresentou seus primeiros 23 convocados. Com campeões olímpicos, estrelas mundiais e surpresas, vem aí um novo Brasil. Será?

No sábado veio o primeiro ouro olímpico da história. Noite de festa por todo o Brasil, de celebração dos campeões e de ver e rever as imagens da conquista. Mas a segunda-feira veio como uma quarta-feira de cinzas após o Carnaval. Apesar de ter dado novo ânimo ao torcedor, a vitória sobre a Alemanha não muda o cenário da Seleção principal. Em 6º nas eliminatórias, sem jogar bem após o drama de 2014 e ainda sem encontrar um time que transmita confiança ao torcedor.

Medalhistas de Ouro estão na lista. (Foto: Yahoo!)
Medalhistas de Ouro estão na lista. (Foto: Yahoo!)

A missão de Tite é dura. Primeiro, precisa levantar a auto-estima do futebol brasileiro. Nisso, a medalha de ouro já começou o trabalho, mas uma derrota para o Equador no próximo jogo das eliminatórias pode tirar o sorriso do rosto do torcedor. Levantar a auto-estima não significa vencer, somente. Significa jogar bem, com cara de Brasil, assim como a Seleção Olímpica fez. Depois, precisa encontrar um grupo fiável de jogadores, na personalidade e no talento. A derrota para a Alemanha em 2014 mostrou um grupo imaturo e pouco preparado para aguentar a pressão de jogar uma Copa em casa. Além disso, a dificuldade em encontrar volantes e um centro-avante do mesmo nível dos demais têm sido grande.

Montar uma Seleção que transmita confiança é o desafio para atingir o seu primeiro grande objetivo, que é classificar o Brasil para a próxima Copa. Sim, o país penta-campeão, que nunca ficou fora de uma Copa do Mundo, corre o risco de ficar de fora da próxima, na Rússia.

O bom trabalho de Micale nos Jogos do Rio de Janeiro mostrou que é possível jogar com uma proposta ofensiva e mais próxima do historial do país e o impacto dessa proposta, quando vitoriosa, na relação com o povo do país. O clima do Maracanã na final olímpica demonstrou uma sinergia entre torcedor e seleção que não se via há tempos.

Na coletiva após a divulgar a lista de hoje, Tite deu esperança ao afirmar que pretende montar uma equipe que respeita a escola brasileira. Pretende atacar com muitos, mas mantendo a organização necessária no futebol moderno. Para isso, ele terá que ir contra o seu próprio estilo. Os primeiros jogos serão um sinal do que virá, apesar de ter apenas dois dias de treinos antes da estreia. Veremos se o discurso se traduzirá no campo. Tomara que sim.

Os convocados

Vale a pena frisar que a lista deveria ser anunciada na semana passada e que já foi protocolada na FIFA nesta data. Portanto, os jogos da semi-final e final das Olimpíadas não foram levados em consideração.

São 7 olímpicos, o que valoriza o trabalho feito no Rio. As merecidas chamadas pela dupla de defensores que só sofreu um gol, por um Renato Augusto que foi o líder desse grupo e dos talentosos Gabrieis. Apesar disso, pode-se questionar a ausência de Wallace e Luan.

Retornam alguns jogadores que estavam em baixa com Dunga, como Marcelo. Thiago Silva, machucado, ficou de fora, mas deve voltar. Algumas ausências por lesão, como Douglas Costa, são sentidas. Tite ainda citou Fernandinho, William Arão e Geromel ficaram perto de serem chamados.

Paulinho está de volta à Seleção (Foto: AFP)
Paulinho está de volta à Seleção (Foto: AFP)

E, além da manutenção de alguns inquestionáveis, vemos algumas surpresas. Tite apostou em jogadores com quem já trabalhou, como Paulinho, Giuliano, Taison e Fágner. Esse é talvez o calcanhar de Aquiles dessa convocação. Paulinho, por estar esquecido na China. Taison e Giuliano, por estarem em mercados com pouca visibilidade e não apresentarem desempenhos inquestionáveis. Fágner, no entanto, se destaca no fraco Brasileirão mas não tem grandes concorrentes na lateral direita.

Goleiros:

Alisson (Roma-ITA)

Marcelo Grohe (Grêmio)

Weverton (Atlético-PR)

Laterais:

Daniel Alves (Juventus-ITA)

Fágner (Corinthians)

Marcelo (Real Madrid-ESP)

Filipe Luís (Atlético de Madrid-ESP)

Zagueiros:

Miranda (Inter de Milão-ITA)

Gil (Shandong Luneng-CHN)

Marquinhos (PSG-FRA)

Rodrigo Caio (São Paulo)

Meias:

Casemiro (Real Madrid-ESP)

Rafael Carioca (Atlético-MG)

Paulinho (Guangzhou Evergrande-CHN)

Giuliano (Zenit-RUS)

Willian (Chelsea-ING)

Coutinho (Liverpool-ING)

Renato Augusto (Beijing-CHN)

Lucas Lima (Santos)

Atacantes:

Neymar (Barcelona-ESP)

Taison (Shaktar-UCR)

Gabriel Jesus (Palmeiras)

Gabriel Barbosa (Santos)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter