18 Out, 2017

Nas asas do anjo Gabriel

Tomás da CunhaNovembro 27, 20164min0

Nas asas do anjo Gabriel

Tomás da CunhaNovembro 27, 20164min0

Foram precisos 22 anos para que o Palmeiras pudesse saborear de novo a conquista do Brasileirão. O Verdão não foi o campeão do bom futebol, nem sequer uma equipa que se destacou pela qualidade da organização, mas tem o mérito de ter mantido a regularidade ao longo do campeonato.

Cuca preparou o conjunto para o título. No imediato, para quebrar o jejum de uma vez por todas. Se há coisa que não se pode dizer é que o Palmeiras não é uma equipa trabalhada. Foi sempre um conjunto pragmático, que não facilitou em encontros acessíveis e que esteve sempre à altura dos desafios mais exigentes.

Alternando entre o 4-3-3 e o 4-2-3-1, os novos campeões do Brasil nunca apresentaram um futebol muito envolvente, preferindo ter alguma segurança. O modelo de Cuca privilegia o jogo exterior, daí que os laterais Jean e Zé Roberto (por vezes Egídio), ambos muito experientes, tenham sido fundamentais ao longo da temporada. Os médios ficam responsáveis pelos equilíbrios, sobretudo quando o marcador é favorável.

Não se pense, contudo, que o emblema paulista não apresentou qualidade ofensiva. Apesar de a construção a partir de trás ser pouco arrojada, com inúmeras bolas bombeadas na frente sem critério, a forma como os três jogadores da frente se associavam com Moisés, habitualmente o médio mais ofensivo, originou momentos de bom nível.

A defender, o Palmeiras não fugiu ao paradigma do futebol brasileiro. As referências individuais deixam muito espaço entre sectores e também na mesma linha, provocando desequilíbrios frequentes. Contudo, a turma de Cuca conseguia ganhar grande parte dos duelos durante o jogo, com os centrais Vítor Hugo (a quem a bola atrapalha) e Mina a fazerem valer a sua dimensão física.

Gabriel e outras figuras do título

Gabriel Jesus foi a figura maior do Palmeiras Foto: Pedro Martins/Mowa Press
Gabriel Jesus foi a figura maior do Palmeiras
Foto: Pedro Martins/Mowa Press

No último terço, a qualidade individual dos jogadores fez a diferença em muitos encontros. Gabriel Jesus apareceu nos momentos decisivos e tem o perfil dos bons velhos avançados brasileiros. É um “rato” de área, com um poder de desmarcação assinalável e muita agressividade na finalização. Sente-se mais confortável com espaço, partindo das alas, mas conseguiu ser uma referência à altura. Crescerá no jogo sem bola e vai adquirir naturalmente a frieza que lhe falta em algumas situações de exigência.

O jovem foi a figura do campeonato, e o que fez pelo Palmeiras mostra o amor que tem pelo clube. Fez questão de ficar até ao final da temporada, apesar de já ter assinado pelo Man City, obrigando-se a sacrifícios enormes para poder contribuir na caminhada. Jogou em Lima, no Peru, e menos de 48 horas depois foi titular pelo Verdão no terreno do Atlético Mineiro. As lágrimas de emoção quando marcou o golo da sua equipa têm um significado forte e provam que Gabriel não esquece as origens.

Os parceiros do ataque são duas revelações, embora com estatutos diferentes. Roger Guedes fez, aos 20 anos, a primeira temporada neste nível, cativando a atenção de vários olheiros europeus. Não parece ter potencial para ser um jogador de topo, mas teve a sua importância no título. Curiosamente, possui algumas características em comum com o português Gonçalo Guedes, sendo também ele muito vertical. Peca por ter um perfil de decisão algo imaturo, mas no corredor central, como segundo avançado, poderia ganhar outra dimensão no seu jogo.

Dudu, apesar da qualidade, sempre foi um extremo algo inconsequente e irresponsável. Cuca foi inteligente, deu-lhe a braçadeira de capitão e elevou-o a outro patamar. Mais focado no jogo, foi uma referência para a equipa e um dos desequilibradores de serviço do Palmeiras. Falando em referências, não se pode ignorar o papel de Moisés, o patrão do meio campo, ligando sectores e emprestando critério na posse. Foi decisivo na recta final da temporada.

O outro caso de sucesso é Tchê Tchê, que foi contratado ao Audax São Paulo após o campeonato paulista. Não sendo muito criativo, é um jogador bastante disponível fisicamente e que pode desempenhar várias posições em campo (foi lateral-direito e médio). Mesclando experiência e juventude, o Palmeiras conseguiu superar a concorrência de Santos, Flamengo e Atlético Mineiro. É campeão.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter